Publicidade

Estado de Minas

Bom de manobra - Avaliação técnica do Picanto

Carro coreano tem design atraente, câmbio com engates macios e precisos, mas peca em alguns detalhes


postado em 09/05/2009 19:47

(foto: Fotos: Renato Weil/EM/D.A Press - 22/4/09)
(foto: Fotos: Renato Weil/EM/D.A Press - 22/4/09)
BOM

Vão do motor
O motor preenche bem o vão, mas o acesso à manutenção é razoável. O isolamento acústico do vão (somente painel de fogo), em relação ao habitáculo, é aceitável para modelos desse segmento. Os itens de verificação constante têm fácil identificação e manuseio. O layout tem um aspecto limpo.

Climatização
Apresentou bom funcionamento, com boa vazão de ar pelos difusores frontais do painel, nível de ruídos de funcionamento satisfatório e boa vedação. O tempo gasto para dar a sensação de conforto com todo habitáculo, depois de deixar o veículo ao sol, por meia hora e com os vidros fechados, foi bom, favorecido pela pequena área interna.

Veja mais fotos do Kia Picanto!

Freios
Pedal de freio tem boa sensibilidade e relação. O conjunto apresentou bom comportamento dinâmico, no uso em geral. Em frenagem de emergência simulada (sem bloquear as rodas), manteve a trajetória imposta e o espaço percorrido até a imobilização foi coerente com a velocidade e tipo de piso, apesar de não ter ABS. Não ocorreu superaquecimento, com perda de eficiência frenante, depois de uso mais severo, em longa descida sinuosa. O freio de estacionamento funcionou normal.

Câmbio
A qualidade de engate é ótima, em precisão e maciez, e a alavanca tem bom curso. As relações de marchas/diferencial atendem satisfatoriamente a dinâmica do automóvel no uso misto (cidade/ estrada), proporcionando uma dirigibilidade bem razoável.

Motor
A performance é boa para a cilindrada, curva do motor, massa do veículo e equipamentos como ar-condicionado. As retomadas de velocidade e aceleração agradam e o seu funcionamento é um pouco áspero, numa faixa de rotação. O cabeçote tem três válvulas por cilindro e o fato de ter o torque máximo a 3.000 rpm não atrapalha a sua condução no uso urbano, com uma topografia como Belo Horizonte, em que o câmbio bem definido tem papel expressivo.

Vedação
Boa contra poeira e água.
Motor 1.0 a gasolina proporciona bom desempenho no centro urbano
Motor 1.0 a gasolina proporciona bom desempenho no centro urbano

Direção
Coluna de direção tem ajuste angular em altura. A assistência elétrica tem cargas bem definidas para o uso urbano e em rodovias. O diâmetro de giro é pequeno em manobras de estacionamento e garagem, e a velocidade do efeito retorno, razoável. Apresentou boa precisão na reta e em curvas, e nível baixo de ruídos do conjunto em curvas sobre piso irregular.

Iluminação
Tem luz de cortesia somente no porta-malas. No teto, existe uma lanterna na parte da frente. Os faróis dianteiros têm construção com refletor único e auxilio de faróis de neblina, inseridos no para-choque. A eficiência em iluminação é normal no baixo e no alto, e não tem regulagem elétrica de altura. O quadro de instrumentos tem fácil identificação noturna assim como o console central.

Ferramentas
Há uma chave de fenda combinada com Philips e uma chave de boca, de 10x12 mm.

REGULAR

Altura do solo

Em saídas de garagem com desnível, toca com freqüência a aba inferior do para-choque dianteiro. Não tem chapa em aço para proteger o cárter e caixa, e sim, chapa plástica, de pouca espessura e dimensão, que é limitada. No uso urbano e em estradas asfaltadas e de terra batida, não foram notadas interferências significativas com o solo.

Suspensão
São pouco rumorosas quando o carro passa sobre piso de calçamento, terra e asfalto mal conservado e com muitos remendos. O conforto de marcha é limitado para um automóvel leve, com motor de baixa potência, devido ao nível expressivo das transferências das imperfeições do solo para dentro, principalmente pela suspensão traseira. A estabilidade é satisfatória pela precisão e pouca inclinação da carroceria em curvas de raios variados, estando o veículo em velocidade elevada.

Limpador do pára-brisa
Ao dar comando de esguichar (quatro jatos) de água no pára-brisa, o sistema entra em funcionamento automático, varrendo uma área satisfatória. O sistema de limpeza no vidro traseiro também é eficiente. As palhetas do para-brisa apresentaram baixa eficiência, deixando frisos na área varrida e emitindo ruídos. O reservatório de água, instalado dentro do vão do motor, tem identificação e acesso fáceis.

Estepe/ macaco
O estepe está instalado dentro do porta-malas, no assoalho, e é do tipo para pequenos deslocamentos e em baixa velocidade. O kit de troca fica encaixado dentro do aro. A operação de troca é normal. Essa solução de não ter o pneu reserva igual aos de uso não é prático no Brasil, devido à baixa qualidade de manutenção de nossas vias.

Alarme
Tem somente chave de ignição codificada (não é de série) com transponder.

RUIM

Acabamento da carroceria
As portas dianteiras estão desniveladas, e as traseiras, têm montagem aceitável. O capô está desnivelado, em relação ao para-lama esquerdo, e descentralizado, em relação ao farol direito. A tampa traseira está descentralizada. A qualidade final da pintura não é boa, pois contém alguns pontos com impurezas, e imperfeições (manchas no verniz e opacidade).

Nível interno de ruídos
Ao trafegar sobre piso de terra, paralelepípedo e asfalto em má conservação, surgem vários pequenos ruídos no habitáculo. O efeito aerodinâmico é baixo até 100 km/h.

EXTRA

Volume do porta-malas
O declarado pela fábrica é de 220 litros, sendo o encontrado na nossa medição 151 litros, com o banco traseiro na posição normal, tampa do bagagito fechada e sem interferências da tampa traseira.

(*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade