Teste

Fox Bluemotion 1.6 - Nas contas da raposa

Volkswagen cria versão ambientalmente mais correta do hatch, que custa um pouco mais caro, mas promete redução maior no consumo. Retorno depende do estilo do motorista

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 23/06/2012 12:02 Eduardo Aquino /Estado de Minas

Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press
 

 

Assim como fez com o Polo, em abril de 2009, e com o Gol, em abril de 2010, a Volkswagen resolveu também desenvolver uma versão com apelo mais ecológico para o Fox. No caso do hatch compacto, o preço é apenas 3% mais alto (R$ 1.153) e o consumo (segundo dados do fabricante) é cerca de 10% menor em relação à versão normal. Será que vale a pena? Se o consumidor quiser saber a resposta, levando em conta apenas a questão ambiental, ou seja, a redução das emissões de poluentes, fica fácil dizer que sim. Mas, se ele quiser saber se o preço mais alto compensa a redução no consumo de combustível, a resposta é bem mais complicada, pois inclui principalmente fatores como a maneira de dirigir e a quantidade de quilômetros rodados por dia, pois a diferença é amortizada mais rapidamente para quem roda muito.

O azul que fica verde

O pacote BlueMotion inclui pneus com baixa resistência ao rolamento e mais pressão, amortecedores recalibrados e pequena alteração do gerenciamento da injeção do motor

Com as mudanças, a VW conseguiu reduzir o coeficiente aerodinâmico (Cx) do Fox de 0,35 para 0,33 e a área frontal de 2,17m² para 2,16m² - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press Com as mudanças, a VW conseguiu reduzir o coeficiente aerodinâmico (Cx) do Fox de 0,35 para 0,33 e a área frontal de 2,17m² para 2,16m²

 

Para criar uma opção ambientalmente mais correta, os engenheiros da Volkswagen atacaram em diversas frentes. Começando por fora, eles trabalharam na questão aerodinâmica, ou seja, para diminuir a resistência ao ar: nova grade frontal (a de cima é mais fechada, com apenas uma barra horizontal, que leva o nome BlueMotion; e a de baixo tem novo formato nas laterais), que exigiu um novo radiador; e calotas com desenho que diminuíram a turbulência de ar nas rodas. Com isso, o coeficiente de arrasto aerodinâmico (Cx) foi reduzido de 0,35 para 0,33 e a área frontal diminuiu de 2,17m² para 2,16m².

MAIS CHEIOS Outra mudança externa são os pneus, considerados “verdes”, pois têm baixa resistência ao rolamento (nas contas da VW, 23% menos em relação aos convencionais), devido à maior quantidade de sílica em sua composição e ao aumento da pressão (de 29/28 PSI para 36/34 PSI no conjunto dianteiro/traseiro). Para evitar que isso afetasse o conforto, a Volkswagen foi obrigada a mexer na suspensão, ou melhor, recalibrar os amortecedores. Na prática, a alteração ajudou a reduzir a transferência das imperfeições do piso para o habitáculo, mas elas ainda incomodam quando o carro roda sobre asfalto irregular. Mas o silêncio e o conforto quando o BlueMotion pega uma estrada de asfalto mais liso impressionam. Também chama a atenção a boa estabilidade, mesmo nas curvas mais fechadas e de piso ondulado.

Os pneus Os pneus "verdes" são calibrados com pressão máxima


ALONGADAS A alteração feita no motor 1.6 flex, segundo a VW, se limita a uma nova calibração do sistema de gerenciamento eletrônico, que não gerou qualquer aumento de potência (101cv com gasolina e 104cv com etanol) ou torque (15,4kgfm com gasolina e 15,6kgfm com etanol) e foi feita em função da mudança no câmbio, que teve as relações de marcha alongadas. O motor trabalha em rotações mais baixas, para rodar na mesma velocidade que a versão normal rodaria, o que resulta na redução do consumo de combustível e, consequentemente, na emissão de poluentes. Na prática, o motor continua com um fôlego razoável e o câmbio não apresentou “buraco” (queda de rotação) entre as marchas e prima pelos engates precisos e macios. O Fox BlueMotion é um carro gostoso de dirigir tanto na estrada quanto no trânsito urbano.


O Fox tem boa quantidade de porta-trecos e bandeja sob o banco - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press O Fox tem boa quantidade de porta-trecos e bandeja sob o banco


APETITE Quanto ao consumo, rodando sem pressa, o computador de bordo registrou 8,5km/l na cidade (com algumas subidas) e 13,7km/l na estrada (de pista dupla e com poucos morros), com gasolina, três adultos e ar-condicionado ligado. É claro que isso vai depender muito da forma de dirigir do motorista e das condições de trânsito. Mas uma coisa é certa: o BlueMotion é um Fox que compensa mais para quem roda muito, pois, nesse caso, a diferença de preço se paga mais rápido. Para quem gosta de vigiar os gastos, essa versão tem no painel (no computador de bordo) um indicador digital de consumo instantâneo por meio de uma barra gráfica e outro que informa a marcha ideal a ser engatada (por meio de números e setas). O problema é o fato de essa atitude desviar a atenção do motorista do trânsito, o que é muito perigoso.


Passageiro que senta no meio não tem nem apoio de cabeça nem cinto de três pontos - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press Passageiro que senta no meio não tem nem apoio de cabeça nem cinto de três pontos


POR DENTRO Além da grade dianteira e da tampa traseira, o nome BlueMotion aparece também nas soleiras das portas dianteiras. O interior mistura a cor preta com tons de cinza escuro e detalhes em plástico imitando metal no volante, maçanetas das portas, molduras das saídas de ar, base da alavanca de marchas e comandos do som e ar-condicionado. Os bancos, que prendem bem o corpo, são revestidos em tecido de toque agradável e compatível com o nosso clima tropical. Os dianteiros têm regulagem por meio de botões giratórios, que é mais prática. A opção “ecológica” está disponível nas carrocerias duas e quatro portas e vem de fábrica com uma lista bem reduzida de equipamentos de segurança e conforto, com destaque para direção hidráulica, computador de bordo e preparação para som.

A capacidade do porta-malas pode ser ampliada com o banco traseiro deslizante - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press A capacidade do porta-malas pode ser ampliada com o banco traseiro deslizante


AVALIAÇÃO TÉCNICA
ACABAMENTO DA CARROCERIA

A qualidade da pintura é boa. A montagem das partes móveis é satisfatória. Os vários componentes externos (para-choques, faróis, lanternas, frisos das portas, pestanas dos vidros etc.) têm boa montagem. POSITIVO

 

Na traseira, destaque para o defletor de ar no teto e os refletores posicionados no para-choque - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press Na traseira, destaque para o defletor de ar no teto e os refletores posicionados no para-choque
 

 

VÃO DO MOTOR
Existe isolamento acústico somente no painel de fogo e o resultado, em relação ao habitáculo, é razoável com o motor em alta rotação. A sistematização dos vários componentes é racional e o acesso aos itens de manutenção é bom. Quando aberto, o capô é sustentado por vareta manual. POSITIVO

ALTURA DO SOLO
Modelo não tem (de série) chapa em aço protetora para a zona inferior do conjunto motopropulsor. Não ocorreram interferências com o solo no percurso misto de provas numa utilização normal. POSITIVO

CLIMATIZAÇÃO
Sistema tem comando manual. A vazão de ar é boa e o nível de ruídos de funcionamento, aceitável, mesmo na velocidade máxima. Não ocorreu entrada de gases/fumaça vindos de fora quando está vedada a troca de ar. POSITIVO

FREIOS
Apresentaram bom comportamento dinâmico no uso misto. O pedal de freio tem boa sensibilidade e o ABS mostrou-se eficiente. As suas reações são homogêneas nos dois eixos e a desaceleração, balanceada sobre piso seco e molhado. O freio de estacionamento atuou normalmente. POSITIVO

CÂMBIO
As relações de marchas/diferencial estão bem definidas, proporcionando boa dinâmica no trânsito urbano e em rodovias. A qualidade de engate é ótima em precisão, maciez, curso e posição da alavanca e pega no pomo. O quadro de instrumentos tem discreto display sugerindo a marcha a ser engatada, porém a sugestão não condiz na maioria das vezes com a situação de marcha e topografia, além de distrair o condutor na consulta constante. REGULAR

MOTOR

O sistema Total Flex funcionou bem, com boa partida a frio usando somente etanol no tanque. Mesmo com o motor pouco aquecido, a marcha lenta foi linear e a aceleração, progressiva. Levando em conta a cilindrada e a massa do veículo, a performance agrada bem no uso urbano e em rodovias. A aceleração e retomadas de velocidade são satisfatórias. A curva deste motor, que tem bom torque máximo em baixa rotação (15,6kgfm a 2.500rpm), ajuda bastante na condução urbana e em rodovias com velocidade limitada. POSITIVO

VEDAÇÃO

Boa contra água. POSITIVO

NÍVEL INTERNO DE RUÍDO
O efeito aerodinâmico inicia-se a 100km/h e é crescente com a velocidade. Ao trafegar sobre piso de calçamento, terra com costelas e asfalto malconservado surgem vários pequenos ruídos no habitáculo, principalmente no painel. NEGATIVO

SUSPENSÃO
É um automóvel estável, que contorna com excelente precisão e mínima inclinação da carroceria curvas de raios variados, mesmo em velocidade elevada. O conforto de marcha é limitado, mas com nível aceitável de transferência das imperfeições do solo para dentro. A definição da pressão dos pneus especiais (com 36 libras na dianteira e 34 na traseira), visando a um menor consumo de combustível, mesmo sendo da série 70, contribui para o desconforto. REGULAR

DIREÇÃO
A coluna de direção não tem ajuste manual em altura e distância. A assistência hidráulica tem ótima calibragem e o sistema apresenta reações com excelente resposta e sensibilidade. O diâmetro de giro é bom, assim como a velocidade do efeito-retorno. Em curvas sobre piso irregular de terra e paralelepípedo, o conjunto apresentou baixo nível de ruídos. A precisão na reta e em curvas é muito boa. POSITIVO

ILUMINAÇÃO
Tem luz de cortesia nos para-sóis, porta-malas e porta-luvas. O grupo óptico dianteiro tem duplo refletor e apresentou boa eficiência no baixo e no alto, além de contar com o auxílio de faróis de neblina (embutidos no para-choque), porém falta regulagem elétrica de altura em função da carga transportada. O quadro de instrumentos, console central e interruptores dos painéis de porta têm fácil identificação noturna. Na zona anterior do teto há um pequeno plafonier com lanterna, com duplo spot fixo integrado, e lanternas nas laterais traseiras do teto para os passageiros de trás, com resultado satisfatório em iluminação. O sistema tem sensor crepuscular. REGULAR

LIMPADOR DO PARA-BRISA
Os esguichos são do tipo spray em V, com boa vazão e abertura de água, e atingem todo o para-brisa. As palhetas têm boa qualidade e varrem uma ampla área. No vidro traseiro, o sistema também é eficiente. Conjunto tem sensor de chuva. POSITIVO

ESTEPE/MACACO
O estepe tem a roda e o pneu iguais aos de uso e está instalado na bunha do assoalho, dentro do porta-malas. O kit de trocas está encaixado dentro do aro. A operação de troca é normal. Os pontos de apoio do macaco estão indicados nas soleiras. As calotas integrais são fixadas pelos parafusos de roda, mas na troca é necessário retirar as tampas plásticas de acabamento com grampo que vem no kit. POSITIVO

ALARME
A chave de ignição é codificada e tem proteção perimétrica das partes móveis contra abertura forçada; e também a volumétrica dentro do habitáculo, contra invasão pela quebra dos vidros. Ao dar comando para travar as portas, por meio de controle remoto inserido na própria chave, os vidros sobem automaticamente. O sistema antiesmagamento funcionou bem. POSITIVO

VOLUME DO PORTA-MALAS
O declarado pela fábrica é de 260 litros, o mesmo encontrado com o banco traseiro na posição normal e a tampa do bagagito fechada.

(*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

PALAVRA DE ESPECIALISTA
Projeto prático e funcional

DANIEL RIBEIRO FILHO
ENGENHEIRO

Este compacto com motor 1.6 é um automóvel que satisfaz plenamente no uso misto. Levando em conta a cilindrada, tem a agilidade certa no trânsito urbano pesado e uma boa dinâmica em rodovias variadas. O espaço interno (habitabilidade) é bom, o acabamento razoável e o volume do porta-malas condizente com as medidas da carroceria. Destaque para o conjunto mecânico, que une o confiável e durável motor 1.6 (um dos melhores do país) a um ótimo câmbio (relações de marchas/ diferencial e qualidade de engate) e proporciona uma prazerosa dirigibilidade. Os conjuntos de suspensão, freios e direção também têm acerto e calibragem bem definidos. Quanto à proposta da versão BlueMotion – de menor gasto de combustível –, é bem-vinda, mas pouco sentida devido à topografia e fluidez do trânsito de Belo Horizonte e rodovias vizinhas.

No painel, computador de bordo tem indicador de consumo instantâneo - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press No painel, computador de bordo tem indicador de consumo instantâneo


FICHA TÉCNICA
MOTOR

Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 1.598cm³ de cilindrada, oito válvulas, que desenvolve potências máximas de 101cv (gasolina) e 104cv (etanol) a 5.250rpm e torques máximos de 15,4kgfm (gasolina) e 15,6kgfm (etanol)

TRANSMISSÃO
Tração dianteira, com câmbio manual de cinco velocidades

DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência hidráulica

FREIOS
A disco na dianteira e tambor na traseira, com sistema ABS (opcional)

SUSPENSÕES/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, do tipo McPherson, com braços triangulares transversais e barra estabilizadora; e traseira, interdependente, com braços longitudinais / 5J x 14 polegadas, em aço / 175/70 R14

CAPACIDADES
Do tanque, 50 litros; e de carga (ocupantes e bagagem), 440 quilos

EQUIPAMENTOS
DE SÉRIE

Conforto/conveniência – Banco do motorista com regulagem de altura, direção hidráulica, gaveta sob o banco do motorista, chave canivete com controle remoto, indicador de consumo instantâneo de combustível, indicador de troca de marcha, preparação para som e computador de bordo.

Aparência – Grade do radiador na cor do veículo, antena no teto, frisos, maçanetas e retrovisores na cor do veículo e palhetas do limpador de para-brisa tipo “Aerowisher”.

Segurança – Alarme antifurto.

OPCIONAIS
Airbag duplo, freios ABS, volante multifuncional com controle de áudio, I-System, CD Player com MP3, Bluetooth e entradas SD Card e USB com interface para iPod, banco traseiro corrediço, três apoios de cabeça no banco traseiro, ar-condicionado, comando elétrico dos vidros, retrovisores e travas, rede porta-objetos no porta-malas, alarme do tipo Keyless, faróis e lanterna de neblina, sensores de chuva e crepuscular e sensor de estacionamento traseiro.


Motor 1.6 recebeu mudanças no gerenciamento eletrônico da injeção - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press Motor 1.6 recebeu mudanças no gerenciamento eletrônico da injeção


Notas (0 a 10)
Desempenho 9
Espaço interno 8
Suspensão/direção 8
Conforto/ergonomia 7
Itens de série/opcionais 6
Segurança 6
Estilo 8
Consumo 9
Tecnologia 8
Acabamento 8
Custo/benefício 7

Quanto custa
O VW Fox BlueMotion tem preços sugeridos de R$ 34.159 (duas portas) e R$ 35.619 (quatro portas). Completos, com todos os opcionais, os preços sobem para R$ 42.670 e R$ 44.400, respectivamente.

Tags:

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação