Publicidade

Estado de Minas

Rolimã (12/08/2007)


postado em 13/08/2007 14:28

PARE, OLHE, LEIA

Quem passa pela Avenida do Contorno, na Cidade Jardim, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, pode se irritar com o trânsito, com os motoristas que passam apressados pelo semáforo amarelo e fecham a pista ou com a falta de educação cotidiana de alguns. Porém, não fica indiferente ao outdoor de uma clínica de medicina reprodutiva. De muito bom gosto, a peça publicitária estampa carrinho de bebê “vintage”, que, se fosse um automóvel, seria um Mercedes-Benz, antigo e conversível.

OPORTUNIDADE
O charme da peça é completado pela frase: “Mais cedo ou mais tarde, todo homem decide trocar de carro”. Senso de oportunidade da clínica, que pega carona no Dia dos Pais para homenageá-los. Mesmo senso de oportunidade teve o jornalista José Eduardo Camargo, autor do livro O Brasil das placas – viagem por um país ao pé da letra (Editora Panda Books, R$ 35,90).

ANDARILHO
Desde quando começou a trabalhar para o Guia 4 Rodas, há oito anos, para avaliar restaurantes e hotéis por todo o país, José fotografava as placas que considerava curiosas. Hoje é o redator-chefe do Guia e só não conhece três estados do país – Rondônia, Acre e Amapá. O restante rodou, sempre sozinho, com uma máquina fotográfica a tiracolo e, além das avaliações, buscava nas placas um registro de um Brasil, ou melhor, de um “Barsil”.

SENTIDOS
“O mais comum é encontrar erros de português, mas procurei fugir disso. Busquei no livro aquelas que tinham duplo sentido, humor involuntário e até placas sérias, mas que, fora do contexto, ganham outro sentido, como a do Motel Miragem, no meio de uma área que parece um deserto”, explica o autor. Cada imagem vem acompanhada por um cordel, de autoria de L. Soares.

FORMAS
Foram 300 imagens editadas e 60 publicadas no livro. Existem desde a mãe de todas as placas, aquela que vai na traseira do caminhão, levando uma mistura de fé com picardia, com mensagens edificantes e de auto-ajuda, que, como essa, se perdem na falta de instrução, até as que fazem sucesso em correntes de e-mail, repassadas freneticamente. Atitude típica de quem fica com o traseiro preso em recintos com ar-condicionado e vê o país apenas pela tela do computador.

CONHECIMENTO
Aliás, José considera as correntes de e-mail com as fotos de placas que debocham do Brasil real uma boa, pois é uma forma de conhecer o país. Ele ressalta, inclusive, que o livro é usado como ferramenta didática por professoras em escolas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade