Publicidade

Estado de Minas

Rolimã - Futebol


postado em 11/03/2007 19:08

Giovanni e seu filho Edoardo assistem a um treino da Juventus em Vilarperosa(foto: AFP - 8/3/01)
Giovanni e seu filho Edoardo assistem a um treino da Juventus em Vilarperosa (foto: AFP - 8/3/01)
FUTEBOL E CARROS
A ligação entre o futebol e os automóveis vai muito além do lavador de carro que veste a camisa desbotada do Atlético na manhã de quarta-feira. Enquanto fala bravo ao celular que está trabalhando, no quarteirão da Rua Piauí, entre as ruas Gonçalves Dias e Aimorés, no Bairro Funcionários, o flanelinha capricha na limpeza do Jeep Cherokee de um cliente. Aproveita também para escutar o som de uma batida techno em bom volume, o que era suficiente para justificar os berros ao telefone.

SÓ TAPAS
Além da simbiose entre a roupa do lavador de carro e o brilho final da lataria, a relação futebol-automóveis pôde ser constatada na violenta partida entre Valência e Inter de Milão, pela Copa dos Campeões da Europa. O empate sem gols classificou os espanhóis, patrocinados pelos japoneses da Toyota; já os italianos, que têm a Pirelli como mecenas, perderam a vaga e ainda levaram uns tapas a mais no fim do jogo.

PUNIÇÃO
A Juventus de Turim está fora da vitrine da maior competição de clubes do mundo este ano, pois foi rebaixada para a segunda divisão do Campeonato Italiano e perdeu o título nacional conquistado na temporada 2005/2006. Isso tudo se deve ao envolvimento de seus cartolas em escândalos de manipulação de resultados.

TREINO
A Juventus pode ser considerada o clube de futebol da Fiat. É o xodó dos Agnelli, fundadores do império empresarial da região do Piemonte. O clube hoje é uma empresa de capital aberto com ações comercializadas nas bolsas de valores. A maior parte pertence à empresa Ifil, uma holding dos Agnelli. Como prova a foto acima de 1985, onde Giovanni e seu filho Edoardo assistem a um treino do clube em Vilarperosa.

CLÁSSICO
Mas o grande clássico do futebol automotivo foi travado no país que criaram o futebol. No ano passado, os apresentadores do programa Top Gear, do canal inglês BBC, decidiram verificar se o Fox brasileiro era realmente bom de bola. A produção escolheu o Toyota Yaris, fabricado na República Tcheca, terra dos hábeis Nedved, Cech, Roscick, Baros e Jankulovsk.

GOLS
O programa, comandado pelo humor de Jeremy Clarkson, alinhou cinco veículos de cada lado do campo para um jogo de dois tempos, com uma bola gigante. A disputa e o resultado podem ser conferidas no youtube. É só digitar o nome dos veículos mais o nome do programa Top Gear. Outras dicas: conte os gols nos dedos para não perder as contas e fique de olho nas batidas e calotas voando. Outra opção é o site da Top Gear.
(foto: Marcelo Sant'anna/EM - 23/2/02 / Kazuhiro Nogi/AFP - 17/12/06 / HannibalHanschke/Reuters)
(foto: Marcelo Sant'anna/EM - 23/2/02 / Kazuhiro Nogi/AFP - 17/12/06 / HannibalHanschke/Reuters)

CORAÇÃO
No Brasil, a paixão pelo futebol é tão irascível que se uma montadora patrocinar o Cruzeiro, por exemplo, não pode nem pensar em não fazer o mesmo com o Atlético. Pois, com certeza, o torcedor rival deixará de comprar automóvel dela. Exemplo disso já se deu com a Fiat em Minas na foto abaixo e com a General Motors com Internacional e Grêmio, no Rio Grande do Sul. Esse torcedor é o mesmo que paga quase R$ 4 mil por um ar-condicionado, mas não investe R$ 2 mil em um airbag duplo.

PEQUENO
O Vfl Wolfsburg, atualmente na primeira divisão alemã, foi fundado em 1945 e joga suas partidas no Volkswagen Arena. Bancado pela montadora, sediada em Wolfsburg, o time não repete em campo o sucesso dos carros da marca e nunca conquistou um campeonato nacional. Porém, a VW se orgulha do clube e ostenta o time como sua propriedade. Na atual temporada, ocupa o nono lugar na tabela. Por lá atua o brasileiro Marcelinho Paraíba (foto), canhoto de chute forte, com algumas passagens pela Seleção Brasileira. Bem distante de outro clube, o Bayer de Münich, que surgiu de uma fábrica de medicamentos.

PRESENTE
A marca japonesa, aliás, banca o Mundial Interclubes, em Tóquio, desde 1980. Lá se enfrentam o campeão da Taça Libertadores da América e da Copa da Europa. Desde então, o melhor jogador da partida leva um avançado automóvel para casa. Na última edição, o agraciado foi o português Deco, do Barcelona, que, mesmo derrotado, recebeu sem graça um Prius, mas viu o Internacional ser campeão do mundo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade