Publicidade

Estado de Minas

Linea T-Jet no paredão de fogo - Avaliação técnica

Qualidades e defeitos da versão topo do novo sedã da médio da Fiat


postado em 22/11/2008 11:45

(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press - 13/11/08)
(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press - 13/11/08)
BOM

Climatização
É automático-digital. A vazão de ar pelos quatro difusores de ar do painel é satisfatória e tem pequeno ganho (tempo e sensação de conforto) na climatização do habitáculo com o difusor único instalado no final do console central para os passageiros de trás. A rumorosidade não incomoda mesmo na velocidade máxima da caixa de ar e o sistema funcionou bem. Não há opção de regulagem diferenciada de temperatura para condutor e passageiro. Está bem vedado.

Freios
Estão muito bem dimensionados e calibrados com ABS EBD. O pedal de freio tem boa sensibilidade e relação. O freio de estacionamento atuou normal. Em frenagem de emergência em alta velocidade sobre piso de asfalto seco e molhado, apresentou uma boa desaceleração sem desvios da trajetória. Após uso severo numa utilização esportiva com freadas fortes na entrada de curvas e em longa descida sinuosa, apresentou boa resistência térmica.

Câmbio
As relações de marchas/diferencial estão bem definidas ajudada pela curva de torque e peso do automóvel. A embreagem é macia, tem bom curso e progressividade.

Motor
A sua performance é excelente. A aceleração é notável e as retomadas de velocidade acima de 2.000 rpm são eficientes. Abaixo disso, é fraco. Em rodovias, proporciona dirigibilidade extremamente prazerosa com ultrapassagens seguras e rápidas. O seu funcionamento é um pouco áspero, mas aceitável. A entrada do turbo é bem progressiva, sem trancos e está bem dimensionado e calibrado.

Vedação
Boa contra água.
Regulagem de facho do farol exige abertura do capô, inconcebível na versão topo. Banco deveria ter regulagens elétricas para aumentar o conforto. Motor 1.4 16V turbo a gasolina tem 152 cv de potência
Regulagem de facho do farol exige abertura do capô, inconcebível na versão topo. Banco deveria ter regulagens elétricas para aumentar o conforto. Motor 1.4 16V turbo a gasolina tem 152 cv de potência

Direção
A coluna de direção tem regulagem angular em altura e distância com ótimo curso. As cargas do sistema assistido estão bem elaboradas para o uso misto e o sistema apresentou reações bem homogêneas e com boa sensibilidade. O diâmetro de giro é aceitável pelas dimensões do conjunto roda/pneu, que apresentou baixa rumorosidade em curvas sobre calçamento e terra com irregularidades. É boa a estabilidade direcional e precisão em arrancadas fortes com aceleração máxima.

Estepe/macaco
O estepe está instalado dentro do porta-malas e tem a roda e o pneu iguais aos de uso. O kit de troca está encaixado dentro do aro. Para minimizar o furto do conjunto roda/pneu há uma porca/soquete auto-adaptadora. A operação de troca é normal.

Limpador de pára-brisa
Ao esguichar seis jatos dágua no pára-brisa, palhetas de boa qualidade varrem uma área satisfatória. O sistema tem sensor de chuva. É fácil o acesso para o reabastecimento dágua no reservatório instalado dentro do vão motor.

REGULAR

Acabamento da carroceria
A qualidade do acabamento final da pintura é razoável. As quatro portas têm montagem aceitável. O capô e a tampa do porta-malas estão descentralizados e desnivelados.

Vão do motor
O resultado da insonorização do vão (interno do capô e painel de fogo) é aceitável em relação ao habitáculo com o motor em alta rotação. A sistematização dos vários componentes está bem-feita pela área do vão e o acesso à manutenção é bom, menos ao alternador e compressor do ar-condicionado. Os itens de verificação permanente têm fácil identificação e manuseio.

Altura do solo
Há proteção de chapa em aço para motor e caixa. Ocorre interferência com o solo em saídas de garagem com desnível na zona anterior e, com 400 kg de carga útil, o carro raspa a área central do chassi ao transpor quebra-molas salientes com perfil curto e em estrada de terra com imperfeições.

Suspensão
O conforto de marcha é razoável para a proposta do veículo com essa motorização e equipado com pneus de perfil muito baixo. O nível das transferências das imperfeições do solo para dentro é aceitável. A estabilidade merece destaque pela precisão e inclinação mínima da carroceria no contorno de curvas, mesmo as de baixa, feitas no limite da aderência lateral e com turbo na pressão máxima, apesar de não ter controles eletrônicos de tração e estabilidade.

Iluminação
O sistema tem sensor crepuscular. No teto há uma lanterna no centro e outra na frente com duplo spot fixo integrado, sendo o resultado final em iluminação aceitável. Há luz de cortesia somente no porta-malas e pára-sóis. O farol tem construção com dupla parábola e apresentou uma boa eficiência no baixo e no alto, além de contar com auxílio de faróis de neblina embutidos no pára-choque. Mas peca por não ter regulagem elétrica de altura do facho em função da carga transportada, mas é simples a alteração manual da altura do facho atrás do corpo dos faróis.

Alarme
A chave de ignição é codificada. Não tem de série proteção perimétrica das partes móveis e volumétrica dentro do habitáculo, que devem ser instaladas pela rede de concessionárias. O veículo em prova estava dotado desses acessórios Fiat.

RUIM

Nível interno de ruídos
Quando sobre piso de asfalto ruim, paralelepípedo e terra, surgem vários ruídos em todo o habitáculo. O efeito aerodinâmico é alto, inicia-se a 100 km/h e incomoda em alta velocidade.

EXTRA

Volume do porta-malas
O declarado pela fábrica é de 500 litros e o encontrado foi de 470 litros, quando não está instalado na lateral direita o sub-woofer, que diminui 30 litros do total, como no veículo em prova.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade