Publicidade

Estado de Minas

Nissan Sentra 2.0 SL - Beleza atrai olhares

Nissan Sentra tem acabamento esmerado e muitos itens de segurança de série


postado em 01/07/2007 22:10

(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM - 18/6/07)
(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM - 18/6/07)
O Sentra é sedã médio da Nissan produzido no México e tem os benefícios do acordo entre o Brasil e aquele país para ficar isento de taxa de importação. Com linhas da carroceira pouco convencionais e cintura alta, o Nissan lembra os carrões norte-americanos só na aparência, pois tem dimensões semelhantes às dos concorrentes. Os faróis em formato retangular verticalizados e dois sulcos no capô dão personalizadade ao Sentra, que tem traseira curta e lanternas no estilo tuning, como o Ford Fusion. Visto de lateral, o carro impressiona pelo estilo limpo.

O interior tem também estilo agradável e quadro de instrumentos de fácil visualização. O espaço no banco traseiro é um pouco menor do que de alguns concorrentes, mas suficiente. Mas falta o apoio de cabeça central. Falha grave em carro dessa categoria, que é equipado com cintos de três pontos para todos. Comandos estão bem posicionados e o acabamento é muito bom, sem rebarbas e arremates bem-feitos. O volante tem boa pega e nele ficam os interruptores do controlador de velocidade, chamado de piloto automático. A calibragem da direção é muito boa, sendo leve em manobras e com peso suficiente para o motorista ter sensibilidade em velocidades mais altas. Há muitos equipamentos de conforto e conveniência e o bem-estar a bordo é inegável. O porta-malas e tampa do tanque podem ser abertos por dentro.
Lanternas, do tipo tuning, e traseira curta compõem o visual charmoso do carro
Lanternas, do tipo tuning, e traseira curta compõem o visual charmoso do carro

Câmbio
O motor 2.0 tem potência e torque elevados, o que proporciona agilidade em todas as situações. Basta pressionar o acelerador levemente para que o automóvel ande rápido em acelerações e retomadas de velocidade. O destaque é mesmo o câmbio automático CVT, que tem infinitas relações de transmissão. Isso significa que o motor está sempre dentro da faixa de torque e potência ideais. Ao contrário dos câmbios convencionais, as trocas são suaves no CVT e praticamente imperceptíveis. Ao pressionar o acelerador, as rotações do motor sobem rápido. Ao diminuir a aceleração, a rotação cai, reduzindo consumo e ruído do motor. Este é o destaque do carro.

Apesar da traseira curta, o Sentra padece do mal de todos os sedãs, visibilidade traseira ruim. O porta-malas é de bom tamanho (ver avaliação técnica) e tem divisória interna para separar carga. Interessante e útil porque facilita o acesso ao porta-malas de dentro do habitáculo. Na unidade testada, a tampa fazia muito barulho, ao contrário da versão equipada com câmbio manual.

Os freios são muito eficientes e param o carro imediatamente, proporcionando segurança. O ABS é de série, mas os freios traseiros não são a disco. A estabilidade é muito boa e a calibragem da suspensão não privilegia o conforto, pois soca demais e transfere intensamente as imperfeições do piso para o interior. O fabricante recomenda a mesma calibragem dos pneus para o carro vazio ou com carga, conceito japonês. Outras montadoras nipônicas adotam o mesmo critério.

Leia mais e assista ao teste do Sentra no "Veja Também", no canto superior direito desta página.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade