Publicidade

Estado de Minas

Tecnologia com fermento

Audi Q7 impressiona pelo tamanho e o nível de eletrônica embarcada. Suspensão inteligente e o motor V8, de 350cv, são destaques do utilitário-esportivo de luxo


postado em 29/08/2006 16:30

Q7 tem tração permanente nas quatro rodas e suspensão que muda altura do carro de acordo com o terreno.(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM - 26/7/06)
Q7 tem tração permanente nas quatro rodas e suspensão que muda altura do carro de acordo com o terreno. (foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM - 26/7/06)
Qualquer montadora que queira se manter competitiva no mercado norteamericano deve ter um utilitário-esportivo. A Audi demorou a entrar no segmento,mas, quando resolveu, não fez por menos. Apresentado no Salão de Frankfurt do ano passado, o Q7 usa como base a plataforma do Volkswagen Touareg e Porsche Cayenne, mas é maior, mais largo e mais imponente. São 5,09m de comprimento, 1,98m de largura e 1,74m de altura. O peso é de 2.240kg, sem contar os opcionais.

Mas se os números parecem frios, é só olhar o carro para notar que se trata de um verdadeiro gigante. A grade dupla da Audi ganha dimensões enormes e assusta o motorista que tiver o Q7 enquadrado no retrovisor, isso sem falar nos enormes retrovisores. Mas impressiona o pequeno balanço dianteiro, incomum em um veículo tão grande. Também se destacam as rodas aro 20, com pneus 275/45. Os projetistas deram uma ligeira queda no desenho das janelas laterais, o que ajuda a disfarçar a impressão de altura.

INTERIOR Por dentro, os bancos são revestidos em couro, com detalhes em camurça. São três fileiras de assentos para sete ocupantes, mas, na terceira fila, o espaço é apertado para adultos e o acesso não é dos melhores. Mas, tanto a segunda quanto a terceira fileiras podem ser rebatidas, permitindo várias configurações. O painel ganhou acabamento em alumínio (também há opção de madeira) e o conjunto tem a sobriedade e o bom nível de construção dos Audi. Há todos os equipamentos possíveis e imagináveis no Q7. Desde os mais comuns em carros de luxo, como bancos elétricos, ar-condicionado automático com regulagem individual, até os mais excêntricos, como porta do bagageiro com comndo elétrico para abertura e fechamento e a possibilidade de abaixar a traseira do veículo, também com apenas um toque de botão, para facilitar a colocação de objetos pesados no compartimento de carga.
No interior, além dos mostradores tradicionais, tela do MMI é elemento de destaque. Já os desenho dos vidros laterais engana visão e faz carro parecer mais baixo do que é.
No interior, além dos mostradores tradicionais, tela do MMI é elemento de destaque. Já os desenho dos vidros laterais engana visão e faz carro parecer mais baixo do que é.

No quesito segurança, airbags, ABS e controle de estabilidade figuram apenas como componentes básicos. Duas novidades chamam a atenção: o controlador automático de velocidade inteligente, que monitora veículos à frente num raio de 180 metros e avisa o motorista se houver risco de colisão; e um sistema que vigia as laterais e, por meio de uma luz na parte interna do retrovisor externo, informa sobre a presença de carros nas faixas laterais. A maioria dos parâmetros pode ser personalizada por meio de comando no console, chamado pela Audi de MMI (Multimedia interface). As funções são reproduzidas numa tela colorida e gasta-se algum tempo para ficar familiarizado com todos os comandos. Melhor parar o carro para brincar com o computador de bordo.

DESEMPENHO Com tantas coisas para descobrir, é fácil esquecer que o Q7 também anda. O motor é um V8 4.2 com 350cv de potência e 44kgfm de torque. A tração é permanente nas quatro rodas (com 40% da força no eixo dianteiro e 60% no traseiro) e o câmbio automático de seis marchas tem opção de trocas manuais e função Sport. A Audi declara aceleração de 0 a 100km/h em 7,4 segundos e velocidade máxima de 244km/h. Na estrada, em longos trechos de subida, o motor está sempre cheio e ultrapassar veículos mais lentos é uma operação fácil e rápida. Mesmo o comportamento em curvas surpreende. Graças à suspensão independente nas quatro rodas, que varia a altura livre do solo de 16,5cm a 24cm, o Q7 se adapta às necessidades do terreno. No modo dinâmico, o carro fica mais próximo do chão e a suspensão mais firme. Há ainda os modos automático, conforto, fora-de-estrada e elevado, sendo que os dois últimos limitam a velocidade máxima do veículo. O Q7 será lançado no Brasil em setembro. Os preços ainda não foram defindos, mas a estimativa é de que fiquem entre R$360 mil a R$390 mil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade