Muito caro para o que oferece

Honda WR-V EXL 1.5 CVT tem características interessantes, mas não chega a ser um utilitário-esportivo

O modelo tem preço de SUV, mas, na prática, está mais para monovolume ou hatch compacto vestido de aventureiro. Apesar disso, tem bom conjunto mecânico e espaço interno flexível

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 22/05/2017 12:03 Enio Greco /Estado de Minas

A frente do modelo tem elementos que enfatizam a robustez, como o capô alto e friso largo cromado - Jair Amaral/EM/D.A Press A frente do modelo tem elementos que enfatizam a robustez, como o capô alto e friso largo cromado
 

Na sede insana de querer conquistar espaço no mercado, algumas montadoras acabam confundindo a cabeça do consumidor tentando vender gato por lebre. E quando o assunto é o segmento de SUVs, o mais cobiçado do momento, vale tudo para subir um ponto no ranking. Tem fabricante que acha que basta subir a suspensão de um hatch em alguns centímetros para transformá-lo em um utilitário-esportivo. A Honda tenta fazer isso com o WR-V, apresentado como um SUV, mas que não passa de uma versão aventureira do Fit. O modelo traz algumas diferenças no visual, mas é basicamente o mesmo carro, porém com preço bem superior. Com bom motor e câmbio CVT, o WR-V agrada pelo desempenho e espaço interno, mas fica devendo muita coisa para alcançar as pretensões do fabricante.

A lateral é idêntica à do Fit, mas tem adereços, e a altura em relação ao solo é maior - Jair Amaral/EM/D.A Press A lateral é idêntica à do Fit, mas tem adereços, e a altura em relação ao solo é maior

Com preço de R$ 83.400, o novo compacto da Honda teria potencial para concorrer com os hatches aventureiros disponíveis no mercado, como Renault Sandero Stepway, Chevrolet Onix Activ e Hyundai HB20x. Mas seu preço salgado cria uma distância muito grande com essa concorrência e se aproxima dos verdadeiros SUVs compactos, segmento no qual a Honda já tem o HR-V, a partir de R$ 79.900 na versão de entrada. E se o cidadão levar em consideração que o Fit EXL 1.5 CVT é vendido por R$ 78.900, vai chegar à conclusão que pagará R$ 4.500 por alguns poucos elementos visuais e a suspensão elevada, se quiser comprar o WR-V.

 

 

DIFERENÇAS Realmente, o WR-V tem algumas diferenças em relação ao Fit, mas se concentram mais no visual. A frente tem grade com ampla faixa cromada e capô mais alto, transmitindo a sensação de maior robustez. O para-choque também tem desenho diferente, mais recortado, com um defletor na cor cinza e uma moldura preta que contorna todo o carro, passando pela caixas de rodas, laterais e traseira. Visto de lado, o WR-V é exatamente igual ao Fit, se diferenciando pelos adereços de plástico e o rack de teto. Na traseira, a lanterna traz uma pequena diferença, com um pequeno apêndice que invade a tampa do porta-malas. O modelo tem desenho equilibrado e para quem gosta dos penduricalhos aventureiros, pode ser uma opção interessante.

Na traseira, friso cromado e um defletor de ar na cor cinza na parte inferior do para-choque - Jair Amaral/EM/D.A Press Na traseira, friso cromado e um defletor de ar na cor cinza na parte inferior do para-choque

A mudança mais significativa em relação ao Fit são as suspensões elevadas, mas mesmo chegando aos 17,4cm de altura em relação ao solo, é muito pouco para um modelo que pretende ser SUV. A versão vem equipada com rodas de liga leve aro 16 polegadas, calçadas com pneus de baixa resistência a rolagem, mas não são sequer de uso misto. Ou seja, de utilitário-esportivo o WR-V não tem praticamente nada.
O plástico predomina no acabamento interno, mas a montagem e os materiais são de boa qualidade - Jair Amaral/EM/D.A Press O plástico predomina no acabamento interno, mas a montagem e os materiais são de boa qualidade

POR DENTRO Porém, se deixarmos esta questão de lado, trata-se de um bom carro, com espaço interno honesto, que inclui porta-malas.com volume compatível com o segmento. O interior é interessante e chama a atenção pela flexibilidade dos bancos, que podem ser dobrados de diferentes maneiras, possibilitando configurações variadas, ampliando a área para o transporte de carga. Os bancos dianteiros são confortáveis e o do motorista conta com ajuste de altura, mas ficou devendo a regulagem lombar. Atrás, bom espaço para duas pessoas, já que no meio a saliência no assento e no encosto incomodam muito. O piso no assoalho ali é até mais baixo, mas não resolve o problema. Ponto para a segurança, já que ele tem de série três apoios de cabeça, cintos de segurança retráteis e Isofix para fixação de cadeirinhas infantis.

O espaço no banco traseiro é ideal para duas pessoas, já que no meio é desconfortável... - Jair Amaral/EM/D.A Press O espaço no banco traseiro é ideal para duas pessoas, já que no meio é desconfortável...

No acabamento interno predomina o plástico, de boa qualidade e montagem benfeita. Os bancos são revestidos com tecido bom, em tons e texturas diferentes. Os comandos estão próximos ao motorista, inclusive no volante, que é revestido em couro e tem ajuste de altura e distância. O detalhe negativo é que o volante tem o aro muito fino. O painel conta com instrumentos de fundo preto, de fácil visualização, e com indicador de marcha engatada. Tem também uma pequena tela digital com as informações do computador de bordo.
...mas os assentos e encostos podem ser dobrados, possibilitando diferentes configurações - Jair Amaral/EM/D.A Press ...mas os assentos e encostos podem ser dobrados, possibilitando diferentes configurações

DIRIGINDO O destaque do WR-V é o conjunto mecânico, que é exatamente o mesmo do Fit. O motor 1.5 flex é eficiente, com bom torque em baixas rotações, possibilitando arrancadas e retomadas de velocidade seguras. Quando solicitado, o motor responde rápido, mas tem funcionamento áspero em rotações mais elevadas. O compacto desenvolve bem na cidade e na estrada e chegou a registrar bons números de consumo no computador de bordo. O câmbio CVT contribui para a boa dirigibilidade do carro, proporcionando bom aproveitamento da força do motor, sem qualquer tipo de tranco. Ele não tem a opção de trocas manuais de marchas simuladas, mas conta com as posições S, que trabalha com o giro mais alto do motor, e L, mais reduzida. Faltou no WR-V o providencial auxílio de partida em rampa, que já é oferecido em modelos mais simples e mais baratos. Outra ausência sentida são os controles de tração e estabilidade, que deveriam ser de série em um modelo que custa mais de R$ 80 mil.

O porta-malas de 363 litros de volume tem bom tamanho para o porte do modelo - Jair Amaral/EM/D.A Press O porta-malas de 363 litros de volume tem bom tamanho para o porte do modelo

Mas o WR-V é um carro equilibrado, com boa estabilidade em curvas, apesar de ter as suspensões um pouco mais altas. É um carro mais durinho e quando trafega sobre pisos irregulares transfere as irregularidades para dentro. E também não é recomendado para trilhas com pedras e buracos, pois o fundo pode raspar ou agarrar. Apesar de ter tambores na traseira, o sistema de freios atuou de forma eficiente e segura. A direção com assistência elétrica completa o conjunto, com boa calibragem e diâmetro de giro que favorece as manobras mesmo em espaços apertados.
O Honda WR-V é um carro interessante, ágil e prático, mas fica devendo muito para ser um SUV e cobra muito caro pelo que oferece. Seu preço assustador faz chegar à conclusão que vale mais a pena investir em um utilitário-esportivo compacto de verdade.
As rodas são de liga leve de 16 polegadas, mas os pneus não são de uso misto - Jair Amaral/EM/D.A Press As rodas são de liga leve de 16 polegadas, mas os pneus não são de uso misto


CONECTIVIDADE A versão EXL do Honda WR-V é a mais completa, mas ficou devendo alguns itens importantes para um carro que custa mais de R$ 80 mil. Não tem faróis com acendimento automático e obriga o motorista a desligá-lo toda vez que vai sair do carro. A compensação é o alerta de farol aceso. Não tem abertura interna do porta-malas. A central multimídia tem tela de sete polegadas tátil, um pouco maior do que a da outra versão. Permite o pareamento com celular, mas exige um pouco de paciência, e tem ainda entradas auxiliar, para cartão SD, USB, iPod, rádio, Bluettoth e navegação. Tem ainda câmera de ré, com imagem que não determina muito bem a distância, já que não dispõe do gráfico de aproximação. E a versão ficou devendo ainda os sensores de estacionamento, item disponível na maioria dos concorrentes.

O motor 1.5 de 16 válvulas dá conta do recado, proporcionando bom desempenho  - Jair Amaral/EM/D.A Press O motor 1.5 de 16 válvulas dá conta do recado, proporcionando bom desempenho

FICHA TÉCNICA

MOTOR
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 1.497cm³ de cilindrada, 16 válvulas, com potências máximas de 115cv (gasolina) e 116cv (etanol) a 6.000rpm e torques máximos de 15,2kgfm (gasolina) e 15,3kgfm (etanol) a 4.800rpm

TRANSMISSÃO
Tração dianteira e câmbio automático tipo CVT

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, do tipo McPherson, com barra estabilizadora; e traseira, semi-independente, com eixo de torção/ liga leve de 16 polegadas / 195/60 R16

DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

FREIOS
Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, com ABS

CAPACIDADES
Peso, 1.130 quilos; porta-malas, 363 litros; tanque, 45,3 litros; de carga (passageiros e bagagem), 390kg

DIMENSÕES
Comprimento, 4,00m; largura, 1,73m; altura, 1,60m; entre-eixos, 2,55m; altura em relação ao solo, 17cm

DESEMPENHO
Fabricante não informa velocidade máxima e aceleração até 100km/h

CONSUMO (Medição do Inmetro)
Cidade 11,7km/l(g)/8,2km/l(e)
Estrada 12,4km/l(g)/8,7km/l(e)

EQUIPAMENTOS
DE SÉRIE Airbag frontal e lateral para motorista e passageiro dianteiro e airbag de cortina, aviso sonoro do cinto de segurança para motorista, cintos de segurança traseiros de três pontos para todos os ocupantes, chave tipo canivete com controle de abertura/fechamento das portas, ABS/EBD, sistema ISOFIX de fixação de cadeirinha infantil, trava de segurança nas portas traseiras, travas elétricas com travamento automático acima de 15km/h, ar-condicionado, multimídia de set polegadas multi-touchscreen com navegador GPS (AM-FM/Bluetooth/internet browser – via hospot/USB (2x)/Micro SD), Bluetooth com comandos HFT (hands free telephone) no volante –, banco do motorista com regulagem de altura, coluna de direção ajustável em altura e distância, encosto de cabeça para todos os ocupantes, iluminação interna do porta-malas, painel Bluemeter com computador de bordo multifunções, controlador de velocidade (cruise control), porta-revistas atrás dos bancos dianteiros, revestimento exclusivo dos bancos de tecido com combinação dos acabamentos em preto e laranja ou preto e prata, sistema de rebatimento dos bancos Ultra Seat – com bancos traseiros reclináveis e bipartidos (60/40) –, vidro do motorista com função um toque (subida e descida) e antiesmagamento, vidros elétricos para todos os ocupantes, volante com revestimento em couro, brake-light, câmera de marcha a ré, faróis de halogênio com luzes de rodagem diurna (DRL) em LED, faróis de neblina, retrovisores elétricos com luz indicadora de direção em LED, rack de teto, rodas de liga leve 16" com design exclusivo e vidros verdes com filtro UV.

OPCIONAL Pintura metálica


NOTAS
Desempenho 8
Espaço interno 7
Porta-malas 7
Suspensão/direção 8
Conforto/ergonomia 7
Itens de série/opcionais 7
Segurança 7
Estilo 7
Consumo 7
Tecnologia 7
Acabamento 7
Custo/benefício 6

QUANTO CUSTA?
O Honda WR-V 1.5 é vendido na versão EX 1.5 CVT por R$ 79.400. Já a versão testada, a EXL 1.5 CVT tem preço de R$ 83.400.

Tags: utilitário-esportivo suv aventureiro monovolume compacto cvt wr-v honda

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
16 de janeiro de 2018
08 de janeiro de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação