Volkswagen cross up! aposta em off-road de aparência mas esbarra no preço

Subcompacto ficou ainda mais divertido com detalhes off-road, mas custo/benefício pode atrapalhar vendas. Segurança cinco estrelas, baixo e consumo e bom desempenho são marcas do cross up!

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/02/2015 12:12 / atualizado em 09/02/2015 10:54 Thiago Ventura /Portal Vrum
Não se engane: visual off-road é apenas aparência - Thiago Ventura/EM/D.A Press Não se engane: visual off-road é apenas aparência


Na onda dos veículos com visual aventureiro, o Volkswagen up! também recebeu sua fantasia off-road. Baseado na versão high, o cross up! oferece detalhes diferenciados, mas nada de melhorias técnicas que facilitam a vida em terrenos irregulares. Mas para quem gosta de se sentir diferente nas ruas, pode ser uma alternativa.

VEJA MAIS FOTOS DO CROSS UP!


O veículo é equipado com o motor EA211 três cilindros 1.0 12V e pode ser equipado com câmbio manual de cinco marchas ou automatizado I-Motion. Entre os principais iten de série, direção e trio elétrico,computador de bordo com 10 funções, repetidores de seta nos retrovisores e sensor de estacionamento.

Interior possui acabamento com plásticos de qualidade e sem rebarbas - Thiago Ventura/EM/D.A Press Interior possui acabamento com plásticos de qualidade e sem rebarbas


O modelo segue com a medalha de cinco estrelas de segurança no LatinNCAP e selo A de eficiência energética do Inmetro. Mas a Volkswagen cobra caro por isso. O preço parte dos R$ 40.790, ou seja R$ 900 a mais que a versão high up! com câmbio manual. O automatizado parte dos R$ 43.840. A opção topo de linha do subcompacto continua sendo a a black/white/red up! por R$ 44.890.



Design

O cross up! é oferecido somente na carroceria quatro portas e o principal destaque visual é a moldura prateada na parte central dos para-choques dianteiro e traseiro. Os faróis têm máscara negra e as luzes de neblina (de série) possuem uma moldura cromada.

O carro possui ainda rack no teto, que é funcional e capaz de transportar cargas de até 45 kg, como duas bicicletas, por exemplo. A peça e as capas dos retrovisores também exibem acabamento prateado.

São apenas 3,68m de comprimento - Thiago Ventura/EM/D.A Press São apenas 3,68m de comprimento


Uma moldura preta faz o contorno do veículo, incluindo a caixa de rodas. Na parte dianteira e traseira, outra peça prateada é aplicada no elemento. Nas portas traseiras, um logotipo ‘cross up!’ identifica a versão.

O veículo é equipado de série com rodas de liga leve de 15 polegadas “Zurique”, exclusivas da versão. Os pneus 185/60 R15 são do tipo “verdes”, com baixa resistência ao rolamento, mas não são próprios para o off-road. Inclusive, nem a suspensão foi elevada, outra alteração típica dos aventureiros.

Motor 1.0 de três cilindros: econômico e com bom desempenho - Thiago Ventura/EM/D.A Press Motor 1.0 de três cilindros: econômico e com bom desempenho


No interior do modelo, a exclusividade da versão fica na base reta do volante e nos bancos de tecido cinza com o logotipo “cross up!” aplicado nos encostos dianteiros. O painel segue a receita do high-up!, que inclui acabamento na cor da carroceria e revestimento em couro do volante.

O cross up! mede 3.628 milímetros de comprimento (acréscimo de 23 milímetros sobre o up!), 1.649 milímetros de largura e 1.506 milímetros de altura. Seu entre-eixos tem 2.421 milímetros de comprimento. O peso com câmbio manual fica nos 960 quilos e 959 kg com a caixa automatizada.

Bancos tem desenho próprio da versão - Thiago Ventura/EM/D.A Press Bancos tem desenho próprio da versão


O resultado visual é muito bem acertado e deixa o cross up! com aspecto ainda mais divertido que as versões ‘civis’ do subcompacto. O modelo chama atenção, principalmente se pintado em cores vibrantes, mas ainda mantém a máxima: é um design ‘ame ou odeie”.

Ao volante


Apesar das firulas da versão aventureira, o modelo continua com a boa dirigibilidade das outras versões do up!. O motor três cilindros 1.0 12V oferece 82 cavalos de potência com etanol ou 75 cv quando abastecido com gasolina. Os números de torque ficam nos 10,4 kgfm a 3.000 rpm com etanol e de 9,7 kgfm à gasolina. Contudo, 85% do torque já estão disponíveis com 2.000 rotações.

Conta-giros é pequeno e de difícil leitura - Thiago Ventura/EM/D.A Press Conta-giros é pequeno e de difícil leitura


O resultado é um veículo muito esperto na cidade e que não faz feio também na estrada. O up! responde bem ao pedal e permite boa aceleração nas arrancadas e retomadas, claro, para a categoria. Durante nosso test-drive, encaramos um trecho de fortes aclives e declives entre Belo Horizonte e o distrito de Casa Branca, atravessando o Parque Estadual Serra do Rola Moça. Mesmo com motor 1.0, o veículo deu conta do recado, sem sofrimentos para subir morros. O cross up! até se dá bem em estradas de terra em boas condições, mas se você pretende encarar algum off-road de verdade, entenda: de aventureiro, só os adereços.

O motor casa muito bem com o câmbio manual MQ200 com engates curtos e precisos. Como as outras versões, é bem gostoso de dirigir. O cross up! oferece bom torque mesmo em baixas rotações e não é necessário tantas trocas de marcha. O computador de bordo exibe o número da marcha engatada e orienta o motorista para reduzir ou avançar de marcha para reduzir o consumo.

Câmbio manual tem engates precisos - Thiago Ventura/EM/D.A Press Câmbio manual tem engates precisos


E por falar em consumo, o modelo terminou o teste com média a longo prazo de 13,8 km/l mesclando trechos urbanos e rodoviários. Em alguns percursos curtos e sem trânsito, chegou aos 18 km/l. Mas por outro lado, registrou apenas 11 km/h numa tocada mais ‘esportiva’.

A suspensão transmite as irregularidades do piso, mas sem incomodar tanto os passageiros. Mesmo sem controle eletrônico, o modelo tem boa estabilidade e faz curvas sem cantar pneus e mantendo a trajetória com segurança. O sistema de freios (disco ventilado no eixo dianteiro e tambor no eixo traseiro) é eficiente.

Vida a bordo

Mesmo com apenas 3.628 mm de comprimento, o modelo tem espaço bem aproveitado, graças aos pneus alocados nas extremidades do subcompacto. Motorista e passageiro da frente viajam com conforto, se comparado aos concorrentes do segmento.

Cadê a entrada USB da central multimídia? - Thiago Ventura/EM/D.A Press Cadê a entrada USB da central multimídia?


O condutor tem os comandos à mão e o volante possui ajuste de altura. Com controle elétrico dos retrovisores e regulagem da altura do banco do motorista, é fácil conseguir boa posição de dirigir. Os computador de bordo é acessado com dois botões na seta do limpador de parabrisa.

O ar-condicionado (opcional) possui sistema de difusores diferente do convencional. São duas saídas direcionais nas extremidades do painel e apenas uma central, fixa voltada para o teto. No começo é estranho, mas depois percebe-se que o sistema funciona e esfria a temperatura da cabine rapidamente.

No número de passageiros, uma pegadinha. O cross up! é homologado para cinco passageiros, mas o ideal são apenas quatro. É uma tortura transportar três pessoas no banco traseiro. Mas, sem o passageiro do meio, o espaço para a turma de trás é condizente com a categoria. Nessa versão, estão disponíveis encosto de cabeça para todos, mas o passageiro do meio possui apenas cinto de segurança abdominal. O cross up! possui sistema Isofix para cadeirinhas infantis e recebeu quatro estrelas no LatinNcap de segurança para crianças.

Rodas 15 Rodas 15" são de série. Pneus não são de uso misto


O volume declarado do porta-malas é de 285 litros, ou 976 com os bancos rebatidos. A grande sacada para maximizar o reduzido espaço é o sistema ‘s.a.v.e’, uma prateleira que divide o porta-mas em duas partes para levar mais bagagem.

O acabamento do modelo é fator positivo. As peças são bem encaixadas, sem espaço para rebarbas. Nesta versão, há um mix de cores, com detalhes em prata e o painel na cor da carroceria, que deixa o interior mais divertido. Os plásticos são de boa qualidade, assim como pequenos detalhes de acabamento nas portas, no pomo do câmbio e no volante revestido em couro.

O Maps&More (opcional) é uma central multimídia touch-screen com tela removível de cinco polegadas. Além da reprodução de mídia, exibe informações de desempenho do veículo, computador de bordo, status da abertura das portas e gráfico do sensor de estacionamento. Há um GPS integrado com bons gráficos, mas que ficou perdido em alguns trechos na capital mineira. Mesmo não sendo de marca premium, possui um som de qualidade. Há conexão Bluetooth, mas comete um pecado: não há entrada USB. Por outro lado, pode ser utilizado um cartão MicroSD.

Vidros elétricos traseiros? Nem como opcional - Thiago Ventura/EM/D.A Press Vidros elétricos traseiros? Nem como opcional


Custo/benefício


Até aqui descrevemos um bom carrinho descolado com visual de passeio de fim de semana. É econômico, seguro e oferece bom desempenho. Seria uma ótima opção no mercado, mas sofre com um calcanhar de Aquiles: o custo/benefício. Devido às tecnologias embarcadas não é um carro barato e peca por não oferecer o ar-condicionado como item de série. Para comprar um modelo como o que aparece nas fotos, o consumidor terá que desembolsar R$ 46.059, que incluem ar-condicionado (R$ 3.160) e o Maps&More (R$ 2.109). Há ainda opção dos bancos de couro por R$ 758. As cores metálicas custam outros R$ 1.168 (ou R$ 1.757 no caso da amarelo Saturno).

Com aproximadamente R$ 5 mil a mais é possível subir de categoria e comprar um aventureiro com mais espaço e motor. O best-seller da categoria Renault Sandero Stepway 1.6 8V custa R$ 50.550, enquanto o Toyota Etios Cross 1.5 16V vale R$ 51.050 e o Hyundai HB20X 1.6 é vendido por R$ 52.400. O Volkswagen Gol Rallye 1.6 16V custa R$ 55.650, enquanto o CrossFox é comercializado por surreais R$ 60.990.

Thiago Ventura/EM/D.A Press


A opção de aventureiro 1.0 mais barato no Brasil é o Fiat Palio Fire Way, que sai por R$ R$36.691 completo. O italiano é R$ 10 mil mais barato que o cross up!, mas tem projeto ultrapassado. A Volkswagen também tem outra opção, o Gol Track 1.0 por R$ R$ 46.390 (com todos os opcionais).

A pedra no sapato do up!, contudo, é o Ford Ka. Caso o comprador não faça questão do visual off-road, tem a opção de comprar por R$43.190 o Ka SEL 1.0 que além dos mesmos itens de conforto e estilo, ainda oferece controles eletrônicos de estabilidade e tração e assistente de rampas.

Notas

Desempenho -10
Consumo - 10
Segurança - 10
Estabilidade - 9
Acabamento - 8
Espaço interno - 7
Porta-malas - 6
Estilo - 8
Equipamentos - 5
Custo/benefício -5


Conclusão

O Volkswagen cross up! mantém as qualidades da família, com baixo consumo, bom desempenho e nível de segurança melhor que veículos de categoria superior. O custo/benefício não é dos melhores, mas para quem gosta de um visual descolado e já estava disposto a levar um high up! ou red up! para a garagem, vale a pena pagar a diferança pelo cross.

Roupa off-road deixou o carrinho ainda mais bonito - Thiago Ventura/EM/D.A Press Roupa off-road deixou o carrinho ainda mais bonito


Ficha Técnica - Volkswagen cross up! 1.0 12V

Motor: 1.0 três cilindros 12V
Potência: 82 cv (etanol)
Torque: 10,4 kgfm (etanol)
Câmbio: manual de cinco marchas
Pneus: 185/60 R15
Direção elétrica
Peso: 960 quilos
Comprimento: 3.628 mm
Distância entre-eixos: 2.421 mm
Altura: 1.506 mm
Largura: 1.914 mm
Volume do porta malas: 285 litros
Tanque Combustível: 50 litros

Principais itens de série:

Tro elétrico
Sensor de estacionamento
Sistema Isofix
Rodas de liga-leve 15”
Volante em couro sintético
Repetidores de seta no retrovisores

Preço:
R$ 40.790 (manual)
R$ 43.840 (I-Motion)

Veja mais fotos do cross up! - Thiago Ventura/EM/D.A Press Veja mais fotos do cross up!

Tags: teste

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação