Ford EcoSport Freestyle 1.6 - Jipinho vira crossover

Segunda geração do utilitário-esportivo da Ford, que inaugurou o segmento no país, tem mais tecnologia e estilo diferente. Acabamento deveria ser melhor e porta-malas, maior

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/10/2012 14:18 / atualizado em 06/10/2012 14:47 Paulo Eduardo /Estado de Minas

Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A PRESS
A nova geração do utilitário-compacto impressiona pelas linhas recortadas da carroceria que parecem inspiradas no estilo coreano. O motor Rocam 1.6 de oito válvulas dá lugar ao Sigma de mesma cilindrada e cabeçote multiválvulas. O espaço interno melhorou, mas fica longe do concorrente direto, e o estepe continua pendurado na tampa do porta-malas, que ficou mais prática para abrir. O comportamento dinâmico em piso irregular continua assustando. Por isso, está equipado com controles de estabilidade e de tração de série.

 

Clique aqui e veja mais fotos do novo Ford EcosSport Freestyle 1.6!

 

Projeto novo, problemas antigos
O visual mudou radicalmente, mas alguns dilemas persistem na nova geração do EcoSport.Se o espaço no habitáculo é apenas suficiente, o motor Sigma é melhor do que o Rocam.

 

O EcoSport é um dos maiores casos de sucesso no mercado nacional ao inaugurar segmento no país. O modelo foi lançado em 2003 e conquistou legião de adeptos que não tinha poder aquisitivo para adquirir os grandalhões importados. O estilo caiu fácil nas graças dos consumidores com a posição elevada de dirigir e o estepe pendurado na tampa traseira. Na segunda geração, lançada este ano, o utilitário perdeu o jeito de jipe e as novas linhas estão mais para crossover. Apesar disso, o estepe continua pendurado na tampa do porta-malas por exigência da clientela brasileira. Até o designer do modelo não queria o pneu reserva naquele local, mas teve que se curvar aos anseios dos brasileiros. O novo Eco foi apresentado no Salão de Nova Délhi, na Índia, e será vendido em mais de 100 países.

ESTILO As linhas da carroceria vão agradar à maioria, apesar da inspiração no estilo coreano com muitos recortes. Além disso, há o tradicional bocão – entradada de ar frontal enorme –,  frente alta e faróis espichados e pequenos. A traseira ficou melhor mesmo com o estepe pendurado. Por dentro, permanecem os revestimentos em plásticos duros e estilo moderno. O painel e entradas de ar seguem o novo estilo Ford quase idêntico ao do New Fiesta.

O espaço interno continua apertado, apesar do aumento da distância entre-eixos – um dos fatores determinantes do espaço no habitáculo – em poucos centímetros. A novidade é o encosto do banco traseiro com regulagem de inclinação em quatro estágios. Há três apoios de cabeça e três cintos de três pontos para todos atrás.



TECNOLOGIA O sistema multimídia Sync com tela de três polegadas está disponível em todas as versões e permite controlar diversas funções por comando de voz, como atender e fazer chamadas no celular e esmiuçar o som, além de entradas USB e tomada de 12 volts. A direção tem assistência elétrica e há o assistente de parada em rampa que segura o carro por três segundos depois que se tira o pé do freio para arrancar em subida. Além disso, há controles eletrônicos de estabilidade e tração.
Painel moderno no estilo atual da Ford, mas acabamento interno não evoluiu tanto - Painel moderno no estilo atual da Ford, mas acabamento interno não evoluiu tanto


DINÂMICA Mesmo com toda a parafernália eletrônica, o EcoSport continua pregando sustos em superfícies irregulares. O carro desgarra fácil e desvia a trajetória, com inclinação razoável da carroceria. É desaconselhável abusar nas curvas. Porém, a direção elétrica está muito bem calibrada e é leve em manobras. Para abrir a tampa pesada do porta-malas, basta apertar comando na lateral. É fácil e prático. Incomodam também os faróis de pouco alcance e iluminação ruim. Coisa rara atualmente.

O motor Sigma não é brilhante, mas dá conta do recado. O consumo com etanol varia de 5km/l a 6km/l na cidade e de 10km/l a 11km/l na estrada na velocidade permitida.


AVALIAÇÃO TÉCNICA
Acabamento da carroceria

As quatro portas têm vários pontos com acentuado desnivelamento em relação à carroceria. O capô está descentralizado, tem imperfeições no preparo da chapa e a folga fixa em relação ao contorno dos faróis é bem desigual. A tampa traseira está bem descentralizada e desnivelada em relação à carroceria/lanterna. A tampa que dá acesso ao reservatório de combustível está desalinhada. A montagem dos faróis, lanternas, barras longitudinais do teto, para-choques, pestanas dos vidros, proteção das soleiras e retrovisores está razoável. A pintura tem bom acabamento. REGULAR

Vão do motor

O ângulo de abertura do capô é limitado e o destacado suporte da trava central invade a área de acesso e a cabeça pode esbarrar nele. O acesso à manutenção é razoável e a sistematização tem aspecto organizado. É fácil a identificação e o manuseio dos itens de verificação constante. O resultado da insonorização é discreto em relação ao habitáculo com o motor em rotação média/alta. REGULAR

Altura do solo

Não tem de série chapa protetora para toda a parte inferior do motopropulsor, que é de alumínio. Não ocorreram interferências com o solo no percurso de provas. POSITIVO

Climatização

As teclas do ar-condicionado e do recírculo, quando ativadas, têm iluminação muito discreta, com pouca intensidade da luz, dificultando a sua visualização durante o dia. É por comando manual. São quatro os difusores de ar no painel, que tem boa vazão (quatro velocidades da caixa de ar), mas o fluxo é bem dividido entre condutor e passageiro, devido ao seu posicionamento e angulação das aletas. O tempo gasto para dar a sensação de conforto é normal e está bem vedado. Não tem a opção de regulagem de temperatura diferenciada nem difusor específico para os passageiros de trás. REGULAR

Freios

Apresentam bom comportamento dinâmico no uso misto. O ABS tem boa sensibilidade e atuou com eficiência. As reações estão bem equilibradas nos dois eixos, inclusive em frenagens simuladas de emergência sobre piso de asfalto seco e terra batida, onde a desaceleração é eficiente e coerente com a velocidade do veículo. O freio de estacionamento atuou normal. O sistema tem função Hill Holder para arrancada e marcha a ré sobre piso inclinado. POSITIVO

Câmbio

A qualidade de engate é ótima e as relações de marchas/diferencial atendem para uma boa dirigibilidade no uso em geral. POSITIVO

 

Veja mais sobre o novo EcoSport na reportagem de Sérgio Melo:

 

 

Motor
Rende bem em baixa rotação, apesar do cabeçote 16V. Proporciona uma dirigibilidade bem agradável e segura no uso misto, mas sem brilho dinâmico. As retomadas de velocidade e aceleração são satisfatórias. Apresentou pequena aspereza de funcionamento entre 3.000 e 4.000rpm, mas em nível ainda aceitável. O seu rendimento é superior com etanol. POSITIVO

Vedação

Boa contra água e poeira. POSITIVO

Nível interno de ruído

O efeito aerodinâmico inicia-se a 100km/h e é crescente com a velocidade. Ao trafegar sobre piso de calçamento, terra com costelas e asfalto em má conservação surgem vários ruídos no habitáculo. REGULAR

Suspensão

O conforto de marcha agrada pelo nível contido das transferências das imperfeições do solo para dentro, além da boa absorção a impactos em geral. A estabilidade é boa numa condução normal e até em uma mais esportiva, pela precisão, velocidade e pouca inclinação da carroceria que consegue contornar curvas (asfalto e terra) de raios variados. Por prevenção, tem controle eletrônico de tração e estabilidade, que atuaram com precisão e discrição. POSITIVO

Direção

A coluna de direção tem ajuste manual em altura e distância, com bom curso. O volante tem bom tamanho e pega. A precisão na reta e em curvas é boa. O diâmetro de giro é bom e a velocidade do efeito retorno satisfaz. A assistência elétrica está muito bem calibrada, proporcionando muito conforto no trânsito e em manobras, sendo firme e com boa sensibilidade em rodovias. É baixa a rumorosidade do conjunto em curvas sobre piso irregular usual. Os pneus de uso misto contribuem na estabilidade direcional e lateral sobre piso de menor atrito. POSITIVO

Iluminação

Não tem sensor crepuscular. Há luz de cortesia no porta-malas e para-sol do passageiro. O grupo óptico dianteiro, que tem construção com parábola simples, apresentou eficiência bem discreta no baixo/alto. Conta com o auxílio de faróis de neblina embutidos no para-choque, mas não tem regulagem elétrica de altura em função da carga transportada. No teto tem lanterna com duplo spot fixo na frente e outra atrás. O quadro de instrumentos, console central e interruptores elétricos dos painéis de porta têm fácil leitura e manuseio. REGULAR

Limpador do para-brisa
Não tem sensor de chuva. Os esguichos são eficientes no para-brisa e no vidro traseiro. O campo de visão no para-brisa é prejudicado no lado do condutor pela área não limpa junto à coluna A, que a torna mais larga. As palhetas apresentaram boa qualidade e é fácil o acesso para reposição d’água no reservatório, instalado dentro do vão motor. REGULAR

Estepe/ macaco
O estepe tem a roda e o pneu iguais aos de uso. Está instalado em suporte fixo, na tampa traseira, e não atrapalha o campo de visão. E há porca autoadaptadora antifurto. A operação de troca é normal e conta com o auxílio de prisioneiros fixos nos cubos de roda. POSITIVO

Alarme
O sistema é completo. A chave de ignição é codificada e há proteção perimétrica das partes móveis e a volumétrica dentro da cabine. Ao dar comando para travar as portas, os vidros sobem automaticamente. Tem função um toque nas quatro portas e o sistema antiesmagamento atuou com precisão. POSITIVO

Volume do porta-malas

O declarado pela fábrica é de 362 litros e o encontrado 341 litros, com o banco traseiro na posição normal e a cortina superior esticada.


(*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

www.danieltecnodan.wordpress.com


Palavra de especialista
Beleza que põe mesa
DANIEL RIBEIRO FILHO
ENGENHEIRO

É realmente um novo automóvel. O conjunto mecânico é bem superior ao antigo, com ganhos na dirigibilidade pelo moderno motor Sigma, câmbio bem definido e direção com assistência elétrica. As linhas da carroceria são modernas, com belíssimas soluções de design. A habitabilidade é satisfatória para quatro adultos e o volume do porta-malas compatível para um SUV compacto. O motor tem acionamento por correia dentada (o antigo Rocan 1.6 era por corrente), com durabilidade de 160 mil quilômetros. Os pacotes de segurança passiva e ativa, e os itens de conforto e conectividade são generosos. Os ângulos de ataque e saída são aceitáveis.

 

Confira o desempenho do Ford diante do rival

 

Ficha técnica
MOTOR
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 1.596cm³ de cilindrada, que desenvolve potências máximas de 110cv (gasolina) a 6.500rpm e de 115cv (etanol) a 5.500rpm e torques máximos de 15,7kgfm (gasolina) a 4.250rpm e 15,9kgfm (etanol) a 4.750rpm

TRANSMISSÃO
Tração dianteira e câmbio manual de cinco marchas

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, do tipo McPherson, com braços inferiores e barra estabilizadora; e traseira, semi-independente com eixo estabilizante Twist-beam / 6 x 16 polegadas, em liga leve / 205/60 R16



DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

FREIOS
Discos na dianteira e tambores na traseira, com ABS

TANQUE
52 litros

EQUIPAMENTOS
DE SÉRIE
APARÊNCIA – Para-choques e maçanetas externas na cor do veículo, rodas de liga leve aro 16 polegadas, faróis com LEDs, rack de teto.

CONFORTO/CONVENIÊNCIA – Direção elétrica, ar-condicionado, vidros elétricos com acionamento um toque e sensor antiesmagamento, para-sóis com espelho, banco do motorista e volante com regulagem de altura e distância, retrovisores externos com ajuste elétrico, iluminação no porta-luvas e porta-malas, alarme sonoro de advertência de luzes acesas, computador de bordo, travas elétricas nas portas e no porta-malas sistema multimídia SYNC, banco traseiro rebatível e com regulagem de inclinação do assento (1/3 e 2/3), sensor de estacionamento.

SEGURANÇA – Airbag duplo frontal, freios ABS, trava para crianças nas portas traseiras, faróis de neblina, três apoios de cabeça no banco traseiro reguláveis em altura, travamento automático das portas; assistente de partida em rampa, controles eletrônicos de estabilidade e controle de tração.

OPCIONAL
Forração em couro, airbags laterais e de cortina.

QUANTO CUSTA
O Ford EcoSport Freestyle 1.6 16V 4x2 tem preço sugerido de R$ 59.990 e com todos opcionais, R$ 63.690.
Tampa traseira pesada é aberta facilmente por meio de comando  - Tampa traseira pesada é aberta facilmente por meio de comando


NOTAS (0 A 10)
Desempenho 8
Espaço interno 7
Porta-malas 7
Suspensão/direção 7
Conforto/ergonomia 7
Itens de série/opcionais 8
Segurança 9
Estilo 7
Consumo 7
Tecnologia 9
Acabamento 6
Custo/benefício 8

 

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação