Publicidade

Estado de Minas

Hatches e sedãs compactos continuam a liderar com folga a preferência dos brasileiros

Em 2016, continuou a forte aceitação de utilitários-esportivos compactos: cresceram 7% em um mercado que recuou 19%. A maior surpresa ocorreu entre as picapes médias


postado em 15/01/2017 14:59 / atualizado em 15/01/2017 15:07

Honda HR-V lidera o segmento de SUVs compactos, mas tem o Jeep Renegade no seu encalce, esquentando a disputa(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Honda HR-V lidera o segmento de SUVs compactos, mas tem o Jeep Renegade no seu encalce, esquentando a disputa (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Em ano tão difícil como o de 2016, as preferências do consumidor não mudaram tanto. Continuou a forte aceitação de utilitários-esportivos compactos: cresceram 7% em um mercado que recuou 19%. A maior surpresa ocorreu entre as picapes médias. A Fiat Toro, enquadrada por carregar até uma tonelada, além de garantir liderança, foi a principal razão de esse segmento ter subido nada menos de 21% sobre 2015.

Compactos hatches e sedãs continuam a liderar com folga a preferência dos brasileiros. Venderam no ano passado 1.128.309 unidades, correspondente a 57% do total. No entanto, os SUVs, divididos por esta coluna em quatro subsegmentos responderam juntos por 14%, um resultado anos atrás quase impensável. Para se ter ideia, todos os demais segmentos de automóveis reunidos (incluindo stations, monovolumes e crossovers) representaram 10% do total comercializado.

Destaques para os Mercedes-Benz liderando as três divisões, em que competiu com BMW, Audi e outros. Também impressionou a posição inabalada do Corolla e o Compass, em segundo lugar, com pouco mais de um mês de vendas em 2016.

Classificação da coluna soma hatches e sedãs da mesma família, independentemente do nome do modelo. Sedãs com entre-eixos de significativa diferença classificam-se à parte (Grand Siena, Logan, Etios e outros). Base é o Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam). Citados apenas os modelos mais representativos e pela importância do segmento. Compilação de Paulo Garbossa, da consultoria ADK.

Compacto: Onix/Prisma, 19%; HB20 hatch/sedã, 15%; Ka hatch/sedã, 9%; Gol/Voyage, 7%; Palio/Fire/Siena, 6%; Sandero, 5,6%; Fox, 3,9%; up!, 3,4%; Etios hatch, 3,3%; Uno, 3%; Etios sedã, 2,64%; Grand Siena, 2,6%; Mobi, 2,5%; Logan, 2,1%; Cobalt, 2%; Versa, 1,9%; Fiesta hatch/sedã, 1,7%; March, 1,6%; City, 1,4%; C3/DS3, 1%. Dupla Onix/Prisma consolida-se.

Médio-compacto: Corolla, 39%; Civic, 13%; Cruze hatch/sedã, 9,5%; Golf/Jetta, 9%; Focus hatch/sedã, 7%; Sentra, 4%; Fluence, 3%. Corolla inabalado.

Médio-grande: Mercedes Classe C, 29%; BMW Séries 3/4, 26%; Fusion, 25%. Classe C é novo líder.

Grande: Mercedes Classe E/CLS, 35%; Audi A6/S6/RS6, 21,6%; BMW Série 5/6, 21,3%. Mercedes mantém posição.

Topo: Mercedes Classe S, 46%; BMW Série 7, 17%; Audi A8, 15%. Líder recua só um pouco.
Esportivo: Chevrolet Camaro 39%; Audi TT, 34%; WRX, 12%. Camaro segurou a ponta.

Esporte: Porsche 718 Boxster/Cayman, 31%; Porsche 911, 30%; BMW Z4, 14%. Equilíbrio alemão.
Station: Fiat Weekend, 65%; VW SpaceFox, 22%; VW Golf Variant, 9%. Weekend sem adversárias.

SUV compacto: Honda HR-V, 28%; Jeep Renegade, 26%; Ford EcoSport, 14%. Liderança bem disputada.

SUV médio-compacto: Hyundai ix35/Tucson, 37%; Jeep Compass, 11%; Outlander, 8%. Resultado vai mudar.

SUV médio-grande: Toyota SW4, 54%; Pajero Full/Dakar, 12%; XC60, 9%. Líder sem ameaças.

SUV grande: Chevrolet Trailblazer, 26%; BMW X5/X6, 14%; Range Rover Sport/Vogue, 10%. Com mais folga.
Monovolume pequeno: Fit, 45%; Spin, 36%; C3 Aircross, 12%. Sem surpresas.

Crossover: ASX, 58%; Range Rover Evoque, 24%; Freemont/Journey, 16%. Consolidação na ponta.
Picape pequena: Strada, 49%; Saveiro, 28%; Montana, 12%. Strada imbatível.

Picape média: Fiat Toro, 29%; Toyota Hilux, 24%; S10, 19%. Novo líder já esperado.

Roda viva

APESAR de as vendas de automóveis e comerciais leves e pesados no último mês do ano passado terem sido animadoras (as melhores de 2016), a quarta queda anual consecutiva trouxe frustrações. Afinal, os números foram bem inferiores ao projetado no fim de 2015. Exportações conseguiram se destacar: subiram 25% em volume, porém, apenas 1,6% em dólares.

PARA este ano, Anfavea fez previsões conservadoras em razão da instabilidade, mais política do que econômica. A entidade, entretanto, aponta números positivos para 2017: 12%, produção; 4%, mercado interno e 7%, vendas ao exterior. Ano de 2016 terminou com apenas 26 dias de estoques totais (abaixo do normal), em parte por efeito estatístico.
CRUCIAL para o futuro da indústria as diretrizes setoriais de médio e longo prazos a serem anunciadas pelo governo federal no segundo semestre. Talvez o programa nem se chame Inovar-Auto II, mas exige consistência, foco em inovação, competitividade e eficiência energética.

VOLKSWAGEN espera recuperar-se do seu pior ano no Brasil: perdeu 45 dias de produção em um contencioso com o grupo Prevent (fornecedor de bancos). Em 2017, terá ofensiva de lançamentos, como up! retocado e novo Tiguan. Maior aposta é no Gol, com mesma arquitetura do novo Polo (estreia na Europa, agora em março). Empresa nega, mas fontes da coluna indicam início da produção no segundo semestre.

NADA fácil para o Citroën C4 Lounge concorrer no segmento tão povoado como o dos médio-compactos, no qual marcas japonesas imperam. Mas o modelo argentino se ajustou ao longo do tempo, em particular no acabamento geral e nos equipamentos de série, incluído sistema multimídia. Motor 1.6 turboflex e câmbio automático de seis marchas são os destaques.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade