FORD FUSION HYBRID

Chega mudo e sai calado

Com um motor a gasolina e outro elétrico, somando 193cv, o primeiro híbrido de fato a desembarcar no Brasil agrada pela eficiência do sistema e pacote de equipamentos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 18/12/2010 09:11 / atualizado em 18/12/2010 19:57 Enio Greco /Estado de Minas

Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A PRESS
Acompanhe também o Vrum pelo Twitter

A Ford inova ao trazer o primeiro automóvel híbrido para o mercado brasileiro, o Fusion Hybrid, que é movido por um motor de quatro cilindros a gasolina e outro elétrico, sustentado por bateria de níquel-metal recarregável automaticamente. Equipado com transmissão continuamente variável, o sedã impressiona pela eficiência da tecnologia híbrida, com bom desempenho e quase nenhum ruído de funcionamento no modo elétrico. Nem parece que o carro está ligado. Mas a capacidade do porta-malas diminuiu e a frente continua raspando em entradas e saídas de rampas.

O primeiro da era verde

Demorou, mas chegou! Finalmente, o consumidor brasileiro tem à disposição um automóvel dotado de tecnologia híbrida, já difundida e disponibilizada há anos em países de primeiro mundo. E coube à Ford lançar esta “novidade” por aqui, com o Ford Fusion Hybrid, que chega ao mercado por R$ 133.900, ou seja, trazendo um acréscimo salgado no preço se comparado com as versões somente a gasolina do modelo. É o que se paga pela inovação. Fora isso, o sedã agrada pelo bom acabamento, espaço interno, desempenho e tecnologia aplicada, que, às vezes, confunde o motorista por excesso de informações.

Painel moderno e cheio de informações detalhadas pode confundir o motorista enquanto estiver guiando - Painel moderno e cheio de informações detalhadas pode confundir o motorista enquanto estiver guiando

 

DIFERENTE Dirigir o Ford Fusion Hybrid não é o mesmo que conduzir um automóvel somente com motor a combustão. Há diferença. Tão logo banco e retrovisores estejam ajustados, cinto de segurança devidamente acoplado, basta dar a partida. Aí, começam as novidades. O painel digital se abre como um programa de computador e vários mostradores vão surgindo, indicando carga da bateria, consumo de gasolina e energia, modo de funcionamento elétrico ou combustão e uma pequena árvore com folhas que nascem ou caem, indicando o jeito mais econômico de dirigir.

SILÊNCIO O mais interessante é que uma pequena luz verde na base inferior direita do painel indica que o carro já está em funcionamento, mas não se ouve um ruído sequer. É silêncio absoluto. Tem cidadão que se assusta ao ver o imponente sedã entrar em movimento sem o tradicional barulho do motor. “Mas ele já está ligado?”, pergunta assustado. Está sim, e não faz barulho porque para a partida o Fusion Hybrid usa apenas o motor elétrico, que funciona silenciosamente. Basta ficar atento ao painel para perceber a variação da carga da bateria, que diminui conforme a exigência. Se o motorista pisar com mais vontade no acelerador, o motor a combustão entra em funcionamento automaticamente e aí, sim, ouve-se o tradicional ruído do quatro cilindros a gasolina. Aliás, esse 2.5 litros Duratec usa o ciclo Atkinson, que mantém a válvula de admissão aberta por mais tempo, tornando-o mais eficiente.

 

Confira a galeria completa de fotos do Ford Fuison Hybrid

 

ECONÔMICO Pelos mostradores do painel é possível ver que os motores vão revezando o funcionamento de acordo com as exigências. Em baixas velocidades, só dá o elétrico. Fora isso, o propulsor a gasolina entra em ação, sempre auxiliado pelo outro, que ajuda a reduzir o consumo significativamente. A Ford apresenta números muito otimistas, conseguidos certamente em condições ideais de temperatura e pressão, mas em uma cidade como Belo Horizonte, com muitos aclives, é difícil atingir tais resultados. Na cidade, o computador de bordo chegou a apontar um consumo de 10km/l, com o pé no alto, e na estrada algo em torno dos 13km/l. Muito bom para um sedã de 1.687 quilos. Se pisar fundo no acelerador, os números mudam e os dois motores despejam potência total, disponibilizando 193cv. Mas aí o quatro cilindros grita com vontade.

REGENERATIVO Se o motorista não se perder com as luzes e cores do painel, dá para aproveitar a dirigibilidade prazerosa do Ford Fusin Hybrid. E não é preciso se preocupar em carregar a bateria. O carro, classificado como full-hybrid, ou híbrido total, conta com bateria de níquel-metal recarregável, que aproveita 94% da energia captada pelo sistema de freios regenerativos. Ou seja, pisando no freio ou em desacelerações o sistema está recarregando a bateria. Outro atrativo do sedã é a transmissão continuamente variável CVT, que proporciona uma condução confortável, com trocas imperceptíveis, sem trancos e com respostas rápidas. Bem mais eficiente do que o câmbio automático convencional. Outro detalhe interessante é que o ar-condicionado elétrico não depende do motor a gasolina para acionar o compressor. Com isso, não rouba potência, não interfere no consumo e funciona mesmo com o carro desligado.

 

SEGURANÇA As suspensões do Fusion Hybrid apresentam comportamento adequado para um sedã desse segmento, com boa estabilidade e conforto de marcha, filtrando bem as irregularidades do solo. O modelo, que é vendido no Brasil em versão única, tem entre os vários itens de série o controle eletrônico de estabilidade. Tem ainda freios a discos com ABS e EBD, que garantem total segurança, além de sete airbags estrategicamente colocados no habitáculo. A direção com assistência elétrica e diâmetro de giro pequeno garantem facilidade em manobras e segurança em velocidades mais elevadas. O carro conta ainda com sistema que detecta a aproximação de outros veículos ou pessoas nas laterais, no chamado ponto cego, acendendo uma luz amarela nos retrovisores. Tem sensores de chuva e pressão dos pneus e câmara de ré, com tela no painel, que facilita ainda mais as manobras.

ESTILO O Ford Fusion tem o tradicional estilo americano, com formas avantajadas e muitos cromados. Um ponto negativo é a frente baixa, que raspa facilmente em rampas de garagem e quebra-molas. Outro é o porta-malas, que ficou menor na versão Hybrid para abrigar componentes do sistema. Caiu de 530 litros para 405 litros. Mas é um sedã espaçoso e confortável – exceto no meio do banco traseiro –, com acabamento de boa qualidade. Para quem gosta de novidade e quer se preparar para a chegada dos veículos elétricos, o Fusion Hybrid pode ser uma boa opção intermediária, apesar do preço salgado. Pesam a favor as garantias de três anos para o carro e oito anos para a bateria.

 

Cheio de firulas

 

AVALIAÇÃO TÉCNICA
ACABAMENTO DA CARROCERIA

A pintura tem bom acabamento. As quatro portas apresentam desnivelamento entre si e a carroceria em alguns pontos, além de folgas fixas diferentes entre os dois lados. O capô tem boa montagem. A tampa do tanque de combustível não tem trava elétrica conjugada com as travas das quatro portas. A tampa do porta-malas está descentralizada. Esteticamente, é desproporcional o diâmetro das ponteiras do escapamento de descarga em relação ao porte da carroceria. REGULAR

VÃO DO MOTOR

O capô tem ângulo de abertura razoável. Os motores preenchem todo o vão, limitando bem o acesso à manutenção de vários componentes. Os itens de verificação permanente têm fácil identificação e manuseio. Os isolantes acústicos na parte interna do capô e no painel de fogo têm resultado satisfatório em insonorização em relação ao habitáculo, quando o motor a gasolina está em alta rotação. São dois reservatórios dos sistemas de refrigeração para os motores, sendo um de nove litros para o a gasolina e 2.7 litros para o elétrico. A bateria de baixa tensão para o motor a gasolina está dentro do vão do motor. REGULAR

ALTURA DO SOLO

Para este sedã grande, a fábrica indica a carga útil máxima de somente 386kg, ou seja, cinco pessoas de 70kg mais 36kg de bagagem, para um porta-malas com 380 litros de capacidade volumétrica. Não tem chapa em aço protetora para o cárter e caixa de marchas e sim uma placa plástica de resistência limitada. Toca a aba inferior do para-choque dianteiro em saídas/entradas de garagem em desnível e carregado raspa também a proteção plástica do motopropulsor, além da zona central do chassi ao transpor quebra-molas saliente de perfil curto e ao trafegar sobre estrada de terra com algumas imperfeições. REGULAR

CLIMATIZAÇÃO

É automático digital e pode ser gerenciado por meio de toques na tela do display no centro do console central. Apresentou bom funcionamento, com boa vazão de ar pelos difusores do painel, que têm rumorosidade contida. Porém, para os passageiros de trás não há saídas específicas ajustáveis no fim do console central. O tempo gasto para dar a sensação de conforto em todo o habitáculo foi bom, após deixar o veículo trancado ao sol por meia hora. Tem a opção de temperatura diferenciada para condutor e passageiro. O sistema está bem vedado. POSITIVO

FREIOS
Estão muito bem dimensionados e calibrados para a massa do veículo e o rendimento do motor. O ABS tem boa sensibilidade e atuou com precisão. O freio de estacionamento atuou normalmente. Não ocorreu superaquecimento após uso constante em longa descida sinuosa com frenagens mais fortes na entrada de curvas. Em frenagem de emergência, em alta velocidade (asfalto liso, seco, molhado, terra batida e paralelepípedo), manteve a trajetória e foi boa a desaceleração e o espaço percorrido até a imobilização. POSITIVO

CÂMBIO

A transmissão de variação contínua de velocidade tem com controle eletrônico (CVT). É extremamente funcional no uso na cidade e em rodovias, com uma suavidade de marcha muito superior a um câmbio automático convencional. A caixa do CVT não tem vareta de medição de fluido da transmissão. Ela não consome fluido e é abastecida uma única vez durante toda a vida útil do veículo, desde que não apresente problemas no seu funcionamento ou vazamento. As respostas em kick-down foram satisfatórias e tem a opção de reduzida selecionando a alavanca no L. POSITIVO

MOTOR

O funcionamento e a dirigibilidade surpreendem. Tem duas fontes de energia, com baterias de alta tensão e com o motor a gasolina. No quadro de instrumentos há display com medidor de energia bipartido indicando quando com somente motor elétrico (EV), gasolina e os dois integrados, interpretando o modo de condução e topografia, no qual a energia solicitada é dissipada pelo pressionamento do pedal do acelerador. Em vários momentos trabalham juntos, cada qual suprindo a demanda de energia solicitada, e não ocorre alteração na progressividade de marcha na atuação conjunta ou no desligamento de qualquer um dos dois. Os acessórios como ar-condicionado, faróis, rádio, luzes internas etc. consomem energia e o medidor (ACC) instalado no quadro de instrumentos indica as demandas de energia elétrica solicitadas, consumindo mais as cargas das baterias. Apesar do peso, a sua dirigibilidade é prazerosa, com retomadas de velocidade e aceleração bem satisfatórias no uso misto. POSITIVO

VEDAÇÃO

Boa contra água e poeira.
POSITIVO

NÍVEL DE RUÍDOS INTERNOS

O habitáculo é silencioso quando sobre pisos irregulares e o efeito aerodinâmico é contido mesmo em alta velocidade. POSITIVO

SUSPENSÃO

Para esta versão híbrida, a distribuição de peso por eixo é de 991kg no dianteiro e 696kg no traseiro. Os componentes das suspensões estão muito bem calibrados, proporcionando conforto de marcha e estabilidade muito bons para o tipo de carroceria. Surpreende o alto handling deste automóvel, pois é extremamente rápido em curvas de raios variados, com ótima precisão no contorno delas (asfalto liso/seco e terra batida), com inclinação moderada da carroceria. O conforto de marcha satisfaz bem e no limite da aderência lateral atuaram com precisão os controles eletrônicos de estabilidade e tração. As suspensões, principalmente a dianteira, apresentaram pequena rumorosidade quando sobre piso irregular em baixa velocidade. POSITIVO

DIREÇÃO

A coluna de direção tem ajuste manual em altura e distância, com bom curso. O diâmetro de giro em manobras apertadas é aceitável e a velocidade do efeito/retorno agrada. As cargas do sistema eletroassistido estão bem definidas para o uso urbano e em rodovias. A precisão na reta e em curvas é muito boa, assim como a qualidade dos pneus homologados. POSITIVO

ILUMINAÇÃO
Tem sensor crepuscular. O brake light está incorporado à tampa do porta-malas e tem fácil visualização. Há luzes de cortesia nos para-sóis, porta-malas e base inferior dos retrovisores externos. O farol tem construção com duplo refletor, é eficiente no baixo e no alto, mas não tem regulagem elétrica em altura em função da carga transportada. Os faróis auxiliares de neblina estão embutidos no para-choque, mas não têm lente plástica protetora contra pedras. No teto há plafonier na zona traseira, com duplo spot fixo integrado, ótima iluminação e uma lanterna bipartida/spots fixos zona anterior. No console central (porta-copos) e nas laterais do túnel central (zona anterior e posterior) existe a opção de iluminação com oito tonalidades de cores. O quadro de instrumentos (que tem várias informações do conjunto híbrido), console central e interruptores dos painéis de porta têm fácil leitura e identificação noturna. REGULAR

ESTEPE/MACACO

O estepe está instalado dentro do porta-malas, no assoalho. A roda é em aço e o pneu diferente dos de uso (145/80 R16), sendo o conjunto apenas para pequenos percursos a baixa velocidade, limitado a 80km/h, o que incomoda bastante numa viagem longa, em que o comportamento dinâmico do automóvel é completamente alterado, exigindo a reparação rápida do pneu furado. A roda/pneu de uso na medida 225/50 R17 ao ser colocada no local do estepe altera muito o nivelamento do porta-malas, que, se estiver lotado, gera incômodo. A operação de troca é normal e são cinco os prisioneiros fixos por cubo para melhor apoio e centragem da roda. REGULAR

LIMPADOR DO PARA-BRISA

Os esguichos são do tipo spray em V, com boa vazão, que atingem todo o para-brisa, facilitando bem a área de contato das palhetas e a de varredura, que é satisfatória, sem riscar o vidro. O reservatório de água instalado dentro do vão do motor tem fácil acesso e identificação. Tem sensor de chuva. POSITIVO

ALARME

A chave de ignição é codificada e tem proteção perimétrica das partes móveis, mas não tem a volumétrica contra invasão do habitáculo pela quebra dos vidros. REGULAR

VOLUME DO PORTA-MALAS

O declarado pela fábrica é de 405 litros e o encontrado na nossa medição foi de 350 litros.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

 

 


FICHA TÉCNICA
MOTORES

Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, gasolina, 2.488cm³ de cilindrada, que desenvolve 158cv de potência a 6.000rpm e torque máximo de 18,8kgfm a 2.250rpm

Elétrico, com potência de 107cv a 6.500rpm, torque de 22,9kgfm a 3.000rpm e bateria de tração de 275V

TRANSMISSÃO

Tração dianteira, câmbio automático CVT

DIREÇÃO

Pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

FREIOS
Discos nas quatro rodas, com ABS, EBD e frenagem regenerativa para recuperação de energia

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, tipo Short Long Arm (SLA) e barra estabilizadora; traseira, independente, tipo multilink, com barra estabilizadora/roda de liga leve/7,5 x 17 polegadas/225/50 R17

CAPACIDADES

Tanque, 66 litros; porta-malas, 405 litros; peso, 1.687 quilos; carga útil (passageiros e bagagem), 386kg

DIMENSÕES (A x B x C x D x E) (m) (*)
4,84 x 1,83 x 1,44 x 2,72 x 2,01

Desempenho (**)
Velocidade máxima, 180km/h (limitada eletronicamente); aceleração até 100 km/h, 9,1s

Consumo (**)
Cidade - 16,4km/l (g)
Estrada - 18,4km/l (g)

(*) A: comprimento; B: largura; C: altura; D: entre-eixos e E: medida de conforto (distância entre o pedal do freio e o encosto do banco traseiro)
(**) Dados dos fabricantes

EQUIPAMENTOS
DE SÉRIE
Conforto/conveniência
- Teto solar elétrico, abertura das portas por teclas, acendimento automático dos faróis, direção elétrica, retrovisores externos elétricos, aquecidos e com luz de aproximação, sistema Sync multimídia (CD Player/MP3, DVD Player, entradas para USB e iPod, Bluetooth, comandos de voz e jukebox com 10GB de memória) e 12 alto-falantes, banco do motorista com ajuste elétrico e 10 posições, câmera de ré, sensor de chuva, ar-condicionado elétrico, computador de bordo, vidros elétricos, volante com comandos do som e do controlador de velocidade (piloto automático), além de ajuste de altura
e distância.

Aparência - Rodas de liga leve aro 17 polegadas, maçanetas e retrovisores externos na cor da carroceria, logotipo Hybrid nas laterais e traseira, faróis com máscara negra, revestimento interno em couro e barra cromada na tampa traseira.

 

Rodas de liga se diferenciam das demais versões do Fusion - Rodas de liga se diferenciam das demais versões do Fusion
 


Segurança - Sete airbags, freios ABS, EBD (distribuição de frenagem), controle eletrônico de estabilidade AdvanceTrac, sensor de pressão dos pneus, chave configurável MyKey, sistema de monitoramento de pontos cegos e tráfego cruzado, faróis de neblina e sistema de segurança Personal Safety System.

OPCIONAIS
Não há.

NOTAS (0 A 10)
Desempenho 9
Espaço interno 8
Porta-malas 8
Suspensão/direção 9
Conforto/ergonomia 8
Itens de série/opcionais 9
Segurança 10
Estilo 9
Consumo 10
Tecnologia 10
Acabamento 9
Custo/benefício 8

QUANTO CUSTA

O Ford Fusion Hybrid é vendido no Brasil em versão única por R$ 133.900, com garantia de três anos para o carro e oito anos para a bateria.

 

 

Tags:

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação