Publicidade

Estado de Minas

Espremendo a nova versão - Avaliação técnica do Golf GT 2.0 flex

Saiba como o Golf GT 2.O Total Flex se comportou nos testes técnico e ergonômico


postado em 13/09/2008 18:09

(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press - 20/8/08)
(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press - 20/8/08)
BOM

Vão do motor
Existe isolante termo acústico em parte do painel de fogo e na parte interna do capô, sendo razoável o resultado de isolamento em relação ao habitáculo. O reservatório de partida a frio tem capacidade volumétrica limitada, porém, é fácil o acesso e a visualização do nível. O acesso à manutenção, em geral, é bom e a sistematização dos vários componentes é muito bem-feita.

Climatização
O sistema tem boa vazão pelos difusores de ar do painel, mas não há saídas específicas para os passageiros de trás. O nível de ruídos de funcionamento é baixo. A vedação é eficiente.

Freios
O conjunto está muito bem calibrado e dimensionado para o peso do automóvel e rendimento do motor. O pedal tem boa sensibilidade e o sistema apresentou reações bem balanceadas nos dois eixos e boa desaceleração. O ABS atuou com precisão e, após uso constante em longa descida sinuosa, não apresentou perda de eficiência devido a superaquecimento. O freio de estacionamento atuou normal.

Câmbio
A qualidade do engate é excepcional, tanto em precisão quanto em maciez e curso correto da alavanca, além de boa pega no pomo. As relações de marchas/diferencial atendem bem na cidade e na estrada. As trocas são pouquíssimas no uso misto, devido à excelente curva de torque do motor, com força máxima numa rotação (2.250 rpm) muito favorável para uma dirigibilidade normal e prazerosa.

Motor
O sistema Total Flex funcionou muito bem com qualquer um dos combustíveis (álcool e gasolina) ou misturado. O novo motor 2.0 apresentou ótimo comportamento e funcionamento, com boa elasticidade e nível baixo de ruídos, mesmo em rotação média/alta. As retomadas de velocidade e aceleração são muito boas e a perda de rendimento, quando o veículo está carregado e ar-condicionado ligado, é satisfatório. Com apenas álcool no tanque, o ganho na performance é significativo e a partida a frio foi imediata, com boa progressividade na aceleração e marcha lenta linear.
Motor 2.0 agora pode ser abastecido com álcool. Capacidade do porta-malas é de 330 litros
Motor 2.0 agora pode ser abastecido com álcool. Capacidade do porta-malas é de 330 litros

Vedação
Boa contra água e poeira.

Direção
A coluna de direção tem ajuste manual em altura e distância. O sistema assistido está muito bem calibrado, apresentando boa sensibilidade, precisão e reações homogêneas. O diâmetro de giro em manobras satisfaz e o efeito retorno tem boa velocidade. O conjunto é silencioso em curvas sobre piso de paralelepípedo e terra irregular.

Limpador de pára-brisa
Ao esguichar água, do tipo spray em V, no pára-brisa, o sistema atua automaticamente com palhetas de boa qualidade, que varrem uma área satisfatória. No vidro traseiro, o sistema de esguicho também é eficiente, assim como a área varrida. O acesso ao reservatório de água no vão do motor é fácil.

Estepe/macaco
O pneu reserva é igual aos de uso, mas a roda não é em liga leve. São cinco parafusos por roda, sendo um deles do tipo antifurto, e deve-se usar o adaptador que vem no kit. A operação de troca é normal, mas as tampas plásticas de acabamento que encobrem as cabeças dos parafusos precisam ser retiradas, por meio de um grampo, que também acompanha o kit. A própria chave de roda é que aciona o mecanismo de levantamento do macaco.

Alarme
O sistema é completo, com chave de ignição codificada, sensores volumétricos por ultra-som no habitáculo contra invasão pela quebra de vidros e proteção perimétrica contra abertura forçada das partes móveis. Ao dar comando para travar as portas, os vidros só sobem automaticamente se o motorista continuar pressionando a tecla que está inserida na própria chave de ignição. O sistema antiesmagamento funcionou bem.

REGULAR

Acabamento da carroceria
A qualidade final da pintura é boa, com ausência de impurezas e manchas no verniz e tonalidade homogênea da tinta. O capô está descentralizado e a porta dianteira direita, desnivelada, mas o restante das partes móveis têm montagem razoável.

Altura do solo
Não tem chapa protetora em aço para o cárter e caixa de marchas. Com carga útil de 400 quilos, ao transpor quebra-molas salientes, ocorreram pequenas interferências com o solo na dianteira; no prolongamento plástico do pára-choque, em entradas e saídas de garagem com desnível; e na parte central do chassi.

Suspensão
O conforto de marcha é um pouco limitado e merecia um melhor acerto, pois é evidente (e incomoda conforme o tipo de solo) o nível das transferências das imperfeições para dentro, principalmente no eixo traseiro. A estabilidade é muito boa, o que traz segurança, além da pouca inclinação da carroceria ao contornar curvas em velocidades mais elevadas.

Iluminação
O farol tem construção por dupla parábola e é eficiente no baixo e no alto, mas não tem regulagem elétrica de altura, em função da carga transportada. Os faróis auxiliares de neblina estão embutidos no pára-choque. Existe luz de cortesia no porta-malas, porta-luvas, pára-sóis e base inferior das portas dianteiras. No teto tem plafoniê, com duplo spot fixo na parte da frente e duas luzes de leitura nas laterais traseiras.

RUIM

Nível interno de ruídos
Quando se trafega sobre piso de calçamento, terra e asfalto mal conservado, surgem vários pequenos ruídos no habitáculo. O efeito aerodinâmico inicia-se a 100 km/h e em alta velocidade incomoda.

EXTRA

Volume do porta-malas
O declarado pela fábrica é de 330 litros, o mesmo encontrado em nossa medição com o banco traseiro na posição normal e a tampa do bagagito fechada.

(*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade