Publicidade

Estado de Minas PROBLEMA CRÔNICO

Mais um ônibus Mercedes-Benz solta o eixo traseiro, desta vez em Araxá

Quebra de grampos de sustentação e hábito de motoristas colaboram para forte tendência de desprendimento. Minas Gerais registra pelo menos outros oito casos semelhantes desde 2008


postado em 22/07/2015 15:00 / atualizado em 24/07/2015 17:23

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

 

Um ônibus do transporte urbano de Araxá, na região do Alto Paranaíba, desprendeu duas das rodas traseiras, assustando passageiros e pedestres. O coletivo da linha Santo Antônio x Fertiza é novo – foi fabricado em 2014, para a última renovação da empresa Vera Cruz, que opera as linhas do município – e soltou parte do eixo quando passava por uma lombada elevada na Av. Antônio Carlos, no centro da cidade. Com a quebra, uma das rodas foi parar no outro lado da avenida. A outra roda quebrou um vaso do canteiro central. Por sorte, ninguém se feriu. A ocorrência acende novo alerta para a forte tendência de quebra dos eixos traseiros dos ônibus da linha OF, da Mercedes-Benz.

Modelos mais vendidos do mercado brasileiro, os OFs apresentam sucessivos relatos de quebra dos grampos de molas, levando ao desprendimento do eixo e das rodas traseiras – fato agravado pela mania de motoristas puxarem a alavanca do freio em reduções de velocidade. A perigosa brincadeira gera pressão sob um conjunto numa situação que, repetida diversas vezes ao dia, ocasiona a fadiga estrutural. Desde 2008, pelo menos outros oito casos semelhantes foram registrados em Minas Gerais, um deles (em Itabirito) com vítima, segundo levantamento do Vrum (veja quadro abaixo). Dois dos primeiros casos foram confirmados pela própria Mercedes-Benz, em reportagem de fevereiro de 2011. Uma das ocorrências anteriores havia sido registrada justamente com um ônibus da Vera Cruz em Araxá, em fevereiro de 2014.

 

(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

 

(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

Acidente na Av. Amazonas, em agosto de 2013, deixou sete feridos

 

O acidente no Alto Paranaíba é o primeiro envolvendo o chassi Mercedes-Benz OF-1519 no estado. O modelo de 15 toneladas, equipado com motor OM 924 LA de quatro cilindros, 185cv de potência e até 11 metros de comprimento, é uma opção intermediária da linha de ônibus de motor dianteiro. Além da fadiga, colabora para o problema crônico manutenções inadequadas e fora dos prazos de revisões. Para amenizar a tendência a Mercedes-Benz já realizou pelo menos dois recalls de correção. No primeiro chamamento, para substituição dos grampos de molas do eixo traseiro, 13.400 unidades do modelo OF-1722 produzidas entre julho de 2008 e setembro de 2010 foram convocadas. Um segundo recall foi iniciado no segundo semestre de 2012, com chassis OF-1722 e OF-1721 produzidos entre novembro de 2010 e dezembro de 2011.

Além disso pelo menos duas atualizações foram realizadas na linha de produção dos OF. Na última, em abril, a marca alemã adotou o eixo estampado R390 de série nos modelos de 15 (OF-1519) e 17 (OF-1721 e OF-1724) toneladas, em substituição ao eixo de carcaça fundida HL4. O HL4 já não é usado na Europa há anos, enquanto o novo modelo é recorrente no velho continente desde a linha O-405 (fabricada de 1983 à 2001). A atualização busca retomar a imagem de confiabilidade da marca, depois dos sucessivos acidentes. Antes da padronização, o eixo R390 já era aplicado nos chassis OF 1721L e OF 1724L com suspensão a ar. O novo modelo também unificou os eixos para OFs de 15 toneladas e elevou, neste caso, a capacidade em 500 kg.

Outros casos idênticos tem sido registrados Brasil afora, como em 1º de janeiro, quando o eixo de um coletivo da linha 194 destruiu um muro e atingiu um carro que estava estacionado na garagem de uma casa no bairro Jardim Fernanda, em Campinas, interior paulista. Fora as ações do fabricante, algumas empresas de ônibus tem tomado a iniciativa de substituir os eixos traseiros nas garagens em caráter preventivo.

A assessoria da Mercedes-Benz informou, por telefone, que uma equipe fez uma análise preliminar do ônibus de Araxá e constatou que a origem do problema não foi a quebra de grampo.

 

 

HISTÓRICO DE PERIGO
Soltura do eixo nos ônibus Mercedes-Benz é recorrente no estado. Veja outros casos recentes:

Janeiro de 2009
Belo Horizonte

Traseira de ônibus da linha 30 (Estação Diamante/Centro) caiu sob o asfalto de alça de acesso da Av. Tereza Cristina depois do eixo traseiro se soltar
Modelo: OF-1722
Ano de fabricação: 2008

Agosto de 2013
Belo Horizonte

Coletivo da linha 4031 (Santa Maria/Hospitais) perdeu o controle e o motorista teve de jogar o veículo em uma árvore, na Av. Amazonas. Sete pessoas ficaram feridas
Modelo: OF-1722
Ano de fabricação: 2010

Itabirito
No mesmo mês um ônibus de fretamento da empresa Serra Verde quebrou o eixo, e desgovernado, atingiu Marilene de Cássia Celestina, de 46 anos, que passava pela calçada. Na batida, Marilene foi prensada contra um muro e teve ferimentos graves
Modelo: OF-1722
Ano de fabricação: não informado

Janeiro de 2014
Divinópolis

Após se soltar, eixo ficou preso sob a porta traseira de coletivo da empresa Trancid no bairro Belvedere II
Modelo: OF-1722
Ano de fabricação: não informado

Fevereiro de 2014
Araxá

Coletivo da empresa Vera Cruz desprendeu o eixo traseiro na rua, em caso semelhante ao de hoje
Modelo: OF-1721
Ano de fabricação: 2004

Outubro de 2014
Contagem

Motorista da linha 002 (Industrial) jogou veículo no canteiro central de uma avenida para evitar um acidente maior
Modelo: OF-1722
Ano de fabricação: não informado

Junho de 2015
Belo Horizonte

Ônibus da linha 4103 (Aparecida/Mangabeiras) por pouco não atingiu um ponto de ônibus no bairro Aparecida. Duas mulheres sofreram ferimentos leves
Modelo: OF-1722
Ano de fabricação: 2011

 

 

Notícia atualizada às 17h25 de sexta-feira (24 de julho).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade