Novo Uno Vivace 1.0 2 portas - Um barato menos prático

Opção de duas portas custa R$ 1,6 mil a menos e pode ser uma alternativa para quem está com o dinheiro contado. Mas a perda em praticidade incomoda em várias situações

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/05/2011 19:07 / atualizado em 28/05/2011 22:23 Eduardo Aquino /Estado de Minas

  O novo Uno foi desenvolvido para tentar repetir o sucesso do Uno Mille, que, mesmo com o peso dos anos, ainda figura entre os mais vendidos no mercado brasileiro. Faltava apenas o modelo com duas portas a menos, que representa uma boa diferença de preço para quem compra um veículo dessa categoria. Mas, quando o motorista vai levar os filhos à escola ou dar uma carona para os pais ou para os amigos, descobre que não ter portas traseiras causa alguns transtornos no dia a dia. Além disso, a diferença de peso é muito pequena para representar um ganho em economia de combustível e desempenho.

 

A diferença entre sair e entrar

Para seguir o rastro do Mille, opção de duas portas é vendida em todas as versões do Uno, da Vivace à Sporting, com as mesmas listas de equipamentos de série e opcionais.

 

Confira a galeria completa de fotos do novo Uno Vivace 1.0 2 portas!

 

O novo Uno tem visual que, mesmo diante da abundância de unidades já circulando por ruas, avenidas e estradas brasileiras (desde o seu lançamento, em maio do ano passado, até fevereiro deste ano, já foram vendidas 120 mil), ainda impressiona pela modernidade de suas linhas. A filosofia de design do quadrado arredondado, que predomina por dentro e por fora; as soluções de construção, que representam um marco para a própria marca italiana; e a vivacidade das cores, que surgem para tentar quebrar a monotonia do cinza e preto, deixam o carro em sintonia com o mundo atual, no real e no virtual. A opção de duas portas serviu para tentar pegar também pelo bolso, pois as diferenças variam de R$ 1.650 a R$ 1.830, dependendo da versão.

FAZ FALTA Tudo bem, a redução de preço é significativa para quem compra um carro dessa categoria, e a diferença pode se transformar em financiamento menor, pagamento do prêmio total de um seguro, do IPVA ou mesmo a aquisição de um acessório ou equipamento de segurança. Mas não existe mágica. A opção de duas portas pode ser mais barata, mas é pouco prática para quem tem que levar crianças na escola ou dar carona para pais, amigos etc. A tarefa de entrar e sair do banco traseiro é bem mais penosa (principalmente para pessoas idosas) e demorada (na porta da escola, essa operação muitas vezes tem que ser rápida) do que no modelo de quatro portas, mesmo com o banco dianteiro (que tem memória mecânica de regulagem longitudinal, mas não do encosto) deslizando bem à frente.

DIFERENÇA Outro problema desse Uno, e que geralmente é comum aos modelos de duas portas, é o contorcionismo que o motorista e passageiro da frente têm que fazer para colocar o cinto de segurança, já que a coluna B, onde o cinto está ancorado, foi deslocada para trás. Duas portas a menos não fizeram muita diferença no peso do carro (no caso da Vivace 1.0, a perda foi de apenas 11 quilos) e, por isso, a redução do consumo e a melhoria do desempenho não foram significativos: a Fiat divulga os mesmos dados para as duas opções. O motor 1.0 é bem econômico, mas tem pouco fôlego. Mesmo sem ar-condicionado (item que não estava presente na unidade avaliada) e com apenas dois adultos, o desempenho foi apenas razoável e está longe de ser uma referência entre os 1.0. Também contribui para essa falta de “ânimo” o “buraco” (queda de rotação) entre a primeira e a segunda marcha. Os engates também poderiam ser mais precisos. Suspensão equilibra bem conforto e estabilidade.

ESPAÇO Embora não seja tão eficiente quanto o Mille, o Uno tem um amplo espaço interno, transportando dois adultos e uma criança sem muito aperto no banco traseiro. O porta-malas tem capacidade compatível com um hatch compacto, mas falta iluminação e lugar para fixar o triângulo, que fica solto e, algumas vezes, faz barulho quando o carro roda sobre piso irregular. O banco traseiro rebate integralmente, e sobe a capacidade para 690 litros. Tecido de revestimento dos bancos e painéis de porta é de toque agradável e adequado a um país de clima tropical. Não é difícil encontrar uma boa posição de dirigir. A visibilidade é boa em todas as direções, ajudada pelo bom tamanho dos retrovisores externos. O volante tem boa pega e a buzina é fácil de ser acionada.

COMBINAÇÕES O grande barato do Uno, principalmente para o público jovem, é a enorme possibilidade de variações de acabamentos internos e externos, incluindo moldura do painel de instrumentos, adesivos e apliques externos, capa de retrovisores e faixas decorativas. São possibilidades de personalização relativamente baratas. O modelo ganhou econômetro, que tem aquele reloginho de pão-duro no painel para ajudar na economia de combustível. Mas, diferentemente do Mille e do Palio, o ponteiro não fica na faixa branca quando o câmbio está em neutro. Ele simplesmente se esconde. Os marcadores de temperatura do motor e do nível de combustível são digitais e confusos. Os comandos dos vidros estão mal posicionados no painel central. Falta cuidado com o acabamento. As capas que cobrem as ancoragens dos cintos dianteiros já se soltaram e os cintos de segurança laterais traseiros retráteis não são itens de série.
Assim como na versão de quatro portas, o proprietário pode personalizar o carro de várias maneiras - Assim como na versão de quatro portas, o proprietário pode personalizar o carro de várias maneiras


VEREDICTO Se você é solteiro e roda, na maioria das vezes, sozinho ou apenas com a namorada, o Uno de duas portas é uma boa opção, pois vai fazer uma economia razoável. Agora, se você tem filhos e os leva todo o dia para a escola ou precisa transportar sempre pessoas idosas no banco de trás, faça um esforço e compre o de quatro portas.

 

Um moderninho passado a limpo

Conheça detalhes do Uno duas portas e saiba como o carro se saiu em nossos testes e frente aos concorrentes

 

AVALIAÇÃO TÉCNICA

ACABAMENTO DA CARROCERIA

Qualidade final da pintura não é boa, devido a vários pontos com imperfeições. As duas portas apresentam pontos com desnivelamento entre a carroceria, além de folga fixa diferenciada entre os dois lados, em relação aos para-lamas dianteiros. O capô tem boa montagem, mas a tampa traseira está descentralizada e desalinhada. Os adesivos nas portas e tampa traseira têm boa aplicação. O campo de visão dos retrovisores é ótimo. REGULAR

VÃO DO MOTOR
Existe isolante acústico somente em parte do painel de fogo, com resultado aceitável em relação ao habitáculo para o seu segmento de mercado. A sistematização dos vários componentes está bem feita, tem um aspecto organizado e os itens de verificação permanente têm fácil identificação e manuseio. Quando aberto, o capô é sustentado por vareta manual e tem bom ângulo de abertura. O acesso à manutenção em geral é bom. BOM

ALTURA DO SOLO
Não tem, de série, chapa em aço para toda a zona inferior do motopropulsor. Não
ocorreram interferências com o solo no nosso percurso misto
de provas. BOM

CLIMATIZAÇÃO
O veículo em prova não estava dotado opcionalmente de ar-condicionado. São três as velocidades da caixa de ar, com cinco opções de direcionamento do fluxo, com temperatura ambiente ou quente. Os quatro difusores de ar do painel tem formato circular, giram 360º e apresentaram boa vazão e angulação das aletas direcionais. BOM

FREIOS
Estão bem dimensionados e calibrados, mas não têm ABS de série. O pedal de freio tem boa relação e sensibilidade. Apresentaram reações equilibradas e o freio de estacionamento atuou normalmente. Foi boa a
resistência térmica, depois de uso mais severo em longa descida sinuosa. BOM

CÂMBIO
Tem cinco marchas à frente, com inibidor de marcha a ré. O trambulador tem nível de ruídos de funcionamento razoável e o curso da alavanca é longo. A pega no pomo é aceitável, mas poderia ser mais anatômica. As relações de marchas/diferencial atendem razoavelmente numa dirigibilidade usual na cidade e em rodovias para esta motorização (1.0), mas as trocas são constantes quando o carro está carregado. A embreagem é macia e tem boa progressividade. A qualidade de engate apresentou falta de maciez e precisão em varias situações, inclusive em marcha à ré em regime de marcha-lenta, e nas trocas rápidas, crescentes e decrescentes. REGULAR

MOTOR
A performance é razoável para a cilindrada e peso do veículo, mas, quando o carro está carregado (não tem ar-condicionado) e trafegando numa topografia irregular como BH ou algumas rodovias, é apenas aceitável o seu rendimento. Este novo motor tem boa curva de torque e potência, mas as rotações correspondentes são pouco práticas no uso misto. As retomadas de velocidade e aceleração são discretas e o torque máximo para um 1.0 8V atua numa rotação muito alta (3.850rpm), obrigando o condutor a manter o giro elevado e trabalhar bem com o câmbio para obter uma dinâmica satisfatória e segura. Isso também ocorre devido à potência máxima (75vc álcool) estar a 6.250rpm, uma rotação pouquíssima atingida numa dirigibilidade usual e dentro da lei em 3ª, 4ª e 5ª marcha. O quadro de instrumentos não tem conta-giros, para informar o condutor da faixa de torque máximo. A velocidade máxima do veículo é atingida somente em 4ª marcha, quando o carro trafega sobre uma reta plana. REGULAR


VEDAÇÃO
Boa contra água e poeira. BOM

NÍVEL INTERNO DE RUÍDOS
O habitáculo não é silencioso quando se trafega sobre piso de terra, asfalto ruim e paralelepípedo. O efeito aerodinâmico é notório e crescente a partir de 100km/h, chegando a incomodar em alta velocidade, mesmo sendo favorecido pelo fato de ter somente duas portas. RUIM

SUSPENSÃO
O conforto de marcha é aceitável, mas merecia melhor acerto para um hatch leve (peso de 884 quilos em ordem de marcha) com motor de baixa potência, devido ao nível das transferências das imperfeições do solo para dentro, quando o carro roda sobre piso irregular usual, mesmo sendo equipado com pneus da série 65 (calibrados com a pressão de 28 libras) e quando trafega com somente o condutor. A estabilidade é boa, com ótima velocidade e precisão em curvas de raios variados, com uma inclinação aceitável da carroceria. REGULAR

DIREÇÃO
Coluna de direção tem ajuste angular em altura (com bom curso) e o volante, boa pega. O diâmetro de giro de 9,8 metros é muito bom e a velocidade do efeito-retorno, agrada. As suas reações são sinceras, com ótima leveza e conforto (assistência hidráulica) no uso urbano. Em rodovias, tem boa sensibilidade e firmeza. A precisão na reta e em curvas é satisfatória, com boa rapidez de resposta e reações uniformes. Conjunto apresentou baixo nível de ruídos em curvas sobre piso irregular. BOM 



ILUMINAÇÃO
Os faróis de refletor único apresentaram eficiência normal no baixo e no alto. Existe auxilio de faróis de neblina, embutidos no para-choque. Não há regulagem elétrica de altura em função da carga transportada, entretanto é fácil a alteração do facho, por meio de chaveta atrás do corpo dos faróis. Não tem nenhuma luz de cortesia. Na zona do teto, há uma lanterna simples junto ao retrovisor, com resultado razoável em iluminação. O quadro de instrumentos tem fácil leitura noturna. BOM

LIMPADOR DO PARA-BRISA
Os esguichos no para-brisa são seis e, quando acionados, ativam automaticamente o sistema de varredura, feitas por palhetas de boa qualidade que limpam uma boa área. No vidro traseiro, o sistema também é eficiente (com esguicho único de cima para baixo) e tem boa vazão. O reservatório de água instalado dentro do vão do motor tem fácil identificação e manuseio. BOM

ESTEPE/MACACO
O aro do estepe é em aço, mas o pneu é igual aos de uso. O kit de troca está encaixado abaixo do aro, no fundo do assoalho, dentro do porta-malas. A operação de troca é normal. BOM

ALARME
A chave de ignição é codificada, mas os símbolos de travar e destravar as portas estão invertidos, em função da extremidade da chave no uso e pega usuais, e eventualmente ocorre acionamento involuntário da função travar/destravar ao ligar/desligar o motor. O veículo em prova estava dotado opcionalmente de proteção perimétrica das partes móveis e volumétrica, dentro do habitáculo. A porta do condutor tem função de abertura e fechamento por um toque, mas não tem sistema antiesmagamento. REGULAR

VOLUME DO PORTA-MALAS
O declarado é de 290 litros, mas o encontrado foi de 250 litros, com a tampa do bagagito fechada, banco traseiro na posição normal e triângulo de segurança dentro do vão de carga.

(*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

FICHA TÉCNICA

MOTOR
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 999,1cm³ de cilindrada, oito válvulas por cilindro, que desenvolve potências de 73cv (gasolina) e de 75cv (etanol) a 6.250rpm e torques de 9,5kgfm (gasolina) e de 9,9kgfm (etanol) a 3.850rpm

TRANSMISSÃO
Tração dianteira, com câmbio manual de cinco marchas

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, do tipo McPherson, com braços oscilantes inferiores transversais; e traseira, com eixo de torção e rodas semiindependentes / 5,5 J x 14, em liga leve (opcionais) / 175/65 R14


DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cemalheira, com assistência hidráulica (opcional)

FREIOS
Discos ventilados na dianteira e tambor na traseira


CAPACIDADES
Tanque, 48 litros; de carga (passageiros e bagagem), 400 quilos


NOTAS (0 A 10)
Desempenho 6
Espaço interno 7
Suspensão/direção 7
Conforto/ergonomia 7
Itens de série/opcionais 8
Segurança 7
Estilo 8
Consumo 9
Tecnologia 8
Acabamento 7
Custo/benefício 8



EQUIPAMENTOS


DE SÉRIE

Conforto/conveniência – Alerta de manutenção programada, console com porta-copos, econômetro, espelho no para-sol do passageiro, ganchos de fixação de carga no porta-malas, luz de leitura dianteira, relógio digital e vidros climatizados verdes.

Segurança – Terceira luz de freio, Fiat Code segunda geração e válvula antirrefluxo de combustível.

Aparência –
Assoalho em carpete, bancos revestidos em tecido, calotas integrais, maçanetas, retrovisores e para-choques na cor da carroceria, painel de instrumentos na cor cinza, quadro de instrumentos com iluminação branca, revestimento interno das colunas centrais e traseiras e revestimento completo do porta-malas.


OPCIONAIS

 

Ar-condicionado, desembaçador com ar quente, direção hidráulica, airbag duplo, freios ABS, para-brisa térmico, predisposição para rádio, rádio CD Player com MP3 e WMA, rodas em liga leve de 14 polegadas, coluna de direção com regulagem de altura, apoio de cabeça central traseiro rebaixado, banco do motorista com regulagem de altura, porta-objeto (copinho) móvel, bancos e painéis das portas revestidos em veludo, volante revestido em couro, vidros com comando elétrico do tipo “um toque”, pneus (175/65 R14) de baixa resistência ao rolamento, para-brisa degradê, faróis de neblina, desembaçador do vidro traseiro, cintos laterais traseiros retráteis, comandos internos de abertura do porta-malas e portinhola para acesso ao bocal de abastecimento, porta-óculos e kits de personalização.

 

 

 

Tags:

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação