Publicidade

Estado de Minas SUBIRAM NO TELHADO?

Bravo, Idea e Linea deixam de ser produzidos pela Fiat no Brasil sem modelos substitutos

Fiat cessa produção de Bravo, Idea e Linea na fábrica de Betim em 17 de junho, mas nega fim de vida. Polo produtivo se prepara para a chegada do Projeto X6H


postado em 13/07/2016 15:46 / atualizado em 13/07/2016 15:51

Fiat Bravo(foto: Fiat/Divulgação)
Fiat Bravo (foto: Fiat/Divulgação)
A Fiat nega a informação, o trio ainda figura no site da marca, mas Bravo, Idea e Linea já não são produzidos no Brasil. A fabricação do hatch médio, da minivan e do sedã compacto cessou em 17 de junho, abrindo passagem para o que a própria montadora diz de “processo de modernização da fábrica” de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O polo produtivo se prepara para a chegada do Projeto X6H. A nova família de carros compactos substituirá Punto (hatch), Strada (picape) e, ao contrário do que indica o fim de vida do Linea, o sedã entrará no lugar do Grand Siena – o primeiro deles, o hatch, tem lançamento previsto para o primeiro semestre de 2017. As informações foram antecipadas pelo site Autos Segredos.

Ao menor por ora, Bravo (oferecido no site da Fiat a partir de R$ 72.120), Idea (começando em R$ 54.660) e Linea (a partir de R$ 65.860) não terão substitutos imediatos no mercado brasileiro. O fim de linha, contudo, não é confirmado pela Fiat, que alega apenas uma reestruturação do fluxo produtivo da fábrica de Betim, otimizando a organização dos modelos em três linhas de montagem.

Fiat Idea(foto: Fiat/Divulgação)
Fiat Idea (foto: Fiat/Divulgação)
“A nova logística faz parte do processo de modernização da fábrica, proporcionando melhor escala e eficiência à produção, além de abrir espaço para a implantação de novos processos e equipamentos na manufatura. Essa estratégia não resultará no fim de produção de nenhum modelo. Priorizamos a transferência imediata para as outras linhas de montagem dos modelos com maior demanda de mercado. É o caso do Doblò e do Punto, que mantêm produção normal. Já os modelos com menor volume de vendas (Linea, Bravo e Idea), a estratégia foi otimizar a produção nos meses anteriores para aumentar o estoque, garantindo o fornecimento normal ao mercado até a organização das linhas de produção”, afirma a montadora em nota.

Fiat Linea(foto: Fiat/Divulgação)
Fiat Linea (foto: Fiat/Divulgação)
LÁ FORA Na Europa, o Fiat Idea foi substituído pelo 500L (cinco lugares) e o 500L Living (sete lugares), as configurações familiares do simpático 500 – lê-se Cinquecento, em italiano –, lacuna ocupada localmente de certa forma pelo “primo” SUV Jeep Renegade produzido em Goiana (PE). Já os Fiat Bravo e Linea deram passagem no Velho Continente à recém-lançada família Tipo, composta ainda de uma variação perua, nenhum dos modelos médios confirmados para o Brasil a curto prazo, bem como o Fiat Viaggio asiático.

Recém lançada na Europa, família Tipo é composta de modelos hatch, sedã e perua(foto: Fiat/Divulgação)
Recém lançada na Europa, família Tipo é composta de modelos hatch, sedã e perua (foto: Fiat/Divulgação)
Do trio que subiu no telhado, o Idea era o modelo mais antigo em produção: foi lançado em 2005, sendo reestilizado em 2010 e 2013 (leves retoques na grade frontal e painel). Desde o lançamento o monovolume somou 248.860 unidades no país, de acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Lançado no fim de 2008 como concorrente da Honda Civic e Toyota Corolla e reestilizado em 2014 na dianteira, traseira e interior, o Linea, derivado do Punto, teve carreira mais modesta: 68.561 carros no mercado brasileiro. Sucessor do Stilo, o Bravo, por sua vez, chegou ao Brasil em dezembro de 2010, sendo reestilizado no começo de 2015. De 2011 até maio deste ano, o hatch teve 40.019 unidades vendidas localmente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade