Publicidade

Estado de Minas

Ford Fusion: Flex X Hybrid - Compensa pagar mais pelo carro híbrido? Nós fizemos as contas

Com uma diferença de R$ 33 mil entre as duas versões, economista coloca tudo na ponta do lápis e mostra qual dos dois vale a pena comprar


postado em 09/08/2013 15:29 / atualizado em 09/08/2013 20:35

Ford Fusion Hybrid(foto: Fotos: Ford/Divulgação)
Ford Fusion Hybrid (foto: Fotos: Ford/Divulgação)
Há muito tempo uma dúvida permeia a mente dos interessados em comprar um veículo que tenha mais de uma opção de combustível. "Comprar uma caminhonete à diesel ou gasolina?" Em tempos de carros híbridos e elétricos, a questão volta, uma vez que a nova tecnologia mais limpa faz o carro consumir menos combustível, mas ainda é muito cara. Será que vale a pena pagar muito mais para ter um carro mais econômico?

 


Hoje, quem entra em uma concessionária Ford na procura por um Fusion, encontra três opções de motor: um 2.5 Flex de 175 cv, um 2.0 turbo de 240 cv e um híbrido 2.0 que chega a render 190 cv com a combinação dos dois propulsores (combustão e elétrico). Para saber se o híbrido é mesmo vantajoso, vamos considerar a comparação com a versão Flex, que é a que mais se aproxima em termos de potência.

Ford Fusion 2.5 Flex
Ford Fusion 2.5 Flex
O Ford Fusion Hybrid foi o último da gama a chegar ao Brasil e hoje é vendido por R$ 125 mil. Segundo dados oficiais do fabricante, ele roda 16,8 km com um litro de gasolina em trânsito urbano. O Fusion 2.5 Flex, que é vendido por R$ 92 mil, não teve seus dados de consumo divulgados pela Ford, mas nós consideramos os dados apurados pelo Vrum durante uma volta com o modelo em rodovias próximas a Florianópolis em abril deste ano e dados de mais três publicações especializadas. Chegamos na média de 6,6 quilômetros por litro de gasolina.

Motores combinados do modelo híbrido podem render até 190 cv
Motores combinados do modelo híbrido podem render até 190 cv
O baixo consumo do Fusion híbrido compensaria a diferença de R$ 33 mil? Pedimos auxílio ao economista Mauro Rochlin, professor de economia da Faculdade Ibmec, do Rio de Janeiro. Considerando o preço do litro da gasolina comum a R$ 3 (valor médio nos postos do Rio de Janeiro, Brasília e Manaus), o valor seria compensado após o veículo rodar 119.576 km. Se considerarmos que um motorista roda em média 1.500 km por mês com seu veículo, a opção pelo Hybrid só vale a pena financeiramente se o consumidor ficar no mínimo seis anos e meio com o veículo. Esse tempo pode aumentar em cidades onde a gasolina tem o preço mais baixo, como São Paulo (R$ 2,66), Belo Horizonte (R$ 2,73), Recife (R$ 2,69), Porto Alegre (R$ 2,71), Vitória (R$ 2,78) e Belém (R$ 2,85).

 

Mas se você não se importa em gastar mais dinheiro para contribuir para um ambiente mais limpo, o Fusion Hybrid é uma ótima opção para você colcoar em prática seus conceitos de sustentabilidade. É um ponto que também deve ser levado em conta.


Incentivo ao carro verde

No Brasil, outra opção de veículo híbrido é o Prius, da Toyota, que é vendido hoje por R$ 120 mil. Por aqui, não há nenhum incentivo do Governo Federal para o uso de veículos movidos a energias alternativas, como ocorre nos Estados Unidos. Em maio de 2010, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, reuniu jornalistas em Brasília para anunciar medidas de incentivo ao uso de veículos híbridos e elétricos. Instantes antes da coletiva, os jornalistas – já acomodados no auditório -, receberam a informação de que o pronunciamento estaria cancelado a pedido do então presidente Lula, que queria estudar melhor as medidas que seriam adotadas. Três anos e três meses se passaram e o Governo Federal até hoje não definiu nenhuma medida para incentivar o uso de veículos verdes no Brasil.

Motor 2.5 Flex rende 175 cv com gasolina
Motor 2.5 Flex rende 175 cv com gasolina

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade