Avaliação técnica do JAC J3 Turin 1.4

JAC J3 Turin mostra suas qualidades e defeitos em diferentes avaliações. Modelo chega no mercado nacional para agitar o concorrido segmento dos sedãs compactos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 13/04/2011 17:12 Enio Greco /Estado de Minas

AVALIAÇÃO TÉCNICA
ACABAMENTO DA CARROCERIA

As portas traseiras têm montagem razoável, mas as dianteiras estão desniveladas. A tampa do porta-malas está descentralizada e o capô apresenta boa montagem. A pintura tem bom acabamento final. As portas não têm friso protetor. Os faróis, lanternas, retrovisores, para-choques, pestanas, emblemas etc têm boa montagem. REGULAR

Clique aqui e leia a matéria principal do teste do JAC J3 Turin

VÃO DO MOTOR

Mesmo com isolamento acústico no capô e térmico/acústico no painel de fogo, o resultado da insonorização é ruim em relação ao habitáculo. O motor preenche bem o vão, mas o acesso à manutenção é apenas razoável. Os itens de verificação permanente têm fácil identificação e acesso. O capô é sustentado, quando aberto, por vareta manual e tem bom ângulo de abertura. REGULAR

ALTURA DO SOLO

Tem proteção parcial, com chapa plástica de resistência limitada para a zona frontal e lateral inferior do motopropulsor, e uma barra em aço estreita em toda a zona central.
Não foram reveladas interferências com o solo. POSITIVO

CLIMATIZAÇÃO

Por comando manual. São quatro as velocidades da caixa de ar e cinco as opções de direcionamento do fluxo. Os quatro difusores de ar do painel têm formato circular e as aletas giram 360 graus. Apresentou bom funcionamento e está bem vedado. O nível de ruídos de funcionamento na máxima velocidade é satisfatória. Não tem difusor de ar especifico para os passageiros de trás, nem regulagem de temperatura diferenciada para condutor e passageiro. POSITIVO



FREIOS

Estão mal desenvolvidas a capacidade do servo freio, relação de pedal e qualidade do composto de atrito das pastilhas com os discos. O pedal de freio tem pouquíssima sensibilidade e é necessário pressioná-lo mais forte para uma desaceleração usual mais eficiente. O ABS tem retardo de resposta e merecia uma calibração mais fina para ser mais atuante. O conjunto pastilhas/discos/pinças dianteiras apresentaram ruído metálico quando se trafega sobre pisos irregulares. NEGATIVO

CÂMBIO

A embreagem é macia, tem bom curso e progressividade. O trambulador é rumoroso e incomoda um pouco o seu funcionamento seco/metálico. A qualidade de engate é razoável, mas ocorrem algumas incertezas (precisão e maciez). A pega no pomo é boa e o curso da alavanca é razoável. As relações de marchas/diferencial para a curva do motor com arquitetura multi-válvulas (torque máximo em alta rotação 4.500rpm) e peso de 1.100 quilos em ordem de marcha desta versão são razoáveis. REGULAR

MOTOR

Para um motor de baixa cilindrada, tem arquitetura moderna, uma novidade no Brasil. Merece destaque o rendimento e curva (potência/torque X rpm) para a sua cilindrada com 1.332cm³. A rumorosidade de funcionamento é aceitável para um multiválvulas. Para o veículo ter uma dinâmica mais eficiente e ágil no uso misto (cidade/estrada) deve-se manter o giro mais elevado e trabalhar bem com o câmbio. No uso urbano, com quatro adultos, ar-condicionado ligado e trafegando numa topográfica bem irregular é apenas aceitável a sua dirigibilidade em algumas situações. Em rotação mais alta (a partir de 4.000rpm) e com o sistema VVT (comando variável) atuando na sua fase maior, nada fica a dever em performance para o motor 1.6. As retomadas de velocidade e aceleração são eficientes a partir de 3.500rpm pela massa do veículo e com ar-condicionado ligado. POSITIVO


VEDAÇÃO

Boa contra água e poeira. POSITIVO

NÍVEL DE RUÍDOS INTERNOS

O efeito aerodinâmico é evidente a partir de 100km/h e crescente com a velocidade. Ao trafegar sobre pisos irregulares surgem vários ruídos no habitáculo. NEGATIVO

SUSPENSÃO

O conforto de marcha apresenta pequeno ganho em relação ao hatch, filtrando um pouco melhor as imperfeições do solo. Mas mereciam uma melhor tropicalização para uso no Brasil, devido à qualidade limitada de várias rodovias e ruas. A definição da pressão dos pneus (32 libras 185/60 R15), quando roda apenas com condutor, poderia ser revista e teria ganhos em conforto, sem perda de handling. A estabilidade é boa no uso misto em geral, pela precisão no contorno de curvas variadas, sendo moderada a inclinação da carroceria. REGULAR

DIREÇÃO

A coluna de direção tem ajuste em altura, com bom curso. Os pneus têm pressão única com 32 lbs nas quatro, seja vazio ou carregado. O diâmetro de giro é bom em manobras, assim como a velocidade do efeito-retorno. A precisão na reta e em curvas é satisfatória e o conjunto apresentou baixo ruído em curvas sobre piso irregular. As cargas do sistema assistido estão bem elaboradas, com bom conforto e leveza no uso urbano/garagem, sendo firme e com boa sensibilidade em velocidade mais alta em rodovias. POSITIVO

ILUMINAÇÃO

Os faróis de neblina estão desregulados no foco. Tem luz de cortesia somente no porta-malas e luz de advertência na cor vermelha quando as portas dianteiras estão abertas, para chamar a atenção de quem está vindo atrás. Os faróis têm refletor único e contam com regulagem elétrica de altura em função da carga transportada. A sua eficiência é normal. No habitáculo tem uma lanterna integrada com dois spots fixos na zona anterior do teto. O quadro de instrumentos tem iluminação permanente, o mesmo não acontecendo com os interruptores elétricos instalados nos painéis das portas, mesmo com os faróis ligados. O sistema não tem sensor crepuscular. REGULAR



LIMPADOR DO PARA-BRISA

Não tem sensor de chuva. No para-brisa são quatro os esguichos que têm vazão e pressão aceitáveis, que quando acionados ativam o sistema de varredura com palhetas de boa qualidade, mas a do lado do condutor junto à coluna A deixa grande área sem limpar, prejudicando o campo de visão. O diâmetro do bocal do reservatório de água, instalado dentro do vão do motor, é pequeno, mas tem fácil identificação. REGULAR

ESTEPE/MACACO

O estepe está instalado dentro do porta-malas, no assoalho. É especifico para pequenos deslocamentos, com velocidade limitada. Essa solução não é prática nem funcional no Brasil, além de alterar o comportamento dinâmico do automóvel, ritmo da viagem e obriga o reparo rápido, nem sempre possível. O kit de troca está alojado ao lado do estepe, dentro de bolsa carpetada. Os cubos de roda estão equipados com quatro prisioneiros fixos, o que facilita muito a troca, principalmente à noite. Os pneus de uso têm medida 185/60 R15 e o estepe T135/ 70 R16. REGULAR

ALARME

A chave de ignição é codificada e tem as teclas de abrir e fechar as portas (trava elétrica) inseridas na mesma. Não tem proteção perimétrica das partes móveis contra abertura forçada, nem a volumétrica dentro do habitáculo contra invasão por meio da quebra dos vidros. Os vidros não sobem automaticamente ao dar comando para travar as portas. Somente a porta do condutor tem abertura do vidro por um toque, não tendo o de fechamento e sistema antiesmagamento. REGULAR

VOLUME DO PORTA-MALAS

O declarado pela fábrica é de 490 litros e o encontrado foi de 370 litros, com o banco traseiro na posição normal, triângulo dentro do porta-malas e prejudicado pela curvatura do mecanismo que sustenta a tampa que invade as laterais do vão.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan


Tags:

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação