Agora menos careta

Teste: Novo Chevrolet Prisma LTZ tem eficiente motor 1.4, mas peca nos detalhes

Com novo visual, Chevrolet Prisma 1.4 LTZ se destaca pelo bom conjunto mecânico, porta-malas espaçoso e boa lista de equipamentos de série. Mas peca nos detalhes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 15/10/2016 09:51 / atualizado em 17/10/2016 15:20 Enio Greco /Estado de Minas

Euler Júnior/EM/D.A Press
A General Motors não teve medo de mexer em time que está ganhando e quando resolveu dar um tapa no visual do hatch compacto Onix não pensou duas vezes para fazer o mesmo com o sedã derivado dele, o Prisma. Ambos ganharam a mesma frente, mais moderna, e o três-volumes uma traseira equilibrada, formando um belo conjunto. Testamos a versão topo de linha equipada com o eficiente motor 1.4 e câmbio automático de seis velocidades, que se saiu bem na cidade e na estrada, com bom desempenho e baixo consumo de combustível. Mas o modelo peca em alguns detalhes, como o encosto do banco traseiro inteiriço e o volante ajustável somente em altura. O novo Prisma é bem equipado, porém, como seus concorrentes diretos, tem preço salgado.

VISUAL Líder no segmento de sedãs compactos, o Chevrolet Prisma abre cada vez mais distância de seus principais competidores, o Hyundai HB20S, Fiat Grand Siena e Toyota Etios Sedan. Vale lembrar que somente os modelos das marcas coreana e japonesa oferecem a opção do câmbio automático como o Prisma. Os demais contam com o câmbio automatizado. E para consolidar ainda mais a liderança, a GM resolveu modernizar o visual do sedã compacto, aplicando a mesma frente do Onix, com grade mais horizontalizada e estreita, dividida em duas seções, com molduras cromadas. Parece bobagem, mas deu outro aspecto ao carro.

Os faróis com novo desenho mais estreito e uma assinatura com LEDs deram um toque de modernidade. O modelo ganhou vincos marcantes no capô e nas laterais, ressaltando a linha de cintura elevada. O desenho equilibrado se completa com a traseira curta com novas lanternas triangulares e tampa do porta-malas com defletor de ar inserido na extremidade. As belas rodas de liga leve aro 15 polegadas dão o toque final.

Euler Júnior/EM/D.A Press
ESPAÇO Como se espera de um bom sedã, o Prisma traz entre os seus destaques o porta-malas espaçoso. Com seus 500 litros de capacidade, é muito bom para um compacto. Porém, falta revestimento na parte interna da tampa do porta-malas e o encosto do banco traseiro é inteiriço, limitando a flexibilidade no transporte de objetos maiores. Além disso, falta ali o terceiro apoio de cabeça e o cinto de segurança central é subabdominal. O espaço interno no Prisma é ideal para quatro pessoas, pois no meio do banco traseiro só mesmo uma criança para se acomodar com relativo conforto. Na frente, os bancos são confortáveis e o do motorista conta com ajuste de altura e inclinação do assento. Já o volante pode ser regulado somente em altura, e não em distância.

Painel é funcional, com comandos à mão e tem acabamento em plástico duro - Euler Júnior/EM/D.A Press Painel é funcional, com comandos à mão e tem acabamento em plástico duro

Euler Júnior/EM/D.A Press
ACABAMENTO O acabamento interno da linha 2017 do Prisma melhorou um pouco. O revestimento dos bancos mescla tecido e couro sintético, mas o plástico duro no painel permanece firme e forte, porém é de boa aparência e bem montado. O porta-luvas é pequeno. Não cabe quase nada. O painel é funcional e tem uma tela central tátil do sistema MyLink, por meio da qual é possível acessar o áudio, galeria de fotos, o Bluetooth e ainda ver a imagem reproduzida pela câmera traseira, além do navegador. Para facilitar a vida do motorista, o volante conta com comandos do som e controlador de velocidade. Mas o computador de bordo só pode ser acessado por um botão no painel e na manete de seta. É um carro ergonomicamente correto, com todos os comandos à mão e instrumentos de fácil visualização.

DESEMPENHO Mas o destaque vai mesmo para o motor 1.4 flex, que apesar de ser antigo, foi retrabalhado e ficou bem melhor. Com bom torque em baixa rotação e potência suficiente para sua cilindrada, o motor responde rápido nas arrancadas e retomadas de velocidade, tornando a dirigibilidade prazerosa tanto na cidade quanto na estrada. O único problema é que quando o giro sobe, ele fica muito ruidoso. O câmbio automático tem seis marchas bem escalonadas e se adapta à maneira de dirigir do motorista. As mudanças são feitas de forma suave e sem trancos na posição D, mas também podem ser realizadas por meio de uma tecla no pomo do câmbio. Esta não é a melhor opção para o modo manual. No circuito misto entre cidade e estrada, o computador de bordo registrou consumo de 11,5km/l com gasolina.

Um dos principais atrativos é o porta-malas com capacidade de 500 litros - Euler Júnior/EM/D.A Press Um dos principais atrativos é o porta-malas com capacidade de 500 litros
As suspensões do Prisma transferem bem as irregularidades do solo para dentro do carro e em curvas o carro apresenta uma discreta tendência de tombar a carroceria. Por isso é melhor não exagerar. A direção com assistência elétrica progressiva foi um ganho significativo para o modelo, pois proporciona maior precisão e segurança em velocidades elevadas e conforto em manobras. Além de favorecer a economia de combustível. Os freios atuaram de forma eficiente.

VEREDICTO
O novo Chevrolet Prisma ficou mais moderno, mais bem equipado e com um conjunto mecânico eficiente. Porém, essa versão topo de linha tem preço salgado e fica devendo itens importantes, como controles de tração e estabilidade. Seus dois principais concorrentes – Hyundai HB20S e Toyota Etios Sedan – têm outras cartas na manga, mas também com preços exagerados. É preciso colocar na balança e examinar os detalhes para ver qual deles vai atender aos seus anseios.

CONECTIVIDADE
Para famílias conectadas

A Chevrolet quer conquistar os consumidores que procuram um sedã compacto, oferecendo alguns itens nem sempre encontrados na concorrência. Por isso, o Prisma 1.4 LTZ já sai de fábrica com a moderna central multimídia MyLink com Android Auto e Apple CarPlay, que permite que o motorista veja as funções do celular na tela tátil, podendo acessar funções e enviar mensagens por comandos de voz. Ao conectar o celular ao sistema, é possível usar o aparelho para executar alguns comandos, como abertura de portas. Já o moderno OnStar pode ser acessado por uma pequena tecla no retrovisor interno e assim é feito o contato com uma central de atendimento humano. Por meio dela é possível fazer navegação por setas, obter informações sobre o trânsito, restaurantes, teatros, farmácias, supermercados, e até bloquear o motor caso o carro seja roubado. O acesso é rápido e fácil, permitindo inclusive consultas na internet enquanto se dirige. Basta solicitar ao atendente.

Euler Júnior/EM/D.A Press
FICHA TÉCNICA

» MOTOR
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 1.398cm³ de cilindrada, 8 válvulas, com potências máximas de 98cv (gasolina) e 106cv (etanol) a 6.000rpm e torques máximos de 13kgfm (gasolina) e 13,9kgfm (etanol) a 4.800rpm

» TRANSMISSÃO
Tração dianteira e câmbio automático de seis marchas

» SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, do tipo McPherson, com barra estabilizadora; e traseira, semi-independente, com eixo de torção/ liga leve de 15 polegadas / 185/65 R15

» DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica progressiva

» FREIOS
Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, com ABS

» CAPACIDADES
Peso, 1.085 quilos; tanque, 54 litros; de carga (passageiros e bagagem), 375kg

EQUIPAMENTOS
» DE SÉRIE
Airbag duplo, monitoramento de pressão de pneus, freios com ABS e EBD, faróis com máscara negra, abertura do porta-malas por controle remoto, ar-condicionado, direção elétrica progressiva, sensor de estacionamento traseiro, trava elétrica nas portas, volante com controle das funções do rádio e telefone, banco do motorista com regulagem de altura, banco traseiro rebatível, Chevrolet MyLink com tela LCD tátil de sete polegadas, integração com smartphones através do Android Auto e Apple CarPlay, rádio AM/FM, entrada USB e Aux-in, função áudio streaming, conexão Bluetooth para celular e configurações do veículo, volante com revestimento em couro, faróis de neblina, luz de posição em LED, retrovisores externos elétricos, rodas de alumínio aro 15 polegadas com superfície usinada, câmera de ré, computador de bordo, vidro elétrico nas portas dianteiras e traseiras com acionamento por um toque, antiesmagamento e fechamento/abertura automática pela chave e tecnologia OnStar.

» OPCIONAIS
Pintura metálica, controlador de velocidade de cruzeiro com comandos no volante, transmissão automática de seis velocidades com opção de troca manual de marchas Active Select.

Euler Júnior/EM/D.A Press
QUANTO CUSTA?

O Chevrolet Prisma 1.4 é vendido na versão LT a partir de R$ 53.690. Já a versão testada, a LTZ, tem preços que vão de
R$ 58.690, com câmbio manual, a R$ 66.090, com transmissão automática de seis velocidades .

NOTAS

» Desempenho     8
» Espaço interno     7
» Porta-malas     9
» Suspensão/direção     7
» Conforto/ergonomia     7
» Itens de série/opcionais     8
» Segurança     7
» Estilo     8
» Consumo     8
» Tecnologia     8
» Acabamento     8
» Custo/benefício     7

Matéria editada em 17/10/2016

Tags: teste vrum Chevrolet Prisma 1.4 LTZ Novo Prisma sedã compacto Estado de Minas

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
16 de janeiro de 2018
08 de janeiro de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação