Publicidade

Estado de Minas

Fiat Strada Adventure 1.8 cabine dupla - Espicharam a estendida

Fiat Strada Adventure Locker é a primeira picape compacta do mundo com opção de cabine dupla. Modelo tem ampla lista de equipamentos, mas ABS e airbag são opcionais


postado em 10/08/2009 18:58

A Strada Adventure cabine dupla custa a partir de R$ 46.800(foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press)
A Strada Adventure cabine dupla custa a partir de R$ 46.800 (foto: Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press)

Era uma vez uma picape que nasceu simples, com cabine para duas pessoas e bom espaço na caçamba. Quem observava o rebento imaginava que se tratava de um veículo mais para o trabalho, com capacidade para transportar de sacos de cimento a uma moto. Mas o tempo passou e a picape começou a se transformar, seguindo as exigências de seus fanáticos admiradores e consumidores. Começou a ser vista mais como veículo para o lazer e cidade, e, com isso, a caçamba já não tinha tanta importância para alguns. A Fiat, então, estendeu a cabine e, logo depois, surgiram as gambiarras (como banquinhos no espaço para carga) fora da fábrica. Empresas adaptavam a estendida com um banco traseiro, sem qualquer zelo com a segurança. Para resolver o problema, a montadora de Betim espichou a estendida, criando a Strada cabine dupla, com banco traseiro para duas pessoas. Mas nem tudo são flores.

Espaço

A Strada é derivada da família Palio, o hatch compacto homologado para cinco passageiros, com medida de conforto (distância entre o pedal do freio e o encosto do banco traseiro) de 1,86m. Para transformar a picape em cabine dupla, a Fiat reduziu a caçamba e aumentou o espaço interno, colocando um banco inteiriço para duas pessoas. A surpresa é a medida de conforto encontrada: 1,74m. O resultado confirma o que se vê na prática. A cabine leva quatro, mas o banco traseiro não é um bom exemplo de ergonomia. Tem espaço para duas pessoas de pequeno porte, o encosto é praticamente reto (90 graus) e o assento não apoia bem as pernas, que, dependendo do tamanho, ficam encostadas no banco dianteiro. Ou seja, tudo de acordo para tornar a viagem desconfortável.

Caçamba

Além de tampa traseira com chave e abertura no símbolo da marca, destaque para o visual
Além de tampa traseira com chave e abertura no símbolo da marca, destaque para o visual
Cresceu a cabine, diminuiu a caçamba. Perdeu em volume e tamanho e já não leva tão facilmente uma moto. Para isso, é preciso abrir a tampa traseira, que pode até ser removida. O espaço fica ainda mais reduzido devido à presença do estepe na caçamba. Essa versão Adventure tem de série proteção plástica na área de carga, além de grade e janela corrediça no vidro traseiro. Conta ainda com ganchos para a amarração de objetos e, opcionalmente, pode vir equipada com a capota marítima.

Por dentro

Deixando de lado a questão do espaço, a Strada Adventure tem acabamento interno com material de boa qualidade, com plástico duro no painel e couro nos bancos (opcional). Os instrumentos são de fácil visualização e, no centro do painel, na parte superior, bússola e inclinômetros longitudinal e transversal, para quem resolver abusar com a picape. O volante poderia ser um pouco mais grosso, melhorando a pega, mas a coluna de direção tem regulagem de altura para facilitar o posicionamento do motorista. No quesito segurança, apoios de cabeça com regulagem de altura e cintos de três pontos retráteis para os quatro ocupantes. Como opcional, airbag duplo na frente.

Performance

O conjunto mecânico da Strada Adventure é eficiente. O motor 1.8 flex dá conta dos 1.195kg da picape (vazia), proporcionando desempenho satisfatório. Nada que chegue a impressionar, mas é bom. O câmbio tem marchas bem escalonadas, que proporcionam melhor aproveitamento da força do motor, favorecendo arrancadas e retomadas de velocidade. Os engates do câmbio são macios e precisos, mas o curso da alavanca é longo. O computador de bordo acusou consumo na cidade de 5,5km/l com álcool e 8,0km/l com gasolina. Já na estrada, mostrou 9,5km/l (a) e 14,0km/l (g). A direção tem boa calibragem, mas o diâmetro de giro maior dificulta as manobras. As suspensões melhoraram muito em relação às versões anteriores, mas ainda transferem as imperfeições do solo para dentro, fazendo a picape pular muito quando vazia sobre pisos irregulares. A estabilidade é boa, mas, em velocidades mais elevadas, o veículo tende a apresentar uma discreta instabilidade direcional, devido à altura elevada do solo. O sistema de freio tem ABS (opcional) e atuou com eficiência. O sistema locker, de bloqueio de diferencial, é o algo mais, que ajuda a manter a picape firme em pisos escorregadios.

Visual

A Strada tem pinta de aventureira, com bons ângulos de entrada e saída, que porporcionam desenvoltura em estradas de piso irregular. Seguindo o padrão da Palio Weekend Adventure, tem moldura plástica na frente, laterais e traseira. O para-choque é robusto, com quebra-mato de plástico embutido e faróis de neblina e longa distância. O modelo conta ainda com barras de apoio no teto, santantônio, estribos laterais antiderrapantes e uma extensa lista de equipamentos. O visual é ponto forte e certamente vai ser fator de peso importante na escolha.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade