Publicidade

Estado de Minas FORD NEW FIESTA SEDAN TITANIUM 1.6 POWERSHIFT

New Fiesta Sedan Titanium tem toque de pimenta que faz a diferença

Montadora do oval azul continua trazendo do México sedã compacto que tem qualidade de acabamento superior em relação ao hatch, porém mantém o bom conjunto mecânico


postado em 01/08/2013 11:25 / atualizado em 01/08/2013 11:41

(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)


A Ford resolveu que, por enquanto, vai continuar trazendo do México o New Fiesta Sedan, que passou pelas mesmas modificações de estilo aplicadas no hatch, que já está sendo fabricado no Brasil. O sedã também será nacionalizado, provavelmente em 2014, mas, enquanto isso não acontece, o molho de pimenta mexicano lhe garante algumas vantagens. A principal delas é a qualidade dos materiais usados no interior do carro, além do cuidado maior na montagem dos componentes. Fora isso, o New Fiesta Sedan tem o mesmo conjunto mecânico do hatch, com eficiente motor e moderno câmbio automatizado de dupla embreagem PowerShift. O desempenho é bom, mas o carro é um pouco duro para a proposta e muito baixo, raspando a frente em saídas de rampas.

Clique e veja fotos do New Fiesta Sedan Titanium 1.6 Powershift!

    
VISUAL O New Fiesta é projeto global da Ford e como tal passou por modificações de estilo recentemente. O sedã ganhou as mesmas modificações do hatch, com a grade tipo bocão semelhante à do novo Fusion. Os faróis são espichados e a parte inferior do para-choque tem desenho aerodinâmico, mas é baixa e raspa facilmente em saídas de rampas de garagens e lombadas. A lateral tem vinco que acentua a linha de cintura elevada, indo de encontro às lanternas traseiras horizontais. Tanto o para-brisa quanto o vidro traseiro têm inclinação acentuada e esse detalhe, associado à parte de trás mais curta, confere ao sedã um estilo de cupê de quatro portas. Vale lembrar que a visibilidade traseira é ruim. Completando o visual, rodas de liga leve aro 16 polegadas com belo desenho e pneus 195/50.

(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)


ESPAÇO A proposta de carro familiar não é a mais apropriada para o New Fiesta Sedan. O carro tem características que o levariam mais para o lado descolado, da esportividade velada. A começar pelo espaço interno, que é ideal para quatro pessoas, já que no banco traseiro existe relativo conforto só para dois, além de o teto ser mais baixo ali. Pessoas com mais de 1,70m esbarram a cabeça no teto com frequência. Mas, no quesito segurança, tudo certo no banco traseiro: cintos de segurança de três pontos retráteis e apoios de cabeça para três. Na frente, bancos confortáveis e anatômicos proporcionam firmeza, e o do motorista tem regulagem de altura, facilitando o bom posicionamento para dirigir. O volante, que tem boa pega, também tem ajuste de altura e distância. O porta-malas é digno de um sedã familiar, com espaço de sobra. Dentro dele, estepe de emergência.

ACABAMENTO A principal diferença do New Fiesta Sedan vindo do México em relação ao hatch feito no Brasil é a qualidade do acabamento e montagem. No sedã a Ford usa materiais bem melhores, como plástico emborrachado no painel e couro macio nos bancos. Os encaixes dos componentes internos são perfeitos e não ficam soltando, como constatamos no hatch. O único porém foi a cobertura plástica da tampa do tanque de combustível, que se soltou quando abastecíamos o carro. O painel tem o mesmo desenho moderno, com instrumentos de fácil visualização, apesar de não ter mostrador de temperatura do motor e os comandos ficarem um pouco distantes do alcance do motorista. Mas conta com computador de bordo e sistema de áudio de boa qualidade.

Vinco que se estende pela lateral acentua linha de cintura elevada(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
Vinco que se estende pela lateral acentua linha de cintura elevada (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)


DESEMPENHO O motor 1.6 flex do New Fiesta Sedan é eficiente e dá conta do recado. Tem bons torque e potências, mas grita muito acima das 3.000rpm. Basta pisar fundo no acelerador para constatar o fato. Acoplado ao câmbio automatizado de dupla embreagem PowerShift, de seis velocidades, proporciona bom desempenho, com arrancadas e retomadas na medida. Não tem brilho esportivo, mas atende bem. O câmbio faz trocas de marchas suaves, sem trancos, porém às vezes demora um pouco para pensar. Mas é muito melhor do que a maioria dos automatizados comercializados por aí. O motorista conta ainda com a posição S no câmbio, que otimiza ainda mais o desempenho, e uma pequena tecla na lateral do pomo da alavanca, que permite fazer as trocas de marchas manualmente. É pouco prático. O computador de bordo apontou consumo médio na cidade de 9km/l com gasolina e 6,7km/l com etanol. Na estrada, 13km/l com gasolina e 11,5km/l com etanol.

BOM DE DIRIGIR As suspensões receberam uma calibragem que favorece muito mais a estabilidade do que o conforto. O carro faz curvas com total segurança, mas transfere as irregularidades do solo para dentro, causando desconforto sobre pisos irregulares. A direção foi bem calibrada e tem bom diâmetro de giro, facilitando as manobras e garantindo segurança em velocidades mais elevadas. Os freios, dotados da tecnologia necessária, atuaram com eficiência. Por fim, o New Fiesta Sedan mostra ser um carro interessante, apesar do preço salgado. É um sedã que foge um pouco da proposta familiar devido ao seu estilo mais jovial. Mas é sem dúvida um carro gostoso de dirigir, principalmente para quem não se incomoda com a suspensão mais rígida.

Rodas de liga aro 16 polegadas calçadas com pneus de perfil 50(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
Rodas de liga aro 16 polegadas calçadas com pneus de perfil 50 (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)

 

SEDÃ BEM COMPLETO

Confira todos os detalhes do Ford New Fiesta Sedan 1.6 Titanium com câmbio PowerShift

FICHA TÉCNICA
» MOTOR
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 1.597cm³ de cilindrada, que desenvolve potências máximas de 125cv (gasolina) e de 130cv (etanol) a 6.500rpm e torques máximos de 15,4kgfm (g) a 4.250rpm e de 16kgfm (e) a 5.000rpm

» TRANSMISSÃO

Tração dianteira, com câmbio automatizado PowerShift de seis marchas e dupla embreagem

» DIREÇÃO+E
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

» FREIOS
Discos sólidos na dianteira e tambores na traseira, com sistema ABS e distribuição eletrônica de frenagem (EBD)

» SUSPENSÕES/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, tipo McPherson e barra estabilizadora; e traseira com eixo autoestabilizante, tipo Twist Beam / 6,5 x 16 polegadas, de liga leve / 195/50 R16

(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)


» CAPACIDADES
Do tanque, 51 litros; de carga (bagagens e passageiros), 379 quilos

EQUIPAMENTOS
» DE SÉRIE
AdvanceTrac com ESC e TCS (controle eletrônico de estabilidade e tração), HLA (assistente de partida em rampas), ar-condicionado digital, Sync Media System com comandos de voz em português, comandos no volante, roda de liga leve 16 polegadas sete airbags, bancos e volante revestidos em couro, controle automático de velocidade, sensores de estacionamento e chuva, acendimento automático dos faróis, espelho retrovisor interno eletrocrômico, direção elétrica, vidros/ travas e espelhos elétricos, My Connection Gen3, alarme volumétrico, luz de neblina.

» OPCIONAIS

Pinturas metálicas ou perolizadas, câmbio PowerShift

Traseira curta e vidro com inclinação acentuada deixam o sedã parecido com um cupê(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
Traseira curta e vidro com inclinação acentuada deixam o sedã parecido com um cupê (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)


QUANTO CUSTA?
O Ford New Fiesta Sedan 1.6 é vendido na versão SE de R$ 49.990 a R$ 53.640. Já a versão testada, Titanium, tem preços que vão de R$ 55.340 a R$ 60.260, com câmbio PowerShift e pintura perolizada.

NOTAS (0 a 10)
Desempenho 8
Espaço interno 7
Suspensão/direção 8
Conforto/ergonomia 7
Itens de série/opcionais 9
Segurança 9
Estilo 9
Consumo 7
Tecnologia 8
Acabamento 8
Custo/benefício 7

 

ACABAMENTO DA CARROCERIA
A cobertura plástica da carroceria que encobre a tampa do tanque de combustível soltou. A qualidade da pintura é razoável. As quatro portas estão desniveladas em alguns pontos em relação à carroceria e entre si. O capô está descentralizado em relação aos para-lamas e desalinhado com a base da coluna A lado direito. A tampa do porta-malas está descentralizada. REGULAR

Porta-malas tem espaço de sobra para a bagagem de toda a família(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
Porta-malas tem espaço de sobra para a bagagem de toda a família (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)


VÃO DO MOTOR

O acesso à manutenção é limitado devido à pequena área do vão. O capô tem bom ângulo de abertura e é sustentado aberto por vareta manual. O resultado da insonorização (somente em parte do painel de fogo) é discreto quando o motor está em rotação média/alta, transferindo ruídos para o habitáculo, causando desconforto auditivo. REGULAR

ALTURA DO SOLO
Mesmo com uma dirigibilidade normal, o defletor inferior do para-choque dianteiro toca com frequência o solo em saídas de garagem com desnível e ao transpor quebra-molas mais salientes, piorando ainda mais quando com carga útil de 379kg. Não tem proteção para o cárter e caixa de marchas, ambos construídos em alumínio. REGULAR

CLIMATIZAÇÃO
É automático digital. A vazão de ar é boa e a rumorosidade de funcionamento satisfatória. Está bem vedado. Apresentou bom funcionamento, tem dois difusores de formato circular nas laterais do painel que giram 360 graus, e dois fixos no centro, integrado aos comandos do som. Não tem difusores de ar específico para os passageiros de trás, nem opção de regulagem diferenciada de temperatura para condutor e passageiro. POSITIVO

Estepe de emergência, limitado a 80km/h, fica no porta-malas(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
Estepe de emergência, limitado a 80km/h, fica no porta-malas (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)


FREIOS
Apresentaram bom comportamento dinâmico em geral. O pedal de freio tem boa sensibilidade e relação. O freio de estacionamento atuou normalmente. O ABS tem boa calibração e é eficiente. As reações são balanceadas nos dois eixos, com boa desaceleração e espaço percorrido até a imobilização coerente com a velocidade imposta. É boa a resistência térmica depois de uso mais severo em longa descida sinuosa. POSITIVO

CÂMBIO
Em baixa velocidade, há ruídos metálicos provenientes do mecanismo do câmbio, causando apreensão. É automatizado de dupla embreagem (PowerShift) com seis marchas e tem a opção de uso manual sequencial por meio de tecla incorporada no pomo da alavanca. Selecionando a alavanca em S, tem-se um pequeno ganho na dirigibilidade. No quadro de instrumentos tem display de tamanho razoável informando o modo e a marcha selecionados. Em uma topografia irregular, cidade e rodovias, as trocas são constantes. A resposta em kick-down é aceitável e a rapidez das trocas satisfatórias. Em sexta marcha, a 110km/h, o motor gira a 2.900rpm e em terceira marcha, a 60km/h, a rotação correspondente é 3.600rpm. REGULAR

MOTOR
A curva do motor é muito boa para a sua cilindrada, mas os 1.226kg de peso e ar-condicionado ligado são sentidos na performance, sendo as retomadas de velocidade e aceleração razoáveis, passando a aceitável quando com carga útil total. Tem boa elasticidade e ausência de vibrações. O sistema flex funcionou bem e rende bem melhor com etanol. POSITIVO

VEDAÇÃO
Boa contra água e poeira. POSITIVO

NÍVEL INTERNO DE RUÍDOS
O efeito aerodinâmico é crescente a partir de 110km/h e incomoda em alta velocidade, anulando o possível ganho com o para-brisa acústico especial. Os poucos ruídos no habitáculo surgem ao trafegar sobre pisos irregulares. REGULAR

SUSPENSÃO
A estabilidade é boa no contorno de curvas de raios variados, com boa precisão, rapidez e inclinação moderada da carroceria. Em uma condução mais esportiva, traz segurança e prazer pelo handling e conta com auxílio do sistema de tração e estabilidade ao ultrapassar o limite da aderência direcional e lateral. O conforto de marcha está em um nível razoável, sendo nitidamente prejudicado pelos pneus da série 50. REGULAR

DIREÇÃO
A coluna de direção tem regulagem em distância e altura, e o volante, boa pega. A assistência é elétrica, com cargas muito bem definidas para o uso urbano com baixo esforço, agilidade e maciez em manobras, sendo firme, com boa sensibilidade e resposta rápida em rodovias. A velocidade do efeito retorno e o diâmetro de giro satisfazem. A pressão única dos pneus com 32 libras (vazio ou carregado) merecia um melhor desenvolvimento na definição da calibragem com somente o condutor. POSITIVO



ILUMINAÇÃO
Tem luz de cortesia no porta-malas e no porta-luvas. No teto há duas sessões com uma lanterna junto ao retrovisor, com duplo spot fixo integrado e para os passageiros de trás uma lanterna, sendo bom o resultado em iluminação para a área do habitáculo. Os faróis são eficientes no baixo e no alto, com duplo refletor, mas não têm ajuste elétrico em altura. Tem auxiliares de neblina embutidos no para-choque. Tem sensor crepuscular e o quadro de instrumentos tem iluminação permanente, sendo de fácil visualização os interruptores nos painéis de portas e comandos no console central. POSITIVO

LIMPADOR DO PARA-BRISA
Tem sensor de chuva. Os esguichos são do tipo spray em V, com boa vazão e abertura, que ativam automaticamente as palhetas de qualidade, que varrem uma área satisfatória. É fácil o acesso ao reservatório de água instalado dentro do vão do motor. POSITIVO

ESTEPE/ MACACO
O estepe, que está instalado dentro do porta-malas, é específico para pequenos deslocamentos e com velocidade limitada a 80km/h, solução que não é prática nem funcional no Brasil, devido à péssima qualidade de algumas ruas e rodovias, além de alterar completamente o comportamento dinâmico do automóvel e ritmo da viagem. O cabo da chave de rodas, que tem uma extremidade chanfrada, é muito longo, impedindo de retirar as quatro porcas com movimento de giro de 360 graus, pois interfere com o solo, atrasando a operação de troca. NEGATIVO

Clique para ampliar!
Clique para ampliar!


ALARME
A chave de ignição é codificada e conta com proteção perimétrica das partes móveis, contra abertura forçada, e a volumétrica dentro do habitáculo contra invasão da quebra dos vidros. Ao dar comando para travar as portas, por meio do controle remoto instalado na própria chave de ignição, os vidros não sobem automaticamente. As quatro portas têm função abertura/fechamento dos vidros por um toque e o sistema antiesmagamento atuou com precisão. POSITIVO

VOLUME DO PORTA-MALAS
O declarado pela fabrica é de 465 litros, o mesmo encontrado com o banco traseiro na posição normal e fechamento suave da tampa do porta-malas. 

 (*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.

www.danieltecnodan.com.br

Espaço no banco traseiro é limitado, mas não falta segurança(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)
Espaço no banco traseiro é limitado, mas não falta segurança (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D. A Press)

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade