Publicidade

Estado de Minas

Simulador de direção será obrigatório para tirar CNH em 2016

Detran-MG regulamenta resolução do Contran para uso do simulador de direção em autoescolas para quem vai tirar categoria B. Regras entram em vigor em 2016


postado em 16/11/2015 14:56 / atualizado em 16/11/2015 15:35

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Interessados em tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na categoria B terão mais uma etapa a cumprir em Minas Gerais. A partir de 1º de janeiro de 2016 será obrigatório a utilização do simulador de direção nas autoescolas. A regulamentação foi feita na Portaria 1.377 do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG).

Pelas novas regras, para conseguir a primeira habilitação na categoria B, o candidato terá que cumprir 25 aulas práticas de direção. Destas, cinco aulas deverão ser realizadas no novo equipamento na autoescola. Está previsto ainda, entre a carga horária de direção noturna, opcionalmente três aulas no simulador. O candidato deverá concluir a parte teórica de legislação antes de fazer as aulas no equipamento. E as aulas ‘na rua’ devem acontecer após o estágio no simulador.

No caso do adição de categoria à CNH, das 20 aulas práticas, cinco serão obrigatoriamente feitas no simulador. Destas, uma deverá simular o tráfego em ambiente noturno. A regulamentação proposta pelo Detran-MG atende à resolução 543 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), elaborada em 15 de julho de 2015.

"O equipamento vai contribuir para a preparação dos condutores na hora de encarar a realidade em vias públicas", diz Wagner Félix, assessor da Divisão de Habilitação do Detran. O equipamento simula situações de emergência e condições adversas de direção. O simulador possui todos os recursos de um automóvel como pedais, alavanca de câmbio e equipamentos obrigatórios de sinalização e segurança.

Simulador itinerante

A portaria do Detran-MG permite que o simulador de direção seja compartilhado entre os Centros de Formação de Condutores (CFC). O objetivo é atender as empresas que não tem espaço ou recurso para adquirir o equipamento.

As normas também criam o ‘simulador de direção itinerante’. O objetivo é atender candidatos que moram em cidades com até 35 mil eleitores, localizadas numa mesma Regional da Polícia Civil. Porém, se existir um CFC com um equipamento, não há essa possibilidade.

As regras só valem para quem iniciar o processo a partir de janeiro de 2016.

CLIQUE AQUI E VEJA A PORTARIA!


(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade