Publicidade

Estado de Minas

Alta Roda: Fernando Calmon analisa líderes de cada segmento no semestre

Para colunista, primeira surpresa foi a dupla Onix/Prisma assumir a liderança nos mais vendidos. Honda HR-V e Jeep Renegade são novidade entre os SUV compactos


postado em 14/07/2015 12:16 / atualizado em 14/07/2015 12:25

Em três meses de venda, o Honda HR-V conquista o mercado dos SUVs compactos(foto: :Caio Mattos/Honda/Divulgação)
Em três meses de venda, o Honda HR-V conquista o mercado dos SUVs compactos (foto: :Caio Mattos/Honda/Divulgação)

No primeiro semestre aconteceram algumas reviravoltas de peso nos 15 segmentos em que a coluna divide o mercado brasileiro de automóveis e comerciais leves. A primeira surpresa foi a dupla Onix/Prisma assumir a liderança e ser seguida de perto por HB20 hatch e sedã. Interromperam uma longa série histórica protagonizada por modelos da Volkswagen e da Fiat.


Gol e Voyage juntos estiveram à frente até o final do ano passado, mas caíram para a quarta colocação ao fim deste primeiro semestre. Sem a soma de hatches e sedãs, a dupla de hatches de gerações diferentes Palio/Palio Fire continua na liderança alcançada pela primeira vez em 2014 e mantém a posição agora.


A chegada recente de quatro novos utilitários esporte compactos também proporcionará mais mudanças. Em apenas três meses de vendas, o HR-V avançou a tal ponto que, por uma diferença de apenas 271 unidades não desbancou a liderança do EcoSport. O modelo criou e sempre dominou a categoria. Há nítida tendência de essa onda de novos SUVs avançarem em participação de mercado. Foi o único segmento que cresceu (5% em relação ao primeiro semestre do ano passado). Outros desabaram até mais de 50%.


Também alcançaram a liderança em seus segmentos BMW Séries 5/6, Mercedes-Benz Classe C e Porsches Boxster/Cayman.

O ranking da coluna agrega hatches e sedãs da mesma família e igual distância entre-eixos, independentemente do nome do modelo. Sedãs com entre-eixos diferentes são classificados à parte (Grand Siena, Logan, Etios, Jetta e outros). A base é a do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam). Só se citam modelos mais representativos do segmento. Dados compilados por Paulo Garbossa, da ADK.


Compacto: Onix/Prisma, 12%; HB20 hatch/sedã, 10,4%; Palio/Fire/Siena, 9,6%;

Gol/Voyage, 9,1%; Ka hatch/sedã, 8,5%; Uno, 5,8%; Fox, 5,7%; Sandero, 5,1%; Celta/Classic, 4,7%; up!, 3,7%; Fiesta hatch/sedã 3,6%; Grand Siena, 3%; Etios hatch 2,3%; Logan, 2,2%; City, 2%; Cobalt, 1,7%; Etios sedã, 1,6%; March, 1,5%;

C3/DS3, (1,3%); Punto, 1,2%; Clio, 1,1%; 208, (1%). Onix/Prisma líderes pela primeira vez.


Médio-compacto: Corolla, 29%; Civic, 16%; Cruze hatch/sedã, 10,2%; Focus hatch/sedã, 10,1%; Sentra, 6%; Golf, 5%; Jetta, 4%; A3 hatch/sedã, 3,5%; Fluence, 2,7%; C4 Lounge/DS4, (2,6%); Lancer, 1,9%; Bravo,1,5%; Peugeot 308, (1,3%). Corolla com mais folga.


Médio-grande: Fusion, 29%; BMW Séries 3 e 4, (27%); Mercedes C, 24%; Audi A4/S4, (4%). Fusion sob ameaça.


Grande: BMW Série 5/6, (37%); Mercedes E/CLS, 29%; Jaguar XF, 21%. BMW é novo líder.


Topo: Mercedes S, 50%; Panamera, 17%; BMW Série 7, 11%. Mercedes reassume a ponta.
Esporte: Boxster/Cayman, 25%; BMW Z4, (23%); Corvette, 13%. Porsche virou o jogo.


Utilitário esporte compacto: EcoSport, 25,5%; HR-V, 25,1%; Duster, 24%. EcoSport deve perder a luta.


Utilitário esporte médio-compacto: Tucson/ix35, 39%; Sportage, 11%; Outlander, 10%. Líderes sem ameaças.


Utilitário esporte médio-grande: Hilux SW4, (40%); XC60, 11%; Sorento, 9%. Sem preocupações.


Utilitário esporte grande: Pajero Full/Dakar, 39%; Grand Cherokee, 17%; Edge, 11%. Pajeros consolidados.


Monovolume pequeno: Fit, 48%; Spin, 30%; Idea, 10%. Fit amplia.
Monovolume médio: J6, (40%); Mercedes B, 31%; Town&Country, 14%. Preço atraente explica.


Crossover: ASX, 48%, Range Rover Evoque, 23%; Freemont/Journey, 22%. Liderança tranquila.


Picape pequena: Strada, 54%; Saveiro, 32%; Montana, 14%. Strada não se abalou.
Picape média: S10, (31%); Hilux, 27%; Ranger, 15%. S10 ainda firme.

 

RODA VIVA

QUEDA de vendas no primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2014 foi de 21% e parece ter atingido o fundo do poço, segundo a posição da Anfavea. A Fenabrave, no entanto, ainda projeta o fechamento do ano com uma contração de até 24% sobre 2014. Estoques de 51 dias em maio diminuíram para 47 dias em junho pelo forte encolhimento da produção em 18,5%.

FALTA de confiança é o principal fator depressivo do mercado, pois inadimplência está em nível próximo ao mínimo histórico. Em 2015, devem ser vendidos no máximo 2,6 milhões de veículos. Significa recuo superior a um milhão de unidades em dois anos. Para se ter ideia do tombo, diferença equivale ao mercado anual do México, segundo maior da América Latina.

ESTRATÉGIA interessante da Audi foi colocar motor turbo 1.4 de 150cv no ano/modelo 2016 do Q3 alemão. Seu preço de entrada parte de competitivos R$ 127.190, o mais baixo entre os SUVs premium. Já reflete os ganhos da entrada em produção no Paraná, no início de 2016. Há retoques externos, acabamento mais simples, porém sem desapontar em termos de desempenho.

SUBARU confirma para o próximo mês a estreia de dois modelos por R$ 147.900 (WRX) e R$ 194.900 (WRX STI) para alavancar a marca. É impressionante a capacidade de aceleração e de vencer curvas com rapidez do STI, que, como todo Subaru, tem tração 4x4. Motor de 2.5 litros entrega 305cv e 40kgfm. Por enquanto, vendido aqui apenas com câmbio manual de 6 marchas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade