Casamento moderno

Teste completo do Chevrolet Prisma 1.4 LTZ

Resultado do sedã compacto agrada, apesar de algumas rusgas do motor de pequena cilindrada com o câmbio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 03/08/2013 16:37 / atualizado em 03/08/2013 18:32 Paulo Eduardo
Marlos Ney Vidal/EM/DA PRESS

Finalmente, o consumidor brasileiro se rende à praticidade do câmbio automático e vários fabricantes já equipam seus carros com esse item. Pisar no pedal de embreagem no anda e para do trânsito caótico dos grandes centros é um desgaste a mais para o motorista. Por isso, a troca automática de marchas é vista cada vez mais como um elemento de conforto e conveniência, principalmente para os que não têm como escapar dessa mazela urbana. Saiba como o Prisma automático se saiu no teste.

Adeus estresse!

Confira o comportamento do Prisma

Traseira curta e vidro inclinado lembram modelo fastback - Marlos Ney Vidal/EM/DA PRESS Traseira curta e vidro inclinado lembram modelo fastback

Um dos destaques do Prisma são as linhas da carroceria. A inclinação acentuada do para-brisa, inspirada nos monovolumes, garante boa visibilidade mesmo com a posição de dirigir bastante elevada no ponto mais baixo. Na traseira, o corte abrupto a deixa curta e a inclinação do vidro traseiro faz o sedã compacto parecer um fastback. É diferente dos sedãs tradicionais. O interior é mais espaçoso e arejado do que a maioria dos sedãs pequenos, mas no banco traseiro o espaço de conforto é para dois adultos e uma criança no assento central, que não dispõe de apoio de cabeça e tampouco de cinto retrátil de três pontos. O motorista pena com a visibilidade limitada de 3/4 traseira. Porém, os retrovisores enormes compensam em parte a deficiência. O acabamento interno não arrebata elogios e o material do painel central é de plástico duro. Os comandos dos vidros nas portas estão recuados, dificultando o acesso, e o puxador da porta fica em posição desconfortável. Mancada em ergonomia.

O enorme porta-malas pode ser aberto por meio de chave ou por comando no controle remoto. O Prisma está equipado com pneus de perfil mais alto, que são mais apropriados para o piso brasileiro, recheado de imperfeições, e mesmo assim o sistema de suspensão não absorve totalmente as irregularidades, transferindo-as aos ocupantes, principalmente do banco traseiro.

UNIÃO

A novidade é o câmbio automático de seis marchas. Automático tradicional com conversor de torque. Os automatizados de uma embreagem estão em voga no país e têm custo menor, mas os trancos nas trocas de marchas incomodam bastante. Os automatizados de dupla embreagem, como o do concorrente Fiesta, são muito eficientes, mas prefiro o automático tradicional. O dilema é que os automáticos combinam melhor com motores de maiores cilindrada e potência. O motor 1.4 do Prisma vai muito bem com ele, mas esse casamento gera conflitos nas reduções, pois o motor grita muito. Não chega a ser motivo de litígio, mas quando se exige mais força do motor nas retomadas de velocidade, situação em que o motorista pisa fundo no acelerador, a redução é brusca e emite ruído elevado. O casal não chega às vias de fato, mas falta leveza. Esse é o preço, mas nem por isso a união merece ser desfeita. Pelo contrário, o automático oferece muito conforto no trânsito urbano, evitando que o motorista pise na embreagem muitas vezes, trocando as marchas a todo momento. Um dos pecados desse câmbio é a troca manual. Em vez de toque na alavanca ou as práticas aletas no volante, o comando fica na lateral da alavanca. Nada prático.

O consumo de etanol decepciona na cidade, com médias de 4,6km/l a 5,5km/l, conforme a região. Na estrada varia de 9km/l a 11km/l, dentro dos limites estabelecidos por lei. Se afundar o pé, as paradas no posto de combustíveis serão mais constantes. Apesar de alguns conflitos, o casamento vai muito bem e em matéria de desconforto, apenas a auditiva. O Prisma é um bom carro e não é por acaso que está tendo boa aceitação no mercado.

Acabamento interno simples e comando do controle de velocidade no volante - Marlos Ney Vidal/EM/DA PRESS Acabamento interno simples e comando do controle de velocidade no volante


 FICHA TÉCNICA

»Motor

Dianteiro, transversal, de quatro cilindros em linha, 1.389cm³ de cilindrada, oito válvulas, com potências máximas de 98cv (gasolina) e 106cv (etanol) a 6.000rpm e torques de 12,9kgfm (gasolina) e 13,9kgfm (etanol) a 4.800rpm

» Transmissão

Tração dianteira, câmbio automático de seis marchas

» Suspensão/Rodas/Pneus

Dianteira, independente, McPherson e barra estabilizadora; traseira, eixo de torção; 5,5x15 em liga leve; 185/65 R15

» Direção
Tipo pinhão e cremalheira, com assistência hidráulica

» Freios
Discos na dianteira e tambores na traseira

» Capacidades
Peso, 1.119kg; tanque, 54 litros; de carga (passageiros e bagagem), 378kg; porta-malas, 500 litros (**)/ 520 (***)

» Desempenho
Velocidade máxima, 171km/h (g/e); aceleração até 100km/h (s), 12,6 (g)/11,9 (e)

» Consumo (km/l) (***)
Cidade, 5(e)/NA (g); estrada, 10(e)/NA (g)
Dimensões A x B x C x D x E (metros) (*)
4,28 x 1,70 x 1,48 x 2,53 x 1,90
(*) A: comprimento, B: largura, C: altura, D: entre-eixos e E: medida de conforto (distância entre o pedal de freio e o encosto do banco traseiro)
(**) Dados dos fabricantes
(***) Medição do caderno Vrum
NA: Não aferido
(g) gasolina / (e) etanol

NOTAS (0 a 10)

Desempenho    8
Espaço interno    7   
Suspensão/direção    8
Conforto/ergonomia    7
Itens de série/opcionais    9   
Segurança    8
Estilo    9
Consumo    7
Tecnologia    8
Acabamento    8
Custo/benefício    7   

O desempenho com etanol é muito melhor por causa do torque mais elevado - Marlos Ney Vidal/EM/DA PRESS O desempenho com etanol é muito melhor por causa do torque mais elevado


QUANTO CUSTA?

O Prisma 1.4 automático tem preço sugerido de R$ 49.990 na versão LTZ. Não há itens opcionais e está equipado com ar-condicionado, direção hidráulica, airbag duplo frontal, freios ABS e tela multimídia, entre outros.

AVALIAÇÃO TÉCNICA
Acabamento da carroceria

A qualidade da pintura é boa. O capô está desalinhado na união com a parte superior dos para-lamas. As quatro portas estão desniveladas entre si e a carroceria, e têm folgas diferentes entre os dois lados e na união superior dos para-lamas dianteiros com as bases das colunas A (dianteira). A tampa do porta-malas tem montagem razoável. REGULAR

Vão do motor

O vão tem aspecto limpo e organizado. Há proteção acústica somente no painel de fogo com resultado em insonorização razoável em relação ao habitáculo. O capô é sustentado por vareta manual e o ângulo de abertura é satisfatório. Os itens de verificação constante têm fácil identificação e manuseio. O acesso à manutenção é limitado na parte traseira do motopropulsor. REGULAR

Altura do solo

Toda a parte inferior do motopropulsor tem proteção em aço vazada. Não ocorreram interferências com o solo numa utilização usual mista do automóvel e com carga máxima passa bem numa condução mais prudente. POSITIVO

Climatização

É por comando manual e funciona bem. São quatro as velocidades da caixa de ar e cinco as opções de direcionamento do fluxo. No painel são quatro os difusores de ar, que têm boa angulação e vazão, mas não tem um específico para os passageiros de trás. Está bem vedado e a rumorosidade de funcionamento é satisfatória. POSITIVO

Freios

Apresentaram um bom comportamento dinâmico em uso misto. O pedal de freio tem boa relação e sensibilidade. O freio de estacionamento atuou normal. O ABS está bem calibrado e atuou com eficiência, além de ter boa sensibilidade sobre piso de baixo atrito. A desaceleração é eficiente, balanceada nos dois eixos e sem afundamento exagerado em situação de emergência. POSITIVO

Câmbio

Apresentou bom funcionamento e as relações de marchas/diferencial são razoáveis para uma dirigibilidade normal na cidde e em rodovias. Tem display no quadro de instrumentos informando o modo selecionado. No pomo da alavanca tem tecla que faz a função manual sequencial na posição M. A resposta em kick down é satisfatória e as trocas são suaves e com boa rapidez. POSITIVO

Motor

As retomadas de velocidade e aceleração são razoáveis para a cilindrada e acoplado ao câmbio AT6. Com carga máxima, ar-condicionado ligado e trafegando numa topografia irregular, a perda no rendimento é significativa. Com etanol tem ganho significativo em dirigibilidade. É prazerosa a sua condução, juntamente com o câmbio automático no uso urbano e em rodovias com poucos aclives. POSITIVO

Vedação

Boa contra água e poeira. POSITIVO

Nível interno de ruídos

O efeito aerodinâmico é contido mesmo em velocidades mais altas. Os ruídos no habitáculo surgem ao trafegar sobre piso de asfalto ruim, paralelepípedo e terra. REGULAR

Suspensão

Mesmo utilizando pneus da série 65 o conforto de marcha não tem bom acerto, devido às transferências evidentes das imperfeições do solo para dentro. Um melhor estudo da calibragem dos pneus, pois a fábrica indica 35 libras nas quatro (vazio ou carregado), teria ganho significativo. A estabilidade é boa, com ótima precisão em curvas de raios variados e com pouca inclinação da carroceria. REGULAR

Direção

A coluna de direção tem ajuste somente em altura, com bom curso, e o volante tem boa pega. A precisão na reta e em curvas é muito boa. O diâmetro de giro é bom e a velocidade do efeito retorno agrada. A rumorosidade do conjunto é baixa. As cargas do sistema assistido estão bem definidas para uso misto, mas em rodovias, com carga máxima, tornam-se mais sensível e mais leve as suas reações, mas em nível aceitável. POSITIVO

Iluminação
O grupo óptico dianteiro é com parábola simples e apresentou uma eficiência normal no baixo/alto. Conta com o auxílio de faróis de neblina embutidos no para-choque. Não tem regulagem elétrica de altura do facho em função da carga transportada nem sensor crepuscular. Há luz de cortesia no porta-malas e no porta-luvas. No teto tem pequena lanterna retangular próxima ao retrovisor com resultado discreto em iluminação. O quadro de instrumentos tem iluminação permanente e os interruptores elétricos nos painéis de porta são de fácil identificação noturna. A tela do sistema multimídia tem boa dimensão, fácil leitura e manuseio. POSITIVO

Estepe/macaco

O estepe é do tipo temporário e com velocidade máxima limitada a 80km/h. Está instalado no porta-malas. A operação de troca é normal, mas a funcionalidade e a praticidade são negativas. NEGATIVO

Limpador de para-brisa

Não tem sensor de chuva. Os esguichos, do tipo spray em V, têm boa vazão e atingem boa área. As palhetas apresentaram boa qualidade. É fácil o acesso ao reservatório d’água instalado dentro do vão do motor. POSITIVO

Ferramentas

Há uma chave de fenda combinada com Phillips. POSITIVO

Alarme

Ao dar comando, por controle remoto inserido na chave de ignição, que é codificada para travar as portas, os vidros das quatro portas sobem automaticamente. O sistema antiesmagamento atuou com precisão. Há proteção perimétrica das partes móveis, mas não tem a volumétrica contra a invasão do habitáculo pela quebra dos vidros. REGULAR

Volume do porta-malas

O declarado pela fabrica é de 500 litros e o encontrado na nossa medição foi de 520 litros, com o banco traseiro na posição normal e fechamento normal da tampa do porta-malas.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da tecnodan

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação