Publicidade

Estado de Minas

Dodge Journey SE V6 2.7 - Mexicano sem pimenta

Crossover ganha versão menos equipada para conquistar aqueles que apreciam estilo imponente e amplo espaço interno, mas não querem desembolsar muita grana por isso


postado em 20/10/2010 16:59

(foto: Fotos: Beto Magalhães/EM/D.A PRESS)
(foto: Fotos: Beto Magalhães/EM/D.A PRESS)
Acompanhe também o VRUM pelo Twitter

Para dar mais competitividade ao crossover Journey, a Dodge traz do México outras duas versões que se juntam à SXT, até então a única opção comercializada no mercado brasileiro. Primeiro, veio a opção R/T, que, ao contrário de outros modelos da marca, não tem caráter esportivo. Nesse caso, a sigla significa mais equipamentos (rodas de liga leve; teto solar elétrico; bancos com aquecimento; sistema de áudio com 30 Gb de memória, bluetooth, comando de voz e controle para Ipod; câmera traseira de estacionamento; computador de bordo) e acabamento refinado (maçanetas cromadas, rack de teto, revestimento em couro nos bancos e alavanca de câmbio). Depois, chegou a versão SE, de entrada, que perdeu alguns equipamentos, como a terceira fila de bancos e rodas de 19 polegadas, para atrair outra faixa de consumidores de crossovers, que preferem os concorrentes Chevrolet Captiva e Honda CR-V.

Veja a galeria completa de fotos do Dodge Journey SE 2.7!

ESTILO Geralmente, um dos pontos positivos dos modelos do Grupo Chrysler é o design, quase sempre inovador e distante do lugar-comum. No caso do Journey, o que mais se destaca nas linhas é a imponência, ou seja, o carro não passa despercebido. Na frente, a tradicional grade em cruz, os faróis de duplo refletor de formato horizontalizado e o spoiler, que dá a aparência de um carro rebaixado, garantem um aspecto bem esportivo. Na versão SE, as rodas são em aço e de 16 polegadas, mas as calotas têm desenho bonito, que imitam bem as de liga leve. De perfil, a linha de cintura alta e ascendente e os para-lamas salientes garantem um ar jovial. As linhas da traseira são mais recortadas, com destaque para as grandes lanternas e o defletor no alto da tampa do porta-malas.

POR DENTRO Outro atrativo do Journey é o amplo espaço interno. A versão SE perdeu os dois bancos da terceira fila e transporta cinco pessoas (em vez de sete, das outras versões), mas com muito conforto. O banco traseiro acomoda três adultos sem se acotovelarem, com direito a esticar as pernas e a regular o encosto. O porta-malas também é bem espaçoso e leva até 758 litros, se o motorista enchê-lo do piso até o teto. No entanto, para pequenos objetos, embora haja compartimentos sob o piso. A capacidade do porta-malas ainda pode ser ampliada, pois o banco traseiro tem regulagem longitudinal. Infelizmente, o estepe fica do lado de fora, sob o assoalho, tornando a tarefa de troca bem suja e complicada.

ACABAMENTO Os carros da Chrysler nunca primaram pelo bom acabamento. E com esse crossover não é diferente. Percebe-se que a qualidade dos plásticos poderia ser bem melhor, principalmente num veículo dessa categoria. O painel de instrumentos, dividido em três compartimentos quadrados, de fácil visualização, destoa do conjunto estilístico, parecendo um pouco ultrapassado, mesmo com a iluminação verde com efeito de profundidade. Ponto negativo: o extintor de incêndio fixado no chão incomoda o passageiro da frente. Mesmo perdendo equipamentos, a versão SE tem, de série, muitos itens de conforto, como porta-luvas duplo refrigerado, uma quantidade bem razoável de porta-trecos (até no assoalho da segunda fileira de bancos e abaixo do assento do banco dianteiro), controle automático de velocidade, entre outros. O pacote de segurança também continua bem completo, com ABS, airbags, controle de tração e estabilidade e apoios de cabeça dianteiros ativos.

RODANDO Embora seja equipado com um V6, de 185cv de potência (motorização comum a toda linha Journey vendida no Brasil), o motor é a conta de empurrar esse crossover, que pesa quase duas toneladas (1.940 quilos). Quem julgar, pela aparência, que o carro tem desempenho esportivo pode desistir. O câmbio automático de seis velocidades, com possibilidade de trocas manuais, também não ajuda, pois, embora proporcione mudanças suaves, não tem opção de troca esportiva. A suspensão tem bom equilíbrio entre conforto e estabilidade, mas é bom destacar que o Journey é um carro voltado para o asfalto e na terra parece um peixe fora dágua, apesar de sua aparência sugerir o contrário. Outro ponto negativo é o diâmetro de giro grande, que dificulta as manobras na cidade, principalmente para um carro que tem quase cinco metros de comprimento. Também falta sensor de obstáculo traseiro, já que a visibilidade nesse sentido não é das melhores.

VEREDICTO O Journey é um carro para quem busca um espaço familiar, tanto para os ocupantes quanto para as bagagens; mas com um razoável pacote de equipamentos de conforto e, principalmente, de segurança. Esse crossover é um carro bastante seguro. O que pesa contra é a falta de um desempenho mais esportivo, a pouca agilidade no trânsito urbano e o nível de acabamento, que poderia ser melhor num carro dessa categoria.

Confira o teste ponto a ponto do Dodge Journey SE 2.7.

Versão mais simples do Journey abandona as rodas de liga leve
Versão mais simples do Journey abandona as rodas de liga leve

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade