Publicidade

Estado de Minas

Ford Fusion 2.5 SEL - Mudando para melhor

Sedã grande passa por modificações de estilo, ganhando visual mais equilibrado, além de novo motor quatro cilindros, de melhor desempenho. Mas frente é baixa e raspa no chão


postado em 24/06/2009 20:32

Fabricado no México, Ford Fusion está mais potente e ganhou retoques de esportividade(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 15/06/2009 )
Fabricado no México, Ford Fusion está mais potente e ganhou retoques de esportividade (foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 15/06/2009 )
A Ford conseguiu melhorar o que já era bom. A montadora mexeu no sedã grande Fusion, produzido no México, fazendo retoques na dianteira e traseira, deixando o visual mais equilibrado e com aspecto discretamente esportivo. Além disso, a Ford aposentou o motor 2.3 litros e colocou em seu lugar o 2.5, com mais potência e torque, proporcionando desempenho ainda melhor. O sedã é espaçoso, confortável e tem acabamento de boa qualidade, mas a frente do carro é baixa e raspa em entradas e saídas de garagem e a visibilidade traseira é ruim.

Veja mais fotos do Ford Fusion 2.5 SEL!

Nova cara

Há quem diga que todo sedã tem cara de "tiozão", ou seja, estilo careta. E, quanto maior, mais enfatizado fica o jeitão de pacato cidadão. O grande sedã da Ford não fugia a essa regra, apesar de sua primeira geração ter visual moderno. Mas a Ford resolveu mudar e se deu bem. O Fusion foi modificado e ganhou aspecto esportivo, com a frente marcada por faróis mais estreitos, com duplo refletor e fundo preto, e grade com barras cromadas largas. O para-choque dianteiro também foi alterado, ganhando elementos plásticos na parte inferior e spots salientes para os faróis de neblina. O capô tem vinco acentuado, que reforça a robustez.

Assista ao teste do Ford Fusion 3.0 V6 no Vrum na TV



Conheça os concorrentes do Fusion 3.0 V6



As laterais são limpas, sem frisos, e a linha de cintura e traseira são elevadas, prejudicando a visibilidade. O problema é compensado pelos retrovisores de bom tamanho e sensor de estacionamento. A traseira também mudou. As antigas lanternas de estilo tunado deram lugar a outras mais discretas, de forma triangular e com detalhes tipo colmeia no fundo. A terceira luz de freio está junto com uma barra cromada no alto da tampa do porta-malas.

Espaço

Ford Fusion tem traseira mais alta e lanternas triangulares
Ford Fusion tem traseira mais alta e lanternas triangulares
E, falando em porta-malas, o do Fusion não deixa brecha para reclamação. Tem bom volume para carga e profundidade suficiente para transportar objetos maiores. O espaço interno também é generoso, inclusive no banco traseiro, onde duas pessoas viajam com relativo conforto, já que o assento não apoia bem as pernas. O único problema ali é para quem vai no meio, pois o encosto é duro devido ao descansa-braço embutido e o túnel no assoalho prejudica o espaço para as pernas. Mas a segurança não foi esquecida: o banco traseiro tem cintos retráteis de três pontos e apoios de cabeça para os três passageiros.

Acabamento

O interior do novo Fusion tem requinte e qualidade. O revestimento é feito com couro de boa qualidade, com costura branca aparente. Os bancos dianteiros têm ajuste elétrico, sendo que o do motorista conta com regulagem lombar manual. O volante pode ser ajustado em altura e distância, ajudando o motorista a encontrar a melhor posição de dirigir. Além disso, o volante tem comandos do som e do controlador de velocidade (piloto automático). O painel tem acabamento emborrachado, instrumentos com fundo preto e iluminação azulada, que fica acesa assim que se liga a chave de ignição, facilitando a visualização. Conta ainda com computador de bordo, que fornece informações como consumo de combustível e autonomia. Os comandos estão bem localizados, facilitando acesso.

Desempenho

O novo motor 2.5 litros deu ainda mais fôlego ao sedã da Ford. Com mais torque e potência, aliado a um eficiente câmbio automático de seis marchas, o sedã tem bom desempenho, com respostas rápidas em arrancadas e retomadas. O câmbio tem trocas de marchas suaves e uma tecla para auxílio em descidas íngremes, funcionando como freio motor. O bom escalonamento das marchas facilita o melhor aproveitamento da força do motor. Mas o câmbio não tem a opção de trocas manuais e a tecla esporte. E a velocidade máxima é limitada em 180 km/h, segundo a Ford, para evitar o superaquecimento da transmissão. O computador de bordo registrou consumo de 6,7 km/l na cidade e 11,9 km/l na estrada.

Dirigibilidade

Apesar de ser um veículo de dimensões avantajadas, o Fusion é um sedã que impressiona pela dirigibilidade. É um carro na mão e no chão. Tem controle de estabilidade e as suspensões garantem segurança nas curvas, além de filtrar bem as imperfeições do solo, proporcionando conforto. A direção foi bem calibrada, com bom diâmetro de giro, que facilita a vida do motorista em manobras de garagem. Os freios, assistidos por muita eletrônica, funcionaram de forma eficiente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade