Honda Fit EXL 1.5 flex - Maior e mais caro

Monovolume compacto tem aumento nas medidas e no visual, mas calibragem do sistema de suspensão sacrifica conforto e preço da versão topo de linha é alto. Leia o teste

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 05/03/2009 13:02 Paulo Eduardo /Estado de Minas
Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 19/2/09
O Fit cresceu em todas as proporções. Ficou mais alto, mais largo, mais comprido e com maior distância entre-eixos (um dos fatores determinantes do espaço interno) e a capacidade do porta-malas aumentou. As linhas da carroceria tiveram alterações significativas, fazendo lembrar as do modelo anterior. Estratégia semelhante à que a Volkswagen usa no Golf, o carro muda, mas a identidade permanece. Aumentou a área envidraçada, e o traço mais marcante são os faróis enormes. A intenção do fabricante foi a de conferir esportividade ao monovolume.

Veja mais fotos do New Fit!

Interior
O habitáculo cresceu, com mais espaço para pernas, ombros. Os bancos traseiros são reclináveis, aumentando o bem-estar a bordo, e com diversas regulagens do assento. O painel de instrumentos tem grafismo agradável e de fácil leitura, mas falta o importante termômetro de temperatura do líquido de arrefecimento do motor, substituído por uma nem sempre eficiente luz-espia que, quando acende, o motor já ferveu. A coluna de direção tem regulagens em altura e distância. No volante, que tem aro fino, estão os comandos de som e controle automático de velocidade.

Praticidade
Uma das vantagens dos monovolumes é o lado prático. Bancos que rebatem encosto e assento, porta-trecos em cada canto do habitáculo, porta-luvas duplo e facilidade para entrar e sair, colocar e retirar bagagens, etc. Modularidade está sempre em alta neste tipo de carroceria.
Fit é menor do que o Fusca em comprimento e ideal para trafegar em cidade grande - Fit é menor do que o Fusca em comprimento e ideal para trafegar em cidade grande

Motor/câmbio
Houve ganho de potência e de torque no motor 1.5. O câmbio CVT (de infinitas relações de transmissão) foi substituído pelo automático sequencial do Civic. Mudou para pior. Os puristas podem até não gostar do CVT, que é mais eficiente. No atual, há o modo esportivo em que as marchas podem ser trocadas manualmente por meio de aletas no volante. O desempenho não entusiasma e incomoda muito os ruídos do motor, principalmente em rotações elevadas. A proteção acústica deveria ser muito melhor. Esses motores da Honda com controle eletrônico variável são eficientes, mas muito barulhentos.

New Fit: assista ao teste do carro no Vrum na TV



Faz pouca diferença o desempenho com álcool e gasolina. O consumo foi elevadíssimo, como média inferior a 5 km/l na cidade com álcool e cerca de 6,5 km/l, com gasolina. É muito para motor de cilindrada média. Como a faixa de torque ocorre em rotação elevada, é prudente manter motor nesse regime para conseguir melhor desempenho, principalmente em ultrapassagens.

Saiba quais são os concorrentes do New Fit



Conjunto
O Fit é carro tipicamente urbano, tem 12 cm a menos de comprimento do que o Fusca. Entra fácil nas vagas apertadas nas ruas ou em centros comerciais. As linhas da carroceria são agradáveis e o acabamento é bom, apesar de alguns encaixes malfeitos, como nos painéis de porta. O preço é elevado demais na versão topo de linha, beirando os R$ 70 mil, em que pese o conteúdo. Mas a calibragem da suspensão penaliza o conforto, principalmente para os ocupantes do banco traseiro. É duro demais e transfere com intensidade as irregularidades do solo para o habitáculo, provocando muito desconforto. O carro cresceu em dimensões, mas piorou em conforto.

Achou a versão topo de linha do Fit 1.5 cara demais? Então assista ao teste do Fit LXL 1.4 do Vrum! Clique aqui!

Veja a avaliação técnica, os equipamentos de série, os opcionais e a ficha técnica do Honda Fit 1.5 no Veja Também, no canto superior direito desta página.

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação