Publicidade

Estado de Minas

Doblò Adventure Locker 1.8 - Aventureiro está cheio de firula

Saiba como a van compacta se saiu no teste


postado em 26/02/2010 18:05

(foto: Fotos Marlos Ney Vidal/EM/D.A. Press)
(foto: Fotos Marlos Ney Vidal/EM/D.A. Press)
Avaliação técnica

Positivo

Altura do solo

Mesmo com o veículo carregado, não foram notadas interferências com o solo no percurso misto de provas. Modelo tem chapa protetora de aço para cárter e câmbio. Os ângulos de ataque e saída, apesar de não ter tração 4x4, são aceitáveis sobre trilhas leves, com somente o condutor.

Climatização
Não tem saídas específicas reguláveis para os passageiros de trás e do sexto banco, que está instalado dentro do vão do porta-malas. Apresentou eficiência satisfatória, mas, para atingir a sensação de conforto, depois de meia hora parado ao sol, com os vidros fechados, o tempo gasto foi maior do que o usual, devido à grande área interna e envidraçada do veículo. Por isso, deve-se operar, no mínimo, com a velocidade na terceira posição da caixa de ar. O nível de ruídos de funcionamento é satisfatório. O sistema está bem vedado.

Veja mais fotos da Dobló Adventure Locker 1.8 Flex!

Freios
Apresentaram bom comportamento dinâmico e o ABS está bem calibrado. O sistema está bem balanceado nos dois eixos, com reações equilibradas, e não ocorreu perda de eficiência frenante depois de uso mais contínuo, em longa descida sinuosa. O freio de estacionamento atuou normalmente e o pedal de freio tem boa relação e sensibilidade.

Câmbio
As relações de marchas/diferencial atendem razoavelmente a dinâmica no uso misto, mas, numa topografia mais irregular (cidade e estrada), com o veículo carregado e ar ligado, as trocas são constantes, devido ao peso elevado (1.454kg). A 1ª, 2ª, 3ª e 4ª marchas são iguais ao do modelo básico, com motor 1.4, sendo diferente apenas na 5ª marcha e na relação coroa x pinhão, que é mais longa. A qualidade de engate é boa em precisão e maciez. A alavanca de marchas está bem posicionada e o curso é curto. O sistema Locker tem auxílio limitado, em situação de baixo atrito em trechos maiores, devido à baixa velocidade (máxima de 20km/h) que o gerenciamento eletrônico mantém o acoplamento. O câmbio homologado para essa versão de uso mais familiar, e geralmente com o veículo carregado, está no limite de uma dirigibilidade normal e segura, no uso misto e numa topografia mais irregular.

Vedação
Boa contra água e poeira.

Ferramentas
Tem uma chave de fenda, combinada com Phillips.

Regular


Vão do motor

O acesso à manutenção de vários componentes é limitado, pois o motor preenche bem o vão, que é pequeno. O resultado do isolamento acústico, em relação ao habitáculo, é razoável. O ângulo de abertura do capô é bom, e o layout do vão, racional.

Motor
A performance é discreta, em função
do peso do veículo, mesmo com apenas o motorista. Quando está carregado e com o ar ligado, as retomadas de velocidade e aceleração são apenas aceitáveis, e, em algumas situações, deixam a desejar, sendo necessário trabalhar bastante com o câmbio para se ter uma dinâmica satisfatória. Com álcool, rende um pouco melhor. O nível de ruídos de funcionamento é razoável para motor flex.

Suspensão
O conforto de marcha é bom, quando roda com somente o condutor, mas perde bem quando o veículo está completamente carregado e com a pressão dos pneus indicada para esta condição. A estabilidade satisfaz no uso normal em geral, mas devido à acentuada inclinação da carroceria e alteração da trajetória imposta em curvas de raio curto e médio, feitas em velocidade elevada e no limite da aderência lateral.

Direção
O diâmetro de giro é limitado em manobras de garagem e estacionamento. A coluna de direção tem regulagem em altura, com curso satisfatório. A calibragem da assistência hidráulica e a geometria da suspensão dianteira favorecem, em agilidade e rapidez de resposta, a dirigibilidade no trânsito urbano e em manobras apertadas, mas as suas reações são muito imediatas e diretas quando se roda na estrada.

Iluminação
O farol é eficiente no baixo e no alto e tem auxílio de faróis de neblina e de longo alcance, que não têm proteção contra pedras. Falta regulagem elétrica de altura, em função da carga transportada. A iluminação do habitáculo é simples, com uma lanterna na parte frontal do teto e outra na central traseira. Não há luz de cortesia nem sensor crepuscular.

Limpador do para-brisa
Não tem sensor de chuva. As áreas varridas no para-brisa e no vidro traseiro são boas, assim como a qualidade das palhetas. Os esguichos de água são também eficientes e, quando acionados, o sistema atua automaticamente. O reservatório de água instalado dentro do vão do motor está em local de fácil acesso, mas peca pelo diâmetro do bocal, que é pequeno.

Estepe/macaco
O estepe, que tem roda e pneu iguais aos de uso e porca auto-adaptadora antifurto, está colocado em suporte fixo na porta traseira. A operação de troca não é muito simples. O kit de troca está acondicionado em bolsa plástica, sob o assento do banco traseiro.

Alarme
A chave de ignição é codificada e do tipo canivete. Opcionalmente, pode ter proteção volumétrica dentro do habitáculo e perimétrica das partes móveis. Ao dar comando para travar as portas, os vidros não sobem automaticamente. A porta do condutor tem opção de abertura/fechamento do vidro por um toque, mas não tem sistema antiesmagamento.

Com a utilização do banco, a capacidade para o porta-malas diminui para 685 litros
Com a utilização do banco, a capacidade para o porta-malas diminui para 685 litros


Negativo

Acabamento da carroceria

Qualidade final da pintura não é boa, pois existem alguns pontos com impurezas, imperfeições no verniz e má preparação da chapa em alguns locais. Ao abrir ou fechar, a porta lateral direita corrediça encosta na carroceria, na união com o teto (coluna C), danificando a pintura. Os adereços plásticos que envolvem toda carroceria têm montagem razoável. Não é possível inserir a chave no cilindro da porta traseira devido à posição do estepe. O capô está descentralizado e desnivelado, assim como a porta traseira (bipartida). As quatro portas estão desniveladas entre si e a carroceria.

Nível interno de ruídos
Os ruídos no habitáculo são notórios e incomodam. O efeito aerodinâmico é evidente em velocidade mais alta.

Item extra

Volume do porta-malas

O declarado pela fábrica, em condições normais (sem o sexto banco), é de 750 litros. O encontrado, com o sexto banco em posição de uso e sem ultrapassar o nível do encosto do banco da segunda fileira, foi de 384 litros.

(*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade