Publicidade

Estado de Minas

Fiat Palio Fire Economy - Com reloginho de pão-duro

Depois do Mille, Fiat adota o mesmo pacote de soluções que visam reduções de consumo e de emissão de poluentes na versão de entrada do hatch, que ganhou motor mais potente


postado em 08/07/2009 17:00

(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 30/6/2009 )
(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 30/6/2009 )
Para aproveitar a "onda verde", que se tornou pauta obrigatória em todas as discussões sobre o salvamento do nosso planeta e que vem regendo a maioria das estratégias de marketing dos fabricantes de veículos, e para cumprir as exigências da Fase V do Proconve, que entra em vigor este ano e reduz bastante os níveis de emissão de poluentes, a Fiat resolveu estender o pacote Economy (um conjunto de soluções voltadas para a redução do consumo de combustível e, por consequência, a diminuição das emissões de poluentes) para o Palio Fire, nas opções de duas e quatro portas. O hatch também ganhou o novo motor 1.0, o mesmo que estreou no Siena, mas com algumas modificações visando mais economia de combustível.

Veja mais fotos do Palio Fire Economy!

Vrum na TV: assista ao testo do Palio Economy



Carroceria

O Fire tem a carroceria da terceira geração do Palio, que muita gente acha mais bonita que a atual (a quarta). Destaque para os faróis de duplo refletor, a moda da grade dianteira na cor da carroceria, tomada de ar inferior com grade protetora (importante para evitar que o radiador seja atingido por uma pedra ou pequeno objeto), calotas que imitam rodas de liga (de bom gosto), terceira luz de freio (no alto do vidro), emblema Economy na tampa traseira e os "olhos de gato", na parte de baixo do para-choque traseiro. Modelo avaliado estava equipado com kit Celebration, que, externamente, inclui lavador/limpador do vidro traseiro, antena, minissaias laterais, frisos do teto na cor da carroceria e adesivos "Celebration" nos para-lamas dianteiros.

Por dentro

Internamente, o Palio Fire ainda é mais antigo, pois o painel é o da segunda geração, exceto o quadro de instrumentos, que foi mudado para acomodar os novos mostradores. O acabamento interno, que mistura a cor preta com cinza escuro (no painel central e no quadro de instrumentos), é condizente com uma versão bem básica, pois usa plásticos de qualidade inferior, mas que deveriam ser melhor encaixados, principalmente no painel. Outro ponto negativo são as regulagens dos encostos dos bancos dianteiros, por meio pequenas alavancas (a mesma do Mille). Eles são difíceis de manipular e dificultam a tarefa na hora de encontrar a posição desejada. A regulagem contínua é bem melhor.

Econômetro

Detalhe do
Detalhe do "Econômetro" no painel: medidor de consumo instantâneo do carro (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 30/6/2009 )
Painel é simples, mas tem os mostradores básicos: velocímetro e indicadores de temperatura da água do motor e do nível de combustível. Mas o grande barato é o Econômetro, um verdadeiro "reloginho de motorista pão-duro". Posicionado entre o velocímetro e o marcador do nível de combustível, o instrumento tem faixas verde, amarela e branca e mostra o consumo instantâneo do carro. Quando o veículo está parado, o ponteiro fica na faixa branca. Se o motorista pisa fundo no acelerador, o ponteiro se desloca para a parte mais alta da amarela (que equivale a 4 km/l). À medida que ele alivia o acelerador, a marcação se desloca para a verde (a faixa de transição equivale a algo em torno dos 20 km/l). Quando o ponteiro está na parte mais baixa da faixa verde, numa descida com uma marcha engrenada e sem pisar no acelerador, o carro está fazendo cerca de 50 km/l.

Fôlego

O motor no Palio Fire Economy é o mesmo 1.0 que equipa o Siena e, com mais potência (8 cv a mais com gasolina e 9 cv com álcool) e torque que o anterior, melhorou sensivelmente o desempenho do carro, principalmente em subidas, arrancadas e ultrapassagens. Para ganhar mais fôlego e, ao mesmo tempo, reduzir o consumo, o motor passou por um processo de melhoria, que incluiu aumento da taxa de compressão (de 11,65:1 para 12,15:1), adoção de acelerador eletrônico e de novos coletores de aspiração de descarga, pistãos, válvulas de aspiração e comando de válvulas. A central da injeção eletrônica também foi remapeada.

Opinião de quem tem

"Estou satisfeito com o consumo do carro. Usando álcool, na cidade está dando 8 km/l e na estrada 13,5 km/l. Com gasolina a média é de 11 km/l na cidade e 15 km/l na estrada. O carro está com quase 4.500 quilômetros rodados. Na cidade acho melhor usar gasolina e na estrada álcool. Mesmo assim, quando você estica as marchas na estrada, o consumo de álcool cai de 13 para 10. Procuro sempre seguir o ponteiro do econômetro" - Gleisson Silva Ribeiro, empresário.

"Meu carro está com 7,8 mil quilômetros rodados e o consumo com álcool é de 7,5 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada. Ando basicamente com o carro vazio e procuro sempre seguir o econômetro. Reparei que em subidas é impossível manter o marcador na área verde (a mais econômica), e o que não falta aqui em Minas Gerais é morro. Outra coisa, se você quiser esticar o carro, pode esquecer a economia" - Guilherme Fernando Silva Jorge, piloto de avião.

"Só uso o carro na cidade e com o ar-condicionado ligado. Ele está com 2,7 mil quilômetros e eu só abasteço com gasolina. Antes a média era de 8 km/l e agora é 9 km/l. Acho que é porque agora estou seguindo mais o econômetro. Se for comparar com a minha Palio Weekend 1.8, que faz 6km/l, a média do Palio Economy não está tão ruim" - Ildeu Coelho, analista de sistemas.

Leia também:

Fiat Uno Mille x Fiat Palio Fire - Mãos-de-vaca no posto

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade