Publicidade

Estado de Minas TRANSPORTE INTERESTADUAL

Grupo Gontijo confirma fim da Cia. São Geraldo de Viação

Tradicional companhia fundada em Caratinga em 1949 será gradualmente substituída pelos ônibus da Gontijo. Objetivo é otimizar estrutura e possibilitar operação em maior escala, em meio à mudanças do setor.


postado em 18/09/2015 14:03 / atualizado em 18/09/2015 18:00

(foto: Gontijo São Geraldo/Divulgação)
(foto: Gontijo São Geraldo/Divulgação)

 

Conforme adiantou o Vrum, a Cia. São Geraldo de Viação será mesmo extinta. A diretoria do grupo Gontijo confirmou, via assessoria de imprensa, que uma das maiores e mais tradicionais empresas de ônibus do estado será gradualmente substituída pela também mineira Gontijo. O objetivo da transação é otimizar a estrutura de ambas as empresas e frota, possibilitando uma operação em maior escala, em meio às grandes mudanças pelo qual o setor de transporte interestadual de passageiros passa. Não há prazo definido para a conclusão da incorporação, que não deverá trazer muitos impactos ao usuário: a operação das companhias irmãs já é feita de forma padronizada. A publicação da Resolução 4.845 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que concede autorização para a operação de incorporação, na última quarta-feira, abriu caminho para o processo de transição, agora sustentado oficialmente. Para a Gontijo, a resolução “foi uma resposta positiva a este pedido de incorporação”.

Todo o quadro de funcionários será transferido para a Gontijo, sem cortes, garante o grupo. Outra subsidiária do grupo, a Nacional será mantida do jeito que está. Na prática, a incorporação funciona de modo a transferir a razão social da Cia. São Geraldo de Viação para a Empresa Gontijo de Transportes, com todo o ativo e passivo, linhas, frota, funcionários e estruturas que estão em nome da Santo Forte – como também é conhecida a viação fundada em 1949 em Caratinga (Região leste de Minas Gerais).

 

(foto: Gontijo São Geraldo/Divulgação)
(foto: Gontijo São Geraldo/Divulgação)


“Para o grupo Gontijo, a autorização da ANTT é importante porque permite melhor aproveitamento das estruturas e da frota, possibilita operação em maior escala, o que otimiza a gestão e reduz custo, além de maior comodidade para o passageiro, que passa a dispor de todo o serviço que prestamos sem ter de recorrer a duas empresas diferentes”, explicou a Gontijo, em nota.

Em meio à crise econômica, a Gontijo, uma das maiores empresas de ônibus do Brasil, enxerga a realidade do setor com prudência e cautela. O grupo espera que a economia se recupere e que no fim do ano, quando há maior fluxo de passageiros no período das festas, possa recuperar as perdas dos meses anteriores. Desde a aquisição da São Geraldo, em dezembro de 2003, as operações são simultâneas. Na época algumas poucas linhas e veículos foram transferidos por questões operacionais para atender a esta demanda, de acordo com o grupo.

 

(foto: Gontijo São Geraldo/Divulgação)
(foto: Gontijo São Geraldo/Divulgação)


Trajetória
Desde dezembro de 2003 os cerca de 800 ônibus e 100 linhas interestaduais da São Geraldo são controlados pela família Gontijo, grupo igualmente mineiro fundado em Patos de Minas (no Alto Paranaíba), curiosamente no mesmo ano: 1949. Juntas as companhias possuem 114 garagens, 380 agências próprias, 700 agências terceirizadas e cerca de 7 mil funcionários, atendendo 20 estados além do Distrito Federal. Ambas transportam uma média de 7 milhões de passageiros/ano em 347 linhas nacionais e uma linha internacional, entre Salvador e Assunção, no Paraguai. A linha mais longa é que interliga Colatina, no Espírito Santo, a Porto Velho, em Rondônia, com 3.732km. Já há algum tempo as empresas são apresentadas como marcas unificadas.

O fim da São Geraldo atenta para as profundas alterações pelo qual o setor de linhas interestaduais de longa distância vem passando. Sofrendo forte concorrência com o setor aéreo, as empresas de ônibus trabalham em busca de máxima racionalização. Depois de a ANTT desistir do modelo de licitação das linhas por lotes e apostar na autorização especial de operação, a Viação Itapemirim, uma das maiores companhias do setor, vendeu 40% de frota e transferiu mais da metade das linhas (68, de um total de 118) para a novata Viação Kaissara.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade