Publicidade

Estado de Minas VRUM

Cliente reclama de picape comprada com marcha trocada, hodômetro adulterado e registros falsificados


postado em 21/07/2013 10:12

Sonho de Warley Nunes ter picape 4x4 se transforma em pesadelo(foto: Maria Tereza Correia/EM/DA Press)
Sonho de Warley Nunes ter picape 4x4 se transforma em pesadelo (foto: Maria Tereza Correia/EM/DA Press)

Realizando um sonho antigo, no mês de fevereiro o piloto de avião Warley Nunes comprou uma picape Mitsubishi L200 Outdoor HPE diesel ano 2010. “Apesar de ser um veículo usado, o vendedor da concessionária Via Jap me garantiu que se tratava de um carro de boa procedência, que foi apenas de um único proprietário, e com 47 mil quilômetros rodados. Além disto, o manual do proprietário trazia o carimbo de todas as revisões”, contou Warley. Já no test drive o piloto tentou engatar o sistema 4x4 com o veículo em movimento, mas sem sucesso.

O vendedor da concessionária garantiu que na entrega do veículo tudo estaria em ordem, mas não foi o que ocorreu. E este foi o principal motivo pelo qual o veículo foi e voltou por diversas vezes à concessionária. Até que, depois de uma inspeção, o funcionário da Via Jap explicou que o veículo havia sido montado de forma errada pela Mitsubishi. Segundo o vendedor, a caixa de marcha que estava no modelo era o de uma versão inferior, que de fato não foi projetada para ligar o 4x4 com o veículo em movimento.

Warley disse ao gerente da concessionária que havia pedido explicações, via e-mail, para a própria Mitsubishi. Este desmentiu o vendedor e afirmou que foi o antigo proprietário quem fez a troca e enganado a concessionária. Para piorar, eles recomendaram a Warley que levasse o carro numa oficina terceirizada para que a caixa fosse trocada por outra oriunda de uma caminhonete idêntica. A troca seria feita às escuras, sem qualquer registro na Mitsubishi e na concessionária. A proposta não foi aceita pelo piloto.

MENTIRAS A partir daí, Warley passou a desconfiar que a picape foi adulterada pela própria Via Jap. Ele entrou em contato com o antigo proprietário, que desmentiu tudo o que a concessionária já havia falado sobre o veículo. A identidade do proprietário anterior será preservada, mas ele afirmou que não foi o primeiro dono da picape, comprada já com cerca de 8 mil quilômetros rodados. Ele conta que a única revisão da L200 foi feita pelo primeiro dono e que ele não fez qualquer manutenção no veículo em oficina, muito menos na Via Jap. Ele ainda alega que o sistema 4x4 funcionava perfeitamente e que vendeu a picape para a concessionária com mais de 70 mil quilômetros no hodômetro.

OUTRAS Desde então, ficou claro que, no mínimo, foi a Via Jap que trocou a caixa de marchas, adulterou o hodômetro e ainda falsificou o registro das revisões. Além deste dissabor, Warley amargou outras decepções. Quando foi buscar o veículo pela primeira vez, o piloto verificou que todas as luzes do painel estavam queimadas e havia sinais que ele havia sido aberto. Com o uso, mais problemas foram aparecendo: um dia o veículo não ligava; o estado do acabamento interno não condizia com a baixa quilometragem; quando reclamou que a lanterna traseira estava quebrada, a solução apontada pela Via Jap foi a troca da peça por outra retirada de um veículo com perda total. O piloto contestou e, por fim, a concessionária usou uma peça nova. A falha mais grave foi quando, durante uma viagem, o pedal de freio endureceu subitamente, quase resultando num grave acidente.

A Via Jap, por meio do seu gerente de veículos usados, Marcelo Botelho, conta que não reconhece a versão dada por Warley e afirma que se prontificou a trocar a caixa de marcha por outra original e nova. Segundo o gerente, ainda foi proposta a compra da picape pelo mesmo preço pago. Já o piloto afirma que a única tentativa de negociação por parte da concessionária foi devolver o dinheiro pago, mas descontando quatro meses referentes ao aluguel do veículo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade