Publicidade

Estado de Minas

Para quem exige mais detalhes - Avaliação técnica

Como o Jeep Grand Cherokee Overland V8 5.7 se saiu nas avaliações ergonômicas


postado em 17/04/2007 22:54

Análise feita pela fisioterapeuta Danielle Pongellupe(foto: Arte de Henrique Lima/Uai sobre Arte/EM)
Análise feita pela fisioterapeuta Danielle Pongellupe (foto: Arte de Henrique Lima/Uai sobre Arte/EM)
BOM

Altura do solo
A parte dianteira, caixa de transferência e tanque de combustível têm proteção por chapa em aço. Não foram notadas interferências com o solo, e os ângulos de ataque e saída satisfazem, numa condução usual e em trilhas variadas.

Climatização
O sistema está bem dimensionado para a área interna do veículo, com boa vazão e abrangência dos difusores de ar do painel e do final do console central, dirigidos aos passageiros de trás. A vedação é eficiente contra gases e fumaça, quando se usa somente o recírculo interno de ar. O nível de ruídos, na máxima velocidade, é satisfatório.

Câmbio
As relações de marchas atendem bem na cidade e na estrada. O nível de ruídos de funcionamento é baixo e as trocas são suaves e sem trancos. A resposta à manobra kick-down (pisar fundo no acelerador para reduzir) é muito boa.

Motor
O funcionamento é muito elástico, silencioso e sem vibrações. As retomadas de velocidade e aceleração são muito eficientes. Com o veículo carregado com carga útil, mais bagagem e ar-condicionado ligado, a perda de rendimento é mínima.

Vedação
Boa contra água e poeira.

Direção
O volante tem boa pega e tamanho. A precisão na reta e em curvas é boa. A assistência hidráulica tem boa calibragem para o uso misto (cidade/estrada), com boa sensibilidade e reações homogêneas. O efeito retorno tem boa velocidade. Diâmetro de giro é aceitável.

Iluminação
Os faróis são eficientes no baixo e no alto. O veículo tem luz de cortesia em todos os locais úteis, menos no vão do motor. O quadro de instrumentos, console central e comandos elétricos nos painéis de porta têm fácil visualização noturna.
Banco traseiro é baixo e desconfortável para quem senta no meio. Já o porta-malas tem boa capacidade e ganchos para fixação de carga(foto: Marlos Ney Vidal/EM - 9/4/07)
Banco traseiro é baixo e desconfortável para quem senta no meio. Já o porta-malas tem boa capacidade e ganchos para fixação de carga (foto: Marlos Ney Vidal/EM - 9/4/07)

Limpador de pára-brisa
Ao esguichar água (do tipo spray em V) no pára-brisa, as palhetas, que são de boa qualidade, atuam automaticamente e varrem uma boa área. No vidro traseiro, a vazão do esguicho e a área varrida são boas. O acesso para o reabastecimento do reservatório de água, dentro do vão do motor, é fácil.

REGULAR

Acabamento da carroceria
As portas traseiras estão desniveladas, mas restante das partes móveis tem montagem aceitável. A qualidade final da pintura é razoável.

Vão do motor
O isolamento acústico em relação ao habitáculo é muito bom. Mas o isolante acústico, na parte interna do capô, está mal fixado. O motor preenche todo o vão, limitando bem o acesso à manutenção de vários componentes. Os itens de verificação semanal têm fácil identificação e manuseio.

Freios
Apresentaram bom comportamento dinâmico no uso misto (cidade/estrada) e o ABS tem boa calibragem. O pedal apresenta boa sensibilidade e as reações nos dois eixos são balanceadas. A desaceleração em entradas de curvas é eficiente, com boa manutenção da trajetória. Em simulação de frenagem de emergência, o espaço percorrido até a imobilização foi coerente com a velocidade. O conjunto (pinças de freio, pastilhas e discos dianteiros) tem alto nível de ruídos quando o veículo passa sobre pisos irregulares.

Suspensão
Os movimentos transversais e longitudinais da carroceria são satisfatórios. Existe uma barra transversal, unindo as duas torres dianteiras, para minimizar a torção da carroceria. A estabilidade é boa no uso normal, com bom contorno em curvas de raios variados. Mas, em uso mais esportivo, é limitado o seu comportamento dinâmico e requer atenção. O conforto de marcha é muito bom para um utilitário-esportivo.

Alarme
Tem chave de ignição codificada, com imobilizador do motor e proteção perimétrica das partes móveis. Mas não há proteção volumétrica no habitáculo.

RUIM

Nível interno de ruídos
O efeito aerodinâmico é baixo até 140 km/h, mas crescente a partir desta velocidade. O habitáculo não é silencioso, com vários ruídos quando se trafega sobre pisos irregulares

Estepe/macaco
O estepe tem roda e pneu iguais aos de uso e está instalado sob o vão de carga, preso por um mecanismo de cabo e guincho manual, com acionamento feito por dentro do porta-malas. O kit de troca (macaco, chave de roda e extensões) está em compartimento atrás do banco traseiro. A operação de troca não é simples e nem fácil. Os pontos de apoio do macaco são no braço oscilante dianteiro e no eixo traseiro.

Ferramentas
Não tem.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade