Publicidade

Estado de Minas

Hora da verdade - Avaliação técnica

Fiat Punto Sporting 1.8 enfrenta paredão


postado em 06/10/2007 09:45

Análise feita pela fisioterapeuta Danielle Pongellupe(foto: Arte de Henrique Lima/Uai sobre Arte/EM)
Análise feita pela fisioterapeuta Danielle Pongellupe (foto: Arte de Henrique Lima/Uai sobre Arte/EM)
BOM

Freios
O pedal de freio tem boa sensibilidade e o freio de estacionamento atuou normalmente. Os conjuntos dianteiro e traseiro estão bem dimensionados e calibrados, com ABS eficiente para a versão Sporting. As reações são bem balanceadas nos dois eixos e, em frenagem de emergência (asfalto seco e terra), apresentou boa desaceleração, com manutenção da trajetória imposta e espaço percorrido até a imobilização coerente com a velocidade e tipo de solo.

Vedação
Boa contra água e poeira.

Direção
A coluna de direção tem ajuste em altura e profundidade, com bom curso. A assistência hidráulica tem cargas muito bem definidas para o uso na cidade e na estrada. O diâmetro de giro satisfaz em manobras e a velocidade do efeito retorno é boa. A precisão em reta e curvas é muito boa e o conjunto apresentou baixo nível de ruídos em curvas sobre paralelepípedo e terra.

Estepe/macaco
O estepe, que tem roda e pneu iguais aos de uso, está instalado dentro do porta-malas. Encaixado dentro do aro está o kit de troca. A operação de substituição da roda é normal.

Limpador de pára-brisa
As palhetas do limpador dianteiro têm projeto bem diferenciado do usual, com aleta incorporada para aumentar a pressão aerodinâmica contra o pára-brisa. Apresentaram boa qualidade de funcionamento e varrem boa área. Ao esguichar seis jatos de boa vazão, o sistema de limpeza atua automaticamente. No vidro traseiro, o conjunto é eficiente e é fácil o acesso e a identificação do reservatório de água dentro do vão do motor.

Alarme
Tem chave de ignição codificada (com imobilizador do motor) e teclas de travar e destravar as portas. Ao dar comando para travar as portas, e mantendo a tecla pressionada, os vidros sobem automaticamente. O sistema antiesmagamento funcionou bem. O veículo em prova estava equipado (acessórios Fiat) com proteção volumétrica dentro do habitáculo e perimétrica das partes móveis.

REGULAR

Vão do motor
O layout do vão está bem feito, tem boa sistematização dos vários componentes, fácil acesso e identificação dos itens de verificação constante, além de boa proteção/fixação/percurso das mangueiras, chicotes, conduites etc. O acesso à manutenção é aceitável. O resultado da insonorização do vão é limitado, em relação ao habitáculo, em rotação média e alta.
Banco traseiro tem três encostos de cabeça, mas porta-malas chega a ser menor do que o do Fiat Palio(foto: Marlos Ney Vidal/EM - 4/10/07)
Banco traseiro tem três encostos de cabeça, mas porta-malas chega a ser menor do que o do Fiat Palio (foto: Marlos Ney Vidal/EM - 4/10/07)

Altura do solo
Não tem como item de série chapa protetora em aço, para cárter e caixa de câmbio. Com carga útil de cinco pessoas e bagagem (400 kg), ocorreram leves raspadas na base inferior do pára-choque dianteiro e zona central do chassi, ao trafegar sobre estrada de terra com imperfeições, saídas de garagem em desnível e transpor quebra-molas salientes.

Climatização
Apresentou bom funcionamento, com boa vazão pelos difusores de ar do painel. O tempo gasto para climatizar todo o habitáculo com sensação de conforto, após meia-hora trancado ao sol, foi satisfatório. O sistema está bem vedado à admissão de gases/fumaça do exterior, quando acionado o recírculo de ar. O nível de ruídos de funcionamento é aceitável na máxima velocidade. A tecla da função ar-condicionado, quando acionada, não tem luz indicadora, diferente das outras funções do sistema no console central.

Câmbio
Apresentou eventual falta de precisão e maciez no uso misto. A embreagem está bem dimensionada. Para a versão Sporting, o câmbio homologado tem relações de marchas e diferencial razoáveis para o rendimento do motor e peso do automóvel.

Motor
É o mesmo motor usado no Palio 1.8R e Stilo Sporting. A potência de 115 cv (álcool) é bem discreta para uma versão esportiva, devido à sua performance limitada. O modelo merecia motor mais potente. O torque com 18,5 kgfm a 2.800 rpm favorece muito a dirigibilidade no uso urbano e na estrada, numa condução normal. O seu funcionamento é bem áspero com álcool.

Suspensão
É um automóvel extremamente estável e neutro em curvas de raios variados, favorecido nessa versão pelos pneus homologados de alta performance. A inclinação da carroceria em curvas é contida. Para uso esportivo, estão muito bem acertadas e calibradas, podendo atender até um motor mais potente. Proporcionam dirigibilidade prazerosa e segura e, numa condução bem esportiva, é difícil encontrar o limite de aderência lateral, sendo muito rápido em curvas. O conforto de marcha teve perda significativa em relação ao modelo com motor 1.4, que é muito bom, seja com somente condutor, seja com 400 kg de carga útil, e a pressão dos pneus recomendada para esta condição.

Iluminação
O grupo óptico anterior tem construção com parábola simples, com eficiência normal no baixo e no alto, mas não tem regulagem elétrica de altura, em função da carga transportada. Tem farol de neblina embutido no pára-choque, luz de cortesia somente no porta-malas e, no teto, há uma lanterna integrada com dois spots fixos junto ao retrovisor, com resultado razoável em iluminação. O quadro de instrumentos, console central e comandos elétricos dos painéis de porta têm boa identificação noturna.

RUIM

Acabamento da carroceria
A qualidade final do acabamento da pintura não é boa, devido a vários pontos com impurezas. O acabamento com serigrafia tipo fibra de carbono aplicado sobre a coluna B, lado direito, está malfeito, devido à deformação, na união com o prolongamento da pestana da porta traseira. A extremidade inferior da coluna A, lado direito, está desalinhada em relação ao pára-lama. As portas traseiras estão desniveladas e a tampa traseira descentralizada. A lanterna traseira esquerda não perfila perfeitamente com a união da carroceria. O capô está descentralizado e o farol dianteiro direito não tem boa montagem (centralização e folga fixa) em relação ao pára-choque, pára-lama e capô. É baixa a qualidade do estampo e o acabamento da chapa das quatro portas, na parte inferior, na união com as soleiras, devido à excessiva ondulação.

Nível interno de ruídos
Os coxins de sustentação do grupo motopropulsor (motor e câmbio) estão muito mal definidos em dureza, elasticidade e construção, pois é grande a transferência de ruído/ressonância de funcionamento do conjunto para dentro do habitáculo, causando desconforto auditivo e deixando a desejar. Apresentou vários pequenos ruídos no habitáculo, quando trafega sobre piso de paralelepípedo, terra irregular e asfalto ruim. O efeito aerodinâmico inicia a 100km/h e é crescente com a velocidade.

Ferramentas
Não tem.

EXTRA

Volume do porta-malas
O volume declarado pela fábrica é de 280 litros. O encontrado com o banco traseiro na posição normal e a tampa do bagagito fechada foi de 256 litros.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade