Honda City 1.5 EXL está de roupa nova

Terceira geração do sedã médio-compacto evoluiu em diversos aspectos, com destaque para espaço interno e retorno do câmbio CVT, com sete marchas virtuais. Leia o teste

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 25/01/2015 16:12 / atualizado em 25/01/2015 16:27 Paulo Eduardo /Estado de Minas
O City é agradável de dirigir pela leveza e precisão da direção com assistência elétrica e comportamento dinâmico previsível - Juarez Rodrigues/EM/D.A Press O City é agradável de dirigir pela leveza e precisão da direção com assistência elétrica e comportamento dinâmico previsível

A terceira geração do sedã City, que é derivado do monovolume Fit, chama a atenção pelo habitáculo de sedã médio-grande, superior até ao Civic, classificado como médio-médio. O comprimento também aumentou em 5,5cm e a distância entre-eixos agora é de 2,60 metros, a mesma de seu único concorrente, o Fiat Linea. Tanto o City quanto o Linea se enquadram em um segmento abaixo pelo tamanho das bitolas. Nissan Versa, Renault Logan e Chevrolet Cobalt pertencem ao mesmo segmento, mas acabamento e conteúdo menos sofisticados os colocam em outra categoria.

LINHAS O mais fácil de ser identificado nesta geração são os vincos acentuados no capô e em toda a extensão da lateral, assim como no Fit. E um friso cromado no centro da tampa do porta-malas arremata o conjunto. A linha de cintura alta, lanternas que invadem a lateral e a inclinação do vidro traseiro, no estilo fastback, dão ar de esportividade. A versão testada, a topo de linha, traz ainda detalhes cromados e em preto brilhante no painel central.

DENTRO Impressiona o espaço para as pernas no banco traseiro graças à incrível medida de conforto – outro determinante do aproveitamento no habitáculo, juntamente com a distância entre-eixos –, de 2,04 metros. Aumentaram também espaço para ombro e cabeça nos bancos dianteiros. O motorista fica à vontade, com regulagens da coluna de direção e de altura do banco, para encontrar de imediato a melhor posição de dirigir. A direção leve e precisa, comum a quase todos os fabricantes japoneses, é uma delícia e proporciona prazer ao dirigir. Incomoda a visibilidade de 3/4 traseira limitada, característica da carroceria sedã. E o ar-condicionado digital tem comandos sensíveis ao toque e a tela do sistema multimídia é de 5,5 polegadas.

CVT O câmbio de infinitas relações de transmissão passa a ser equipado com conversor de torque, o que torna mais rápidas as respostas aos comandos do acelerador. Também privilégio das versões EX e EXL. A LX está equipada com o CVT convencional. Estão configuradas sete marchas virtuais para os que gostam de trocar marchas por meio de hastes atrás do volante.

DESEMPENHO
Apesar de o motor ter o sistema de abertura variável das válvulas, que controla a sincronização e abertura delas, obtendo respostas mais eficientes, o desempenho não é o forte do City, principalmente em topografia acidentada. Está correto para a proposta de sedã familiar. Para diminuir o tempo nas ultrapassagens, há a opção S no câmbio, que eleva as rotações, otimizando o desempenho.

SEGURANÇA A suspensão firme transmite confiança em curvas, mas os pneus de perfil baixo comprometem o conforto em piso irregular. A transferência das imperfeições é mais sentida no banco traseiro. Esta versão tem airbags frontais e laterais para os bancos dianteiros.

O que interessa mesmo neste tipo de carroceria é a capacidade do enorme porta-malas. E disso não se pode reclamar. Mas a carga útil de apenas 380 quilos limita o peso da bagagem a 30kg, considerando-se cinco adultos com peso médio de 70kg.

O City atende perfeitamente à proposta familiar e a versão top é equipada com muitos itens de conforto e conveniência, tornando agradável o bem-estar a bordo. E o acabamento é caprichado.

Qualidades e os dilemas do Honda City

NOTAS (0 a 10)
Desempenho 7
Espaço interno 10
Porta-malas 9
Suspensão/direção 8
Conforto/ergonomia 8
Itens de série/opcionais 9
Segurança 9
Estilo 9
Consumo 8
Tecnologia 8
Acabamento 9
Custo/benefício 8

Ficha Técnica
Motor
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 1.497cm³ de cilindrada, que desenvolve 115cv (gasolina) e 116cv (etanol) de potências máximas a 6.000rpm e torques máximos de 15,2kgfm (g) e 15,3(e) a 4.800rpm

Transmissão
Tração dianteira, com câmbio CVT de infinitas relações de transmissão e conversor de torque

Suspensão/roda/pneus
Dianteira, independente, do tipo McPherson; e traseira, com barra de torção/6 x 16 polegadas (de liga leve) / 185/55 R16

Direção
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica regressiva

Freios
Disco na dianteira e tambor na traseira, com ABS e EBD (distribuição eletrônica de frenagem)

Peso
1.137 quilos

Capacidades
Tanque, 46 litros; de carga (passageiros e bagagem), 383kg

Equipamentos
De série
Airbag duplo frontal e laterais nos bancos dianteiros, ar-condicionado digital com comando sensível ao toque, câmera de ré, sistema multimídia com monitor de 5 polegadas e oito alto-falantes, coluna de direção ajustável em altura e distância, banco traseiro bipartido, rádio CD MP3/WMA com SVC e conexão P2 integrado no painel, Bluetooth, retrovisores elétricos com sinalizador de direção, acabamento do volante em couro com controles de áudio, revestimento dos bancos em couro, controle automático de velocidade, entre outros.

Opcionais
Não há

Quanto custa
O Honda City 1.5 EXL tem preço sugerido de R$ 69 mil.

Avaliação técnica
Acabamento da carroceria
Algumas partes móveis estão descentralizadas e desniveladas em relação à carroceria. A tampa do porta- malas tem montagem razoável. A pintura contém imperfeições no verniz e impurezas. NEGATIVO

Vão do motor
O acesso à manutenção é bom e o vão é organizado e limpo. O capô é sustentado aberto por vareta manual e tem bom ângulo de abertura. Os itens de verificação constante têm fácil identificação e manuseio. O resultado da insonorização (painel de fogo e interno do capô) é razoável. POSITIVO

Altura do solo
Toda a parte inferior do motopropulsor tem proteção por chapa plástica de resistência razoável. Em saídas de garagem com desnível raspa a frente, mas trafega satisfatoriamente sobre piso usual irregular urbano e rodovias, inclusive com carga útil de 380kg. REGULAR

Climatização
É automática digital. A caixa de ar tem sete velocidades. Não tem difusor de ar específico para os passageiros de trás, e os quatro do painel apresentaram boa vazão e angulação das aletas internas e externas. Apresentou bom funcionamento. POSITIVO

Freios
Estão bem dimensionados e calibrados para o peso do veículo (1.137kg) e motorização. O pedal de freio tem boa sensibilidade e o ABS atuou com precisão. O freio de estacionamento sustenta bem o veículo carregado sobre piso inclinado usual. Em frenagem de emergência simulada, com o veículo em velocidade, a desaceleração foi balanceada nos dois eixos e com manutenção da trajetória, além de o espaço percorrido até a imobilização ser coerente com a velocidade. POSITIVO

Câmbio
Apresentou bom funcionamento. Para se ter algum ganho na dinâmica é bom selecionar a alavanca em S. No quadro de instrumentos tem display informando a opção selecionada e/ou marcha engatada. A resposta em kick down é aceitável para um sistema CVT. POSITIVO

Motor
Não tem brilho dinâmico, mas a sua dirigibilidade é satisfatória. As retomadas de velocidade e aceleração são razoáveis, passando a aceitável quando com carga útil máxima e ar-condicionado ligado, principalmente numa topografia irregular, onde é prejudicado por ter sua força máxima somente em alta rotação. POSITIVO

Vedação
Boa contra água e poeira. POSITIVO

Nível interno de ruído
O efeito aerodinâmico é contido, mesmo em alta velocidade. Os ruídos no habitáculo surgem ao trafegar sobre piso de paralelepípedo, asfalto malconservado e terra. REGULAR

Suspensão
Incomoda a transferência das imperfeições do solo, principalmente no eixo traseiro. E piora com carga máxima. A estabilidade é muito boa e traz prazer na condução pela precisão, rapidez e mínima inclinação no contorno de curvas de raios variados. REGULAR

Direção
A assistência é elétrica regressiva, com cargas bem definidas para uso na cidade/estacionamento e em rodovias. A velocidade do efeito retorno e o diâmetro de giro são razoáveis. A precisão na reta e em curvas é muito boa e as suas reações têm boa sensibilidade. A coluna de direção tem ajuste em altura e distância, com ótimo curso. POSITIVO

Iluminação
Não tem sensor crepuscular. Há luz de cortesia somente no porta-malas e é ineficiente pela pouca claridade gerada para a área do vão. No teto tem uma lanterna central e dois spots fixos junto ao retrovisor. Os faróis têm duplo refletor e apresentaram uma boa eficiência no baixo/alto, mas não contam com regulagem elétrica de altura em função da carga transportada. Há faróis auxiliares. O quadro de instrumentos tem iluminação permanente e fácil leitura, assim como o console central, que tem porta- treco iluminado e funções do ar condicionado digital. Somente a tecla de abertura do vidro do condutor, a tecla para travar/destravar as portas e tecla de bloqueio dos vidros têm iluminação. REGULAR

Limpador do para-brisa
Não tem sensor de chuva. As palhetas apresentaram boa qualidade e varrem uma área satisfatória no para-brisa. Os esguichos são do tipo spray em V, com boa vazão e pressão. É fácil a reposição d’água no reservatório instalado dentro do vão motor. REGULAR

Estepe/macaco
O estepe é do tipo temporário e específico para pequenos deslocamentos a baixa velocidade, cultura esta que não é prática nem funcional no Brasil pela baixa qualidade da manutenção de várias ruas e rodovias. A operação de troca é normal. NEGATIVO

Ferramentas
Tem uma chave de fenda simples. POSITIVO

Alarme
Somente a porta do condutor tem o vidro com função um toque, onde o sistema antiesmagamento atuou precisamente. A chave de ignição é do tipo canivete e nela estão inseridas as teclas de travar/destravar as portas e a de abertura do porta-malas. Há proteção perimétrica das partes móveis, mas não tem a volumétrica dentro do habitáculo, contra a invasão pela quebra dos vidros. Ao dar comando para travar as quatro portas os vidros não sobem automaticamente. REGULAR

Volume do porta-malas
O declarado é 536 litros, sendo encontrados 485 litros, utilizando-se somente o plano superior da tampa do assoalho, que tem fundo falso.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan.
www.danieltecnodan.com.br

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
Queremos sua ajuda para deixar a experiência no VRUM ainda melhor! Participe Participe