Publicidade

Estado de Minas

Antigos do Brasil - A saga do jipessauro

Produzido no Brasil a partir de 1962, o Toyota Bandeirante tinha como principais características a robustez e a durabilidade, mas parou no tempo e saiu de linha


postado em 28/05/2010 15:01

(foto: Fotos: Toyota/Divulgação)
(foto: Fotos: Toyota/Divulgação)
A Toyota do Brasil Indústria e Comércio Ltda foi fundada em janeiro de 1958, em São Paulo, onde produzia veículos fora de estrada. O primeiro modelo da marca montado em território nacional foi o Land Cruiser, que tinha motor seis cilindros a gasolina, de 3.8 litros e 123cv de potência. Em 1960, a Toyota reformulou o projeto e passou a equipá-lo com um quatro cilindros a diesel, o OM 324 da Mercedes-Benz. Mas foi em 1962 que a Toyota inaugurou suas novas instalações e introduziu no mercado um jipe robusto, equipado com propulsor a diesel, denominado Bandeirante.

O modelo era comercializado com quatro tipos de carroceria: picape, jipe com capota de lona e de aço e perua, que na verdade era um jipe mais alongado. O motor era o mesmo Mercedes-Benz OM 324 de 78cv e 19,6kgfm de torque. O câmbio tinha quatro marchas à frente, sendo a terceira e quarta sincronizadas. A tração era permanente nas quatro rodas e o freio de estacionamento atuava sobre o eixo cardã.

Veja mais fotos do Toyota Bandeirante!

O Toyota Bandeirante ficou conhecido por ser um veículo rústico indicado especialmente para condições severas de trabalho. Não oferecia conforto e o desempenho era apenas satisfatório. O motor a diesel, extremamente ruidoso, não chegava a ser dos mais econômicos. O jipe era o mais curto, com 3,79m de comprimento e, por ser mais leve, apresentava melhor consumo de combustível. Já a perua, com 4,26m de comprimento, tinha boa capacidade de carga, enquanto a picape transportava até 1.000 quilos.

TROCA-TROCA
Desde o lançamento até 1976, o Toyota Bandeirante praticamente permaneceu sem alterações, parado no tempo. Apenas o motor foi substituído pelo OM 314, também da Mercedes-Benz, um 4.0 litros de quatro cilindros a diesel de 85cv. Em 1990, outra mudança na motorização: o modelo passou a ser equipado com o Mercedes-Benz OM 364, de 90cv. Mas os propulsores da marca alemã eram um dos pontos fracos do Bandeirante, embora fossem de fácil manutenção e de longa durabilidade. Além disso, provocam trincas em partes da carroceria devido ao peso. Então, em 1994, o modelo ganhou o motor Toyota 14B, um quatro cilindros a diesel de 3.7 litros mais leve, que chegava a 96cv a 3.400rpm.

Maior do que o jipe Willys, o Toyota Bandeirante era o verdadeiro pau para toda obra. Os modelos equipados com os motores Mercedes-Benz tinham muito torque em baixa rotação, detalhe que garantia desempenho impecável em terrenos escorregadios e irregulares. A relação de marchas da transmissão também contribuía para a boa performance. A primeira, muito curta, transformava o jipe em um legítimo trator. Durante muito tempo, o sistema de freios do Bandeirantes foi dotado de tambores nas quatro rodas. Os discos só chegaram às rodas dianteiras em meados dos anos 1990.

A série especial Sport marcou a despedida do Bandeirante em 2001, após 39 anos e 103.750 carros produzidos
A série especial Sport marcou a despedida do Bandeirante em 2001, após 39 anos e 103.750 carros produzidos


Mas a história do Toyota Bandeirante teve fim em 2001, quando a produção na fábrica do Brasil foi definitivamente encerrada. O modelo morreu como um velho dinossauro, ultrapassado, apesar de ser seguido por uma verdadeira legião de fãs. Em quatro décadas foram produzidas 103.750 unidades do modelo.

Leia as outras 12 matérias da série Antigos do Brasil

Aero Willys - Requinte nacional.

Willys Rural - Rural urbana.

Renault Dauphine - As desventuras do Leite Glória.

VW Fusca - O queridinho do Brasil.

Ford F-100 - Para o trabalho e o lazer.

Chevrolet Brasil/Amazona - Linha diversificada.

DKW Candango - A vida curta de um batalhador.

Jeep Willys - Da batalha para o sertão.

DKW Belcar - Um sedã de belas formas.

VW Kombi - Heroína da resistência.

DKW F-91 - Simpática perua.

Romi-Isetta - Carro, moto ou geladeira?.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade