Volkswagen Golf 1.4 TSI manual é o carro para quem gosta de tradição

Mecânica moderna, baixo consumo e muita força conquistam quem gosta de dirigir, mas preço alto impede que o Golf seja opção de mais brasileiros que gostam de modelos com temperamento esportivo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 17/03/2015 14:30 / atualizado em 18/03/2015 12:03 Marcello Oliveira /Portal Vrum

Thiago Ventura/EM/D.A Press
 

Não é preciso buscar por números oficiais de vendas para saber que os carros mais caros disponíveis no mercado quase não vendem em suas versões de câmbio manual. Com o Volkswagen Golf não é diferente. Quer deixar um vendedor em 'maus lençóis', vá a uma concessionária e demonstre interesse em um Golf com caixa manual. Dificilmente ele terá essa configuração para atendê-lo imediatamente e vai tentar empurrar o automatizado DSG, alegando que é o "mais vendido, o mais confortável, o mais procurado e com a revenda mais fácil". Tudo isso pode até ser verdade, mas no Brasil ainda temos um seleto clube dos que preferem sentir o carro por completo, integralmente no comando.

VEJA FOTOS DO GOLF 1.4 TSI MANUAL!

Na ocasião do lançamento oficial do novo Golf, em 2013, um diretor de uma rede de concessionárias Volkswagen me revelou que um famoso empresário já havia encomendado a versão mais completa do Golf Highline, com o pacote 'Premium', mas fazia questão do câmbio manual.

É em nome da esportividade e do verdadeiro prazer em dirigir, que fizemos a avaliação na versão manual do novo Golf. A unidade cedida pela Volkswagen é da versão Comfortline, a de entrada, porém, com todos os pacotes opcionais possíveis. É um alemão, ou seja, contem alguns itens de série que não são mais oferecidos desde que ele passou a ser fabricado no México.

Acabamento do Comfortline é de ótima qualidade, mas extremamente simples para um modelo que parte dos R$ 73,8 mil - Thiago Ventura/EM/D.A Press Acabamento do Comfortline é de ótima qualidade, mas extremamente simples para um modelo que parte dos R$ 73,8 mil


Motor e câmbio

 

São 25,5 kgfm de torque disponíveis integralmente já a partir dos 1.500 rpm no motor 1.4 turbo com injeção direta de combustível e 140 cv. É só pisar que ele acorda silenciosamente. Na faixa até os 4.500 rpm você consegue extrair o melhor deste motor com baixo consumo de combustível.

ASSISTA AO VÍDEO:



Com engates justos, precisos e suaves e curso curto, o câmbio manual de seis velocidades é simplesmente uma delícia, um dos prazeres do carro. A embreagem tem calibragem mais puxada para a esportividade. Mesmo com o peso dentro do esperado, poderia ser mais leve, mas nada que chega a incomodar os entusiastas do câmbio manual.

Golf oferece desde a versão mais barata sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um de joelho para o motorista - Thiago Ventura/EM/D.A Press Golf oferece desde a versão mais barata sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um de joelho para o motorista


Consumo

 

Com um conjunto bem acertado, um dos trunfos do Golf 7 é o baixo consumo. Segundo dados apurados pelo Inmetro, ele roda 11,7 km/l na cidade e 13,3 km/l na estrada. Isso é bem próximo dos nossos números, que foram 11,2 km/l e 14,0 km/l obtidos na cidade e em estrada respectivamente. Por enquanto, o Golf é equipado somente com propulsor a gasolina, mas ao ser nacionalizado, em 2016, deverá virar flex.

Vida a bordo

 

Mesmo sendo a versão de entrada do Golf, ele já vem recheado de equipamentos, mesmo após ter perdido itens que equipavam as unidades produzidas na Alemanha, como o freio de estacionamento eletro-hidráulico (agora é o freio com alavanca convencional) e o Auto Hold – um sofisticado sistema interligado ao freio eletro-hidráulico, que foi substituído pelo Hill Assist, um sistema bem mais simples, que segura o carro por três segundos em ladeiras, o mesmo já usado na Saveiro e no Fox.

Versão manual do novo Golf une esportividade e o verdadeiro prazer em dirigir - Thiago Ventura/EM/D.A Press Versão manual do novo Golf une esportividade e o verdadeiro prazer em dirigir


Porém os ocupantes ainda são brindados com vidros com função 'um toque', apoio de braço trasiero com porta-copos, travamento central elétrico, chave tipo canivete, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros com visualizador gráfico, central multimídia com tela sensível ao toque de 5,8 polegadas, bluetooh, entradas para cd player e cartões SD, além de um cabo para iPod e iPhone. O Golf peca em todas as versões por não oferecer entradas USB, uma das mais usadas no Brasil para o compartilhamento de mídias.

O acabamento do Comfortline é de ótima qualidade, mas extremamente simples para um modelo que parte dos R$ 73,8 mil. Os bancos são forrados em tecido e o painel frontal e de portas dianteiras tem textura macia, mas nas portas traseiras são de plástico duro. O ar condicionado é de ajuste manual, mas possui saídas para o banco traseiro.

diferença do Golf Comfortline para o Highline é de R$ 6,7 mil considerando apenas as versões sem opcionais. A vantagem do Highline está no acabamento e itens de série - Thiago Ventura/EM/D.A Press diferença do Golf Comfortline para o Highline é de R$ 6,7 mil considerando apenas as versões sem opcionais. A vantagem do Highline está no acabamento e itens de série


Com nota máxima nos teste de colisão do Latin Ncap, o Golf oferece desde a versão mais barata sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um de joelho para o motorista), além de bloqueio eletrônico do diferencial (EDS), retrovisor interno eletrocrômico, sistema Isofix de fixação de cadeirinhas e dispositivos de retenção infantil, faróis e lanternas de neblina.

Também é de série os controles de tração e eletrônico de estabilidade. Com eles, a viagem segue tranquila, como se o carro estivesse sobre trilhos. Sem sustos e sem derrapagens. Para notar a diferença, basta desligar o controle de estabilidade. Com o câmbio manual, é possível arrancar cantando pneu com os controles desligados. Contornando uma rotatória ou praça, é possível ver os sistemas entrando em ação e segurando o carro dentro da curva, evitando possíveis escapadas de traseiras (confira a demonstração no vídeo).

Segundo dados apurados pelo Inmetro, ele roda 11,7 km/l na cidade e 13,3 km/l na estrada - Thiago Ventura/EM/D.A Press Segundo dados apurados pelo Inmetro, ele roda 11,7 km/l na cidade e 13,3 km/l na estrada


Comfortline X Highline

 

A diferença do Golf Comfortline para o Highline é de R$ 6,7 mil considerando apenas as versões sem opcionais. A vantagem do Highline está no acabamento e itens de série. Os bancos são revestidos parcialmente em couro alcântara, o volante é multifuncional, as portas dianteiras tem um fio em Led que se destaca a noite e as lanternas traseiras são em Led.

O Comfortline testado está equipado com todos os opcionais possíveis, como teto solar elétrico panorâmico (R$ 5.199), pacote elegance composto por rodas de liga leve aro 17 polegadas, volante multifuncional, sistema de navegação, sensores de chuva e crepuscular e piloto automático (R$ 8.721); totalizando R$ 87.720.

Já a versão Highine manual começa em R$ 80,5 mil e chega a inimagináveis R$ 126.674 com todos os opcionais.

Thiago Ventura/EM/D.A Press
Thiago Ventura/EM/D.A Press
Thiago Ventura/EM/D.A Press
VEJA MAIS FOTOS - Thiago Ventura/EM/D.A Press VEJA MAIS FOTOS
VEJA FOTOS DO GOLF TSI!

Tags: teste

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação