Chevrolet S10 Turbodiesel LT 4x4 mostra que ganhou mais fôlego com novo motor

Com recentes otimizações, segunda geração do motor 2.8 turbodiesel da Chevrolet S10 agora tem 200cv de potência. Modelo agora conta com câmbio manual de seis marchas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 11/11/2013 18:31 / atualizado em 11/11/2013 19:12 Pedro Cerqueira /Estado de Minas

Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A PRESS
Mesmo tendo subido de categoria, a S10 se manteve como a mais vendida do segmento das picapes médias. Apesar do acréscimo de 20cv, a picape fica devendo muito nas arrancadas, quando a tropa custa a acordar. Em compensação, sobra força nas retomadas, quando o motor tem mais rotação. Outras manias do modelo são a suspensão, que repassa muito, e o câmbio, pesadão. Com tração nas quatro rodas, reduzida e bons ângulos de entrada e saída, a S10 brilha mesmo quando entra numa estrada de terra.

 

Veja mais fotos da Chevrolet S10 LT 4x4!

 

 

Um reforço para a líder

A manutenção da liderança no segmento das picapes médias, com admiráveis 30%, mostra que a reestilização da Chevrolet S10 agradou à nação “picapeira”. A fórmula do sucesso foi o desenvolvimento de um modelo robusto por fora e mais requintado por dentro, mas a versão a diesel ainda não era a mais potente entre as concorrentes. Por isso, há cerca de um mês, foi apresentada a segunda geração do motor 2.8 turbodiesel, que agora entrega 200cv de potência.
O torque varia de acordo com o câmbio empregado: 50,9kgfm para o automático e 44,8kgfm para o manual. Sob o capô, as mudanças que propiciaram o ganho em performance do motor foram a adoção de um novo coletor de admissão, que gera maior fluxo de ar e um novo sistema de injeção que trabalha com mais pressão, resultando em mais torque, potência e numa queima mais eficaz (menos emissões!).

ARRANCADAS Testamos a versão intermediária LT a diesel com tração 4 x 4 que recebeu o câmbio manual de seis marchas. O anterior era de cinco velocidades. O principal defeito da picape média se mostra logo ao arrancar: falta força para tirar suas duas toneladas da inércia. Quer uma boa arrancada? Suba o giro do motor (acelere!) e só então libere a embreagem. E na subida? A dica é acionar o freio de mão, acelerar e só com o giro alto liberar a embreagem. Repare que não se trata de falta de torque, são 44,8kgfm! É o bastante, mesmo para essa grandalhona. O problema é que a rotação sobe de forma progressiva e muito lenta à medida que se acelera o veículo.

Motor tem bom torque, mas não é muito ágil nas arrancadas - Motor tem bom torque, mas não é muito ágil nas arrancadas


Assim, mesmo tendo 90% da força disponível a 1.700rpm, as arrancadas da S10 são estressantes. Mas, a partir do momento que o carro sai da inércia, sobra fôlego. Sobra mesmo, porque o turbo entra em ação com pouca suavidade. As trocas de marcha são “pesadas”, apesar de não serem imprecisas, e exigem algum esforço. Outro inconveniente do câmbio é que, para acionar a ré, é necessário empurrar a alavanca para baixo. E a dica não está escrita no manual do proprietário. Como toda picape, a suspensão da S10 copia toda e qualquer imperfeição do piso, multiplica por cinco e manda todo mundo para cima. Duas coisas que podem incomodar são o ruído do motor a diesel, que não é baixo, e o assobio da turbina.

NA TERRA O consumo registrado no computador de bordo foi de 7,2 km/l na cidade e 8,3 km/l na estrada. As habilidades da picape no fora de estrada são notáveis. Além de tração nas quatro rodas e reduzida, o veículo tem excelentes ângulos de entrada e saída e altura em relação ao solo. Apesar de ter cinto de três pontos para todos, o passageiro traseiro central não foi contemplado com o apoio de cabeça. Outros aspectos que decepcionam são os vidros elétricos, que só trazem comando one touch para o motorista, a colunad e direção sem regulagem de distância e os retrovisores externos que não recolhem eletricamente. Um acessório importante para essa picape é o sensor de estacionamento traseiro, já que a visibilidade não é das melhores.

Painel tem comandos bem localizados, facilitando para o motorista - Painel tem comandos bem localizados, facilitando para o motorista

 

FICHA TÉCNICA
» MOTOR

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 2.776cm³ de cilindrada, turbodiesel, que desenvolve potência máxima de 200cv a 3.600rpm e torque máximo de 44,8kgfm a 2.000rpm

» TRANSMISSÃO
Tração 4 x 4 com reduzida e câmbio manual de seis marchas

» SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, com braços articulados; e traseira com feixe de molas semielípticas / 6,5 x 16 polegadas (liga leve) / 245/70 R16


» DIREÇÃO

Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência hidráulica

» FREIOS

A discos ventilados na frente e tambores na traseira, com ABS nas quatro rodas e EBD

» CAPACIDADES
Tanque, 76 litros; capacidade de carga (passageiro e carga), 1.109kg EQUIPAMENTOS

 

» DE SÉRIE
Ar-condicionado, direção hidráulica, trio elétrico, banco do motorista com regulagem de altura, sistema multimídia MyLink, freios ABS nas quatro rodas com EBD, alarme, airbags frontais, faróis de neblina, rodas de alumínio 16" e luz indicadora de direção integrada aos retrovisores.

» OPCIONAL/ACESSSÓRIOS
Pintura metálica, além de acessórios como estribos, santantônio, capota marítma, protetor de caçamba e sensor de estacionamento traseiro. 

 

AVALIAÇÃO TÉCNICA
Câmbio

A qualidade de engate não é boa em precisão e maciez, além da dificuldade constante de engatar a ré, que causa apreensão em algumas situações. O comando de tração 4 x 4 está instalado no console central e é giratório, que apresentou um bom funcionamento. As relações de marchas/diferencial proporcionam uma dirigibilidade normal e segura, e a 110km/h em 6ª marcha o motor gira suave a 1.750rpm, próximo do torque máximo (2.000rpm). REGULAR

Motor

A nova curva de potência (+20cv) e torque o deixou equivalente em números aos principais concorrentes, mas teve perda de 3,1kgfm no torque máximo, que atua na mesma rotação. A dirigibilidade não teve ganhos significativos em relação à antiga configuração desse motor, com 180cv, e 47,9kgfm de torque máximo. A sua performance, que já era boa, tem aceleração eficiente e retomadas de velocidade satisfatórias. A rumorosidade de funcionamento é aceitável. Em arrancadas, em geral, é bom elevar a rotação do motor. POSITIVO

www.danieltecnodan.com.br
(*) Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.


NOTAS (0 a 10)

Desempenho    8
Espaço interno    8
Caçamba    7
Suspensão/direção    7
Conforto/ergonomia    7
Itens de série/opcionais    7
Segurança    7
Estilo    9
Consumo    6
Tecnologia    7
Acabamento    8
Custo/benefício    7

 

QUANTO CUSTA
A S10 LT 2.8 Turbodiesel 4 x 4 com cabine dupla tem preço sugerido de R$ 111.190, e com os acessórios da versão testada, que são vendidos na rede de concessionários, de R$ 119.400.

Modelo foi reestilizado e continua líder isolado no segmento de picapes médias - Modelo foi reestilizado e continua líder isolado no segmento de picapes médias

 

 

Tags: chevrolet

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
Queremos sua ajuda para deixar a experiência no VRUM ainda melhor! Participe Participe