C3 x Fit x CrossFox

Reservamo-nos o direito de editar os e-mails

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 07/01/2007 15:00 Renato Parizzi /Portal Vrum
De: Fabíola C.
Data: 7/1/07


Estou com a intençao de comprar um carro, mas estou em duvida entre os seguintes carros, C3, Fit e o Crossfox. Vcs tem resultados ou informaçoes de testes feitos com estes carros ou comparativos, que possa me ajudar a escolher?
________________________________________________________________

VOLKSWAGEN CROSSFOX

A princípio, o Fox não muda este ano. Ele deve ficar com o mesmo desenho e motores: 1.0 Total Flex e 1.6 Total Flex. O 1.6 é forte e permite ao carro andar bem, sacrificando um pouco o consumo, que é razoável.

O CrossFox é considerado por boa parte de seus proprietários um carro bonito. Boa parte de seus compradores é composto do sexo feminino - se não me engano, mais de 60%.

A estratégia de vendas do Fox sempre foi voltada ao "amplo espaço interno". Ele é bom, mas não espere nada de grandioso. O aspecto mais interessante é a versatilidade interna do modelo: ele tem muitos porta-trecos e o banco
traseiro pode ser deslizante, permitindo ao motorista escolher um porta-malas maior ou ter o banco traseiro mais espaçoso. Em relação ao Fox, o CrossFox é um pouco mais alto no quesito "altura do solo" (distância do piso do carro até o chão) e tem alguns extras no visual, como o quebra-mato dianteiro e o pneu sobressalente localizado na tampa do porta-malas. Na prática, o CrossFox vai raspar menos em quebra-molas e buracos nas estradas e estradas de terra e o motorista terá uma posição de dirigir um pouco mais alta.

A desvalorização no primeiro ano não é muito alta, ficando entre 6% e 8%, de acordo com a versão e a região. Já o seguro tem preço considerado médio/alto (variando de acordo com o perfil e a seguradora). As peças tem preço razoável. O modelo custa, incialmente, na casa de R$ 44.200,00 (pesquisa feita no dia 6/1/07) sem nenhum opcional. Os equipamentos de série mais interessantes são a direção hidráulica e a rodas de liga leve. O ar-condicionado custa R$ 3.770,00. A Volkswagen tem mais de 600 concessionárias no Brasil, o que ajuda em caso de algum problema em outra cidade. Em caso de acidente, o número de peças a serem trocadas/reparadas é considerado baixo, o que diminui o custo do conserto. Porém, o preço das peças não é barato, mas também não é muito caro.

HONDA FIT

O Fit sofreu uma pequena reestilização no início do ano passado, mas nada muito profundo. A grade dianteira mudou. No fim do ano passado, o modelo passou a contar com motor bicombustível. Agora ele tem os seguintes propulsores: 1.4, 1.4 flex e 1.5 16V. Os dois 1.4 tem desempenho razoável e excelente média de consumo (especialmente o 1.4 a gasolina). Já o 1.5 16V tem ótimo desempenho e consumo muito bom.

O Fit é um carro que já vem bem equipado de série. Na sua versão mais simples, que custa cerca de R$ 45.000, ele tem ar condicionado, direção elétrica, trio elétrico, airbag para o motorista, rodas de liga leve e sistema "inteligente" dos bancos traseiros. O espaço interno do carro é muito bom, especialmente para quatro adultos. O quinto vai um pouco apertado no banco traseiro, mas nada que atrapalhe demais. O acabamento interno é simples, mas muito bem feito, com bom arremates.

A desvalorização no primeiro ano não é muito alta, ficando entre 6% e 8%, de acordo com a versão e a região. Já o seguro tem preço considerado bom (variando de acordo com o perfil e a seguradora). Um homem, com mais de 50
anos, casado, com filhos, que tem garagem em casa e no trabalho e que usa o carro diariamente para trabalhar, paga cerca de R$ 1.400 em Belo Horizonte. Em São Paulo, um homem, com mais de 35 anos, casado, que tem garagem em casa e no trabalho e que usa o carro diariamente para trabalhar para na casa de R$ 1.800. Em caso de acidente, o número de peças a serem trocadas é considerado baixo. Porém, o preço das peças não é o mais barato, mas também não é muito caro.

Clique aqui para assistir ao teste do Honda Fit Flex.

CITROËN C3

A princípio, o Citroën C3 não muda este ano. Ele deve ficar com o mesmo desenho e motores: 1.4 Flex e 1.6 16V Flex. O 1.4 tem desempenho razoável e média de consumo satisfatória (ainda sim sendo inferior ao Fit). Já o 1.6 16V tem rendimento muito bom, mas bebe mais do que o esperado.

O C3 custa cerca de R$ 41.000 e vem equipado de série com ar-condicionado, coluna de direção (volante) regulável em altura e profundidade, banco do motorista com ajuste de altura, direção elétrica, trava elétrica e computador de bordo. O espaço interno e a capacidade do porta-malas (305 litros) são bons, mas não são muito amplos. Já o acabamento é bom, mas nada de muito luxuoso.

A desvalorização no primeiro ano não é muito alta, ficando entre 6% e 9%, de acordo com a versão e a região. Infelizmente não tenho os números da cotação do seguro, do preço das peças e do índice de reparabilidade.

OPINIÃO

Os três modelos são bons carros, mas, neste momento, eu optaria pelo conjunto oferecido pelo Honda Fit. Comparado com o CrossFox e o C3, ele tem a melhor relação custo/benefício por oferecer, de série, além do ar-condicionado e da direção hidráulica, trio elétrico, sistema inteligente dos bancos e, principalmente, airbag para o motorista. Além disso, o veículo tem bom preço de seguro, dá pouca manutenção e tem excelente consumo.

________________________________________________________________

Esta mensagem, incluindo seus anexos, expressam, única e exclusivamente a opinião do emissor, não tendo nenhum valor legal, sem vínculos com fabricantes ou fornecedores do mercado automobilístico. Informamos que estas opiniões têm seu uso e divulgação proibidos e não poderão ser utilizadas em outros meios de comunicação, como publicações ou menções, sem o prévio consentimento do remetente.

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
23 de novembro de 2017
21 de novembro de 2017

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação