COMPARATIVO

Renault Logan Dynamic X Fiat Grand Siena Essence - Sedãs compactos na briga por uma vaga na sua garagem

O Fiat leva a tradição da marca neste segmento, mas a Renault quer atrapalhar o caminho da italiana com um Logan totalmente novo e com sede de ganhar a disputa com qualquer concorrente. Veja quem levou a melhor neste comparativo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 04/07/2014 16:10 / atualizado em 05/07/2014 13:31 Marcello Oliveira /Portal Vrum

Thiago Ventura/EM/D.A PRESS
O Renault Logan foi lançado em 2007 com atributos inéditos no mercado: volume do porta-malas e espaço na cabine de sedã-médio com preço de compacto. Mesmo sem ter a beleza como argumento de venda, ganhou seu espaço ao Sol e teve boas vendas. Agora com design renovado, o “patinho feio” virou cisne e mostra um visual bem mais atraente. O Vrum comparou a novidade francesa e o líder do segmento, Fiat Grand Siena, para mostrar as vantagens e pontos negativos dos dois modelos.

 

Veja mais fotos do Renault Logan Dynamic e do Fiat Grand Siena Essence

 

Motor
O Siena é equipado com motor 1.6 16V e o Logan 1.6 8V. O Fiat rende 117 cv com etanol e tem 16,8 kgfm de torque, enquanto o Renault vem com 106 cv e 15,5 kgfm de torque. Lembrando que esses números são sempre com o veículo abastecido com etanol, como foi feito o nosso teste. O Logan é mais esperto e mais agradável no trânsito urbano, pois sendo 8V entrega boa parte de sua força em baixa rotação. Na estrada, o ruído ainda incomoda, como ocorria também na antiga geração. Já o Siena exige fortes aceleradas para sair da inércia, mas na estrada ele bate o Logan em velocidade final, com uma evolução mais uniforme e um ruído mais suave, mas o 1.6 do Logan fica em vantagem por ser mais eficiente.

Grand Siena 8,0
Renault Logan 9,0


Câmbio
As relações do câmbio do Renault Logan 1.6 são mais curtas, proporcionando uma condução mais dinâmica na cidade. Ele permite retomadas rápidas e não deixa o motor perder o fôlego. Se na cidade ele é referência no segmento, na estrada nem tanto, pois o motor grita por uma 5ª mais longa. É nesse ponto que o Grand Siena se destaca. O Fiat tem as primeiras marchas muito longas, aumentando o consumo e deixando a direção na cidade um pouco chata, mas a relação é bem acertadas na estrada, onde ele se destaca mais do que o Logan.

Grand Siena 8,0
Renault Logan 8,5

 

Thiago Ventura/EM/D.A PRESS
Thiago Ventura/EM/D.A PRESS
 

 

Direção
Os dois modelos contam com assistência hidráulica simples. O volante do Siena tem um aro mais fino, enquanto no Logan, a 'pega' é melhor. A direção do Siena não compensa o peso extra das rodas e dos pneus, que são uma polegada maior do que as do Logan.

Os dois contam com comandos de som e piloto automático na coluna de direção (opcional no Siena). São 'firulas' bem vindas em carros desta categoria.

Grand Siena 7,0
Renault Logan 7,5


Conforto e espaço interno
O espaço é um grande apelo dos dois modelos. O Logan já nasceu com essa característica impregnada e acabou virando referência. Três adultos vão com folga no banco traseiro. Com espaço entre-eixos de generosos 2,63m (as vezes não encontrados nem mesmos em carros de categoria superior), as pernas de quem está atrás não esbarra no encosto do banco dianteiro, ou permite que uma pessoa mais alta na frente fique mais a vontade em arrastar o banco mais para trás.

O conforto e espaço no Grand Siena melhou muito se comparado com o velho Siena, mas o Logan foi além dele. O espaço entre-eixos é 12 cm menor do que o Logan e quem já viajou nos dois modelos no banco traseiro, sente bem os 3,3 cm a menos de largura no sedã da Fiat.

Grand Siena 8,0
Renault Logan 9,5

Ambiente interno do Grand Siena tem um ar mais sofisticado... - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS Ambiente interno do Grand Siena tem um ar mais sofisticado...
... mas o Logan é mais espaçoso e confortável - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS ... mas o Logan é mais espaçoso e confortável


Ergonomia
Os dois contam com simples regulagens de altura do banco do motorista, mas o volante se ajusta apenas verticalmente. Ambos mereciam o ajuste de profundidade. Mesmo assim, no Grand Siena, é mais fácil encontrar a melhor posição para guiar.

No Logan, finalmente o comando de ajuste dos retrovisores elétricos deixaram a sombra da alavanca de freio de estacionamento e se mudaram para o painel. No sedã da Fiat, eles estão muito mal localizados. Não há como mexer neles sem fazer um pouco de contorcionismo, já que estão na porta, no rumo do espelho externo.

Grand Siena 7,0
Renault Logan 7,0

Grand Siena tem retrovisores elétricos, mas pela posição do botão, o item não tem efeito prático para o motorista ajustar o espelho do seu lado - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS Grand Siena tem retrovisores elétricos, mas pela posição do botão, o item não tem efeito prático para o motorista ajustar o espelho do seu lado
Já a Renault melhorou a ergonomia do Logan nesta nova geração. O ajuste do retrovisor está ao alcance das mãos sem nenhum esforço e livre de obstáculos - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS Já a Renault melhorou a ergonomia do Logan nesta nova geração. O ajuste do retrovisor está ao alcance das mãos sem nenhum esforço e livre de obstáculos


Consumo
Os dois modelos foram avaliados com etanol no tanque e sempre com o ar-condicionado ligado. O computador de bordo do Grand Siena chegou a marcar 5,5 km/l na montanhosa Belo Horizonte. Ao desenvolver o carro em grandes avenidas, fugindo do hipercentro, chegou aos 6,0 km/l. O Renault, nas mesmas condições, fez média de 7,0 km/l.

Grand Siena 6,0
Renault Logan 7,0

Estilo
Os dois chamam a atenção de quem curte sedãs compactos. A traseira do Grand Siena tem um ar de carro chinês por causa das lanternas traseiras horizontais com imitação de LED. O Logan tem a frente mais invocada e atualizada com a nova identidade global da Renault. A marca francesa conseguiu algo que parecia ser impossível ao Logan: beleza e harmonia de suas linhas. As lanternas traseiras são requintadas com filetes cromados internos.

Grand Siena 8,0
Renault Logan 9,0

Thiago Ventura/EM/D.A PRESS
Thiago Ventura/EM/D.A PRESS



Segurança
O Siena sai em vantagem por ter airbags laterais na relação de itens opcionais. Ele tem ainda três apoios de cabeça no banco traseiro, mas não oferece cinto traseiro de três pontos, idêntico ao Logan. Mas o sedã da Renault só oferece os dois airbags frontais. Os freios ABS são de série, assim como determina a lei em vigor, mas nenhum deles oferece disco nas rodas traseiras.

Grand Siena 7,5
Renault Logan 7,0


Porta-malas

Com 520 litros de capacidade, o Fiat Grand Siena vence o novo Logan por apenas 10 litros. É comum sedãs compactos, como Siena e Logan terem bagageiros maiores do que alguns sedãs médios. O problema nos dois modelos é o famosos pescoço de ganso, que rouba uma parte do espaço.

Grand Siena 9,0
Renault Logan 8,5
Pescoço de ganso consome parte do espaço no porta-malas dos dois modelos - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS Pescoço de ganso consome parte do espaço no porta-malas dos dois modelos
Logan tem porta-malas menor e o acabamento da tampa deixa muito a desejar. Faltou cuidado até mesmo na colocação da fiação - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS Logan tem porta-malas menor e o acabamento da tampa deixa muito a desejar. Faltou cuidado até mesmo na colocação da fiação


Acabamento
No Logan, o acabamento interno melhorou muito em relação à geração anterior. No aspecto geral, levando-se em conta inclusive o acabamento externo, o Grand Siena é mais caprichado, não deixando tantas rebarbas aparentes, como acontece com o Logan. Na versão Essence, a testada, o Grand Siena se mostrou compatível com a categoria, entregando um acabamento razoável, mas nada que mereça muitos elogios.

Grand Siena 8,0
Renault Logan 7,0
No Logan, dobradiças do capô ficam aparentes, mostrando descuido com o acabamento - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS No Logan, dobradiças do capô ficam aparentes, mostrando descuido com o acabamento
O friso não acompanha toda a extensão do teto: economia desnecessária da Renault - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS O friso não acompanha toda a extensão do teto: economia desnecessária da Renault



Relação Custo/Benefício
A versão Dynamic 1.6 do Logan custa R$ 46.140 já com pintura metálica e por mais R$ 1.140 é possível colocar bancos em couro, o que é um bom negócio. Mas o pack Techno Plus, que inclui a central multimídia Media Nav 1.2 + sensor de estacionamento e ar condicionado automático, custa R$ 1.400 e tem grande utilidade.

O Fiat Grand Siena Essence 1.6 tem sua tabela de preços iniciada em cerca de R$ 45 mil (rodas de liga aro 16 polegadas, faróis de neblina, airbag duplo, ABS, vidros dianteiros e travas elétricos, direção hidráulica e ar condicionado), mas incluindo todos os opcionais, como pintura metálica, câmbio automatizado Dualogic Plus, airbags laterais, volante multifuncional, retrovisor antiofuscante, sensor de estacionamento traseiro e outros, a nota final pode ficar em R$ 58.405.

O resultado é que o Renault Logan, com um leque menor de opcionais e uma lista de itens de série bem parecida com a do Siena, tenha uma relação custo-benefício melhor.
No Siena, o sensor de estacionamento é camuflado na mesma cor da carroceria. A Renault não se importou em deixar quatro pontos pretos no para-choque traseiro - Thiago Ventura/EM/D.A PRESS No Siena, o sensor de estacionamento é camuflado na mesma cor da carroceria. A Renault não se importou em deixar quatro pontos pretos no para-choque traseiro

 

Total

Grand Siena: 76,5

Renault Logan: 80

 

Com Thiago Ventura

Tags: teste

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação