Publicidade

Estado de Minas

Antigos do Brasil - Aperfeiçoando o imperfeito

Derivado de modelo inglês, o Dodge 1800 era a opção da Chrysler para quem queria um compacto. Anos depois do lançamento, o carro foi rebatizado de Polara, melhorando muito


postado em 11/08/2010 14:03

(foto: Fotos: Abril Cultural/Reprodução)
(foto: Fotos: Abril Cultural/Reprodução)
Com um grandalhão já no mercado, o Dodge Dart, a ideia da Chrysler do Brasil no início da década de 1970 era atacar o segmento dos sedãs compactos. A solução seria derivada de um modelo inglês chamado Hillman Avenger, que também foi fabricado na Argentina. O Dodge 1800, nome dado ao carrinho brasileiro, foi apresentado no Salão do Automóvel de 1972, mas lançado somente no ano seguinte. O visual estava bem de acordo com os modelos compactos que circulavam pela Europa.

A frente trazia dois pares de faróis circulares encrustados na grade preta de plástico. As luzes de direção ficavam abaixo do para-choque. Além de uma saliência central, o capô trazia vincos na junção com os para-lamas. A versão Gran Luxo tinha frisos cromados por todos os lados. As rodas, com fundo preto, tinham ar esportivo. A coluna B era esguia e a lateral com ampla área envidraçada. A tampa do porta-malas era inclinada e as lanternas traseiras pequenas e retangulares.

A Chrysler optou por não produzir no Brasil o modelo com carroceria de quatro portas, tão popular em outros países, mas pouco apreciada por aqui na época. O motor 1.8 litro tinha mais capacidade cúbica do que os concorrentes do segmento, mas nem por isso era mais potente: 78cv. A configuração trazia motor dianteiro e tração traseira. A economia de combustível também não era característica do compacto. O câmbio era de quatro marchas, com a alavanca no assoalho, e os freios dianteiros a disco.

QUEIMADO Muitos atribuem a pressa em lançar o Dodge 1800 ao fato de o modelo ter apresentado vários defeitos já em seu primeiro ano de vida. Eram problemas mecânicos, de vedação, montagem e ruídos. Mas a Chrysler estava decidida a melhorar a qualidade do Dodginho. A reação começou em 1974, com a adoção de um novo e moderno carburador, que resultou em economia de combustível e ainda deu ao motor mais 4cv. O compromisso em aperfeiçoar o modelo deu resultado e em alguns anos o carro já era um veículo de qualidade superior.

Em 1974, a Chrysler lançou a versão esportiva SE, reduzindo os cromados, substituídos por pintura em preto fosco, inclusive nos para-choques, centro das rodas pintado na cor do carro e forrações internas em xadrez. No Salão do Automóvel do mesmo ano, no estande da Chrysler, foi exibido um protótipo da perua do Dodginho, existente na Europa, mas o modelo nunca chegou às ruas brasileiras.

POLARA Já em 1976, o 1800 foi rebatizado de Polara. O novo carburador, aumento da taxa de compressão e alguns ajustes mecânicos deixaram o motor ainda mais potente, com 93cv brutos. O ano também foi marcado por discretas mudanças estéticas na grade, lanternas e suspensão traseira, que ficou mais baixa. Dois anos depois, o Polara passou por uma reformulação mais profunda. A nova frente trazia dois faróis retangulares, com as setas integradas, grade menor e lanternas maiores.

Ao mesmo tempo em que o modelo passou a oferecer como opcional o câmbio automático de quatro marchas, enquanto outros mais sofisticados tinham câmbio de três, em 1979 a Volkswagen assumiu o controle da Chrysler. No ano seguinte, o Polara recebeu ligeiros retoques, sendo a placa deslocada para cima do para-choque, que ganhou um aplique de plástico. O motor recebeu carburador de corpo duplo, que aumentou a potência para 90cv líquidos. Em 1981, a produção do modelo foi encerrada.

Protótipo da perua foi apresentado em 1974, mas nunca chegou às ruas
Protótipo da perua foi apresentado em 1974, mas nunca chegou às ruas


Leia as outras matérias da série Antigos do Brasil

Dodge Dart – Na medida do prazer>.

Variant, TL e VW 1600 Trinca do barulho.

Chevrolet Opala - A história do projeto 676.

Ford Galaxie/Landau - Grandalhão com estilo.

Chrysler Esplanada - Herança da Simca.

Simca Chambord - De Belo Antônio a Vigilante Rodoviário.

FNM JK-2000 - Sedã pioneiro no luxo.

Toyota Bandeirante - A saga do jipessauro.

Aero Willys - Requinte nacional.

Willys Rural - Rural urbana.

Renault Dauphine - As desventuras do Leite Glória.

VW Fusca - O queridinho do Brasil.

Ford F-100 - Para o trabalho e o lazer.

Chevrolet Brasil/Amazona - Linha diversificada.

DKW Candango - A vida curta de um batalhador.

Jeep Willys - Da batalha para o sertão.

DKW Belcar - Um sedã de belas formas.

VW Kombi - Heroína da resistência.

DKW F-91 - Simpática perua.

Romi-Isetta - Carro, moto ou geladeira?.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade