Foco no conforto

Fiat Toro Volcano automática é confortável, mas pouco ágil em manobras; confira o teste!

Desta vez, testamos a versão topo de linha Volcano 4x4 da Fiat Toro, que casa o motor 2.0 a diesel com um câmbio automático de nove marchas. Confira como ela se saiu

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/07/2016 10:37 Pedro Cerqueira /Estado de Minas
Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Mesmo lançada há quatro meses, as linhas poucos convencionais da Fiat Toro continuam chamando a atenção nas ruas. Desta vez, testamos a versão Volcano da picape, topo de linha e disponível apenas com o motor 2.0 a diesel e câmbio automático de nove marchas. Ao contrário do casamento do motor a diesel com o câmbio manual de seis marchas, com o automático o conforto não está só no fato de não ter que cuidar da embreagem e das trocas na alavanca. O principal ganho aqui é não ter que se preocupar de subir o giro até 2.000rpm para que o motor não apague, como acontece com a Toro manual.

Usada apenas para partir em aclives, a primeira marcha é bastante reduzida. No plano ou em pequenas subidas, o veículo parte de segunda marcha mesmo. Buscando reduzir o consumo de combustível em rodovias, da sexta marcha em diante todas são multiplicadas, permitindo rotações baixas em altas velocidades. Já no para e anda da cidade, a picape não é nada econômica. A tração integral sob demanda contribui com a eficiência energética e a estabilidade do veículo, tendo também a opção da tração 4x4 permanente e reduzida.

A gestão do câmbio automático é eficiente e logo reconhece quando o motorista precisa de desempenho – reduzindo uma ou duas marchas e esticando as rotações – ou está dirigindo tranquilo, mantendo as rotações baixas e economizando combustível. As trocas manuais podem ser feitas pela alavanca de câmbio ou, como opcional, nas aletas próximas ao volante. Já a tração pode ser facilmente escolhida em um seletor localizado no console, realizando trocas inclusive com o veículo em movimento.

Detalhe interessante da picape é a tampa bipartida da caçamba, que facilita o carregamento - Ramon Lisboa/EM/D.A Press Detalhe interessante da picape é a tampa bipartida da caçamba, que facilita o carregamento
POUCA AGILIDADE Apesar de ter bons números de potência (170cv a 3.750rpm) e torque (35,7kgfm a 1.750rpm), o desempenho da picape não é dos mais brilhantes. É que os 1.871 quilos do veículo não são fáceis de serem vencidos da inércia. Porém, depois desse estágio, com a turbina a toda, o veículo desenvolve bem. Mas a característica que mais incomoda o motorista é a falta de agilidade em manobras. Mesmo tendo medida entre-eixos menor do que as das picapes médias (um dos fatores preponderantes para se ter agilidade), a Toro tem o diâmetro de giro semelhante às grandalhonas, não se beneficiando de seu porte menos avantajado para ficar mais esperta.

Depois da inércia, com a turbina do motor 2.0 de 170cv a toda, o veículo desenvolve bem - Ramon Lisboa/EM/D.A Press Depois da inércia, com a turbina do motor 2.0 de 170cv a toda, o veículo desenvolve bem
À BORDO O acabamento poderia ser mais esmerado, já que o aspecto dos plásticos usados deixa a desejar, principalmente o aplique com cor de bronze escurecido no painel e nas portas. O interior carece de bons porta-trecos. Os bancos em couro são opcionais. O interior é confortável, mas o acesso é ruim. É que, apesar de a picape ter porte elevado, em relação ao assoalho o teto é baixo, obrigando o passageiro a se encolher para adentrá-la.

Acabamento poderia ser mais esmerado, já que o aspecto dos plásticos usados deixa a desejar - Ramon Lisboa/EM/D.A Press Acabamento poderia ser mais esmerado, já que o aspecto dos plásticos usados deixa a desejar
Os bancos dianteiros acomodam bem os ocupantes. Como opcional, o assento do motorista conta com ajustes elétricos. Em compensação, o banco do passageiro não tem nem ajuste manual em altura. O espaço para os passageiros de trás é relativamente bom, mas falta saída do ar-condicionado ali. O banco traseiro tem apoios de cabeça e cintos de segurança de três pontos para todos, além de sistema Isofix para fixação de assentos infantis. A traseira alta da picape compromete a visibilidade e a câmera de ré é fundamental nas manobras.

Espaço para os passageiros de trás é relativamente bom, mas falta saída do ar-condicionado - Ramon Lisboa/EM/D.A Press Espaço para os passageiros de trás é relativamente bom, mas falta saída do ar-condicionado
Outros pontos positivos são: a abertura bipartida da tampa da caçamba, que além de estilosa a deixa leve de manusear; a suspensão traseira multilink, que proporciona estabilidade e conforto; o bom tamanho da caçamba, para uma picape de cabine dupla de porte intermediário; e visibilidade frontal, pela posição elevada de dirigir. O preço da versão testada parte de R$ 120.670. Repleta de opcionais como pintura metálica, airbags laterais, de cortina e de joelho, capota marítima, entrada e partida sem chave, partida remota e sensor de pressão dos pneus, além de outros já citados na reportagem, o valor da unidade testada sobe para R$ 131.906.

Mesmo lançada há quatro meses, as linhas poucos convencionais continuam chamando a atenção - Mesmo lançada há quatro meses, as linhas poucos convencionais continuam chamando a atenção

Tags: fiat toro picape automática Fiat Toro Fiat Toro Volcano câmbio automático nove velocidades Portal VRUM Estado de Minas

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação