Versão intermediária do Ford Ka 1.0 tem desempenho OK e pacote modesto de equipamentos

Testamos a versão SE do hatch compacto, com acabamento espartano. Para levar itens como sistema multimídia e rodas de liga leve, motorista terá que colocar a mão no bolso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 01/10/2018 14:17 / atualizado em 01/10/2018 15:07 Enio Greco /Estado de Minas
Edésio Ferreira/EM/D.A Press

O Ford Ka anda bem no mercado brasileiro. É o terceiro modelo mais emplacado no ranking geral e o primeiro entre os de entrada. Passou por uma discreta reestilização na linha 2019 e ganhou uma nova opção de motor, o 1.5 três-cilindros. Mas a principal mudança foi o reforço estrutural, que surtiu efeito imediato, elevando o modelo de nota zero em proteção para adultos no teste de impacto do LatinNCAP para três estrelas. Testamos a versão intermediária 1.0 SE, que tem desempenho satisfatório, mas acabamento e conteúdo bem simples.


Analisando o visual do Ford Ka 2019 fica fácil constatar que as mudanças foram pontuais e muito discretas. A grade permaneceu com o mesmo desenho hexagonal, mas o “recheio” é diferente. A principal diferença na dianteira está na parte inferior do para-choque, que agora tem uma faixa preta de uma extremidade a outra, onde estão elementos em forma de colchetes. Os faróis têm o mesmo desenho, mas com fundo escurecido. As laterais são limpas e lisas, com apenas um vinco ascendente marcando a linha de cintura elevada. Na traseira, poucas mudanças. Apenas o para-choque com o mesmo elemento horizontal em preto. As rodas são de aço de 14 polegadas, com calota de plástico. Não tem roda de liga leve nem como opcional. O máximo que o freguês consegue é optar por outra de aço, mas aro 15 polegadas.

INTERIOR Por dentro o espaço é compatível com o de um hatch compacto. Os bancos dianteiros apoiam bem as pernas, sendo que o do motorista tem ajuste de altura. Já no banco traseiro o assento é mais curto e não proporciona o apoio adequado para as pernas. Ali, o espaço é ideal para duas pessoas, mas o modelo traz três apoios de cabeça e três cintos de segurança retráteis, além de dois pontos de fixação de cadeiras infantis Isofix. A versão SE traz vidros elétricos apenas nas portas dianteiras. Nas traseiras é na manivela mesmo. Os ajustes dos retrovisores externos também são manuais. O porta-malas conta com abertura interna ou na chave, tem iluminação e é todo revestido, com plástico nas laterais e carpete no encosto do banco traseiro, que é bipartido e tem Top Tether, para ancoragem de cadeiras infantis.

Na versão 2019, modelo ganhou novo elemento preto no para-choque - Edésio Ferreira/EM/D.A Press Na versão 2019, modelo ganhou novo elemento preto no para-choque

O acabamento interno é simples, com tecido de boa qualidade nos bancos e muito plástico nas portas e painel. Mas os componentes são bem montados. O volante é revestido com material emborrachado, sem comandos para o som, mas tem boa pega e ajuste apenas para altura. O painel ganhou novo desenho, com porta-treco na parte superior, e dentro dele uma entrada USB. O velocímetro, o conta-giros e o marcador de combustível são analógicos, mas uma pequena tela digital traz os dados do computador de bordo. Os comandos estão bem localizados nas portas e no painel.

Lateral lisa traz vincos ascendentes - Edésio Ferreira/EM/D.A Press Lateral lisa traz vincos ascendentes

MECÂNICA O motor 1.0 três-cilindros flex responde bem. Na cidade, com o carro leve, proporciona arrancadas relativamente rápidas, mas sem entusiasmo. Na estrada fica espertinho quando embalado, com retomadas de velocidade seguras, compatíveis com a cilindrada do motor. O câmbio manual de cinco marchas tem bom escalonamento, com a primeira mais curta, que favorece a performance na cidade. Mas os engates nem sempre são precisos, principalmente na primeira e ré. Em nosso teste em percurso misto, o computador de bordo apontou um consumo médio de 12,6km/l.

O plástico predomina no acabamento interno, mas a montagem dos componentes é bem feita - Edésio Ferreira/EM/D.A Press O plástico predomina no acabamento interno, mas a montagem dos componentes é bem feita

As suspensões receberam um ajuste mais firme, deixando o hatch compacto mais durinho, garantindo boa estabilidade em detrimento do conforto. Transfere as irregularidades do solo para dentro do carro, mas sem exageros. A direção foi bem calibrada, com cargas definidas para manobras de estacionamento e em velocidade mais elevada. O bom diâmetro de giro também facilita nas manobras. Os freios com discos na dianteira e tambores na traseira, com ABS, funcionaram de forma eficiente.

Porta-malas é pequeno, mas todo revestido - Edésio Ferreira/EM/D.A Press Porta-malas é pequeno, mas todo revestido

A versão SE parte de R$ 45.990 e pode chegar a R$ 48.490 com o pacote Plus. Um preço bem salgado para um hatch compacto de entrada que fica devendo alguns equipamentos. Mas está próximo dos preços dos principais concorrentes, porém alguns são mais bem equipados.

Banco traseiro proporciona conforto para duas pessoas - Edésio Ferreira/EM/D.A Press Banco traseiro proporciona conforto para duas pessoas

CONECTIVIDADE

A versão SE não é a de entrada do Ford Ka, mas é tão simples em seu conteúdo que poderia ser confundida como tal. O modelo vem equipado apenas com rádio My Connection com Bluetooth e compartimento para celular no painel MyFord Dock. Se o cliente quiser levar a central multimídia SYNC 3 com tela flutuante de 6,5 polegadas e duas entradas USB iluminadas de carregamento rápido vai ter que pagar R$ 2.500 pelo pacote Plus.


Motor 1.0 de três cilindros dá conta do recado - Edésio Ferreira/EM/D.A Press Motor 1.0 de três cilindros dá conta do recado

FICHA TÉCNICA

MOTOR
Dianteiro, transversal, três cilindros em linha, 997cm³ de cilindrada, 12 válvulas, flex, que desenvolve potências de 80cv (gasolina) e 85cv (etanol) a 6.300rpm e torques de 10,2kgfm a 3.500rpm (g) e 10,7kgfm a 4.500rpm

TRANSMISSÃO
Tração dianteira, com câmbio manual de cinco marchas

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, tipo McPherson; traseira, com eixo de torção/de liga leve de 5,5x14 polegadas/175/65 R14

DIREÇÃO
Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

FREIOS
A discos sólidos na dianteira e tambores na traseira, com ABS

CAPACIDADES
Do tanque, 51,6 litros; e de carga útil (passageiros mais bagagem), 423 quilos


Rodas de aço de 14 polegadas, com calotas de plástico - Edésio Ferreira/EM/D.A Press Rodas de aço de 14 polegadas, com calotas de plástico

EQUIPAMENTOS

DE SÉRIE – Computador de bordo, banco do motorista com ajuste de altura, vidros dianteiros elétricos, quatro alto-falantes, iluminação do porta-luvas, ar-condicionado, direção com assistência elétrica, trava elétrica das portas, banco traseiro bipartido (60/40), rodas de aço de 14 polegadas, ganchos Isofix para cadeiras infantis, airbags frontais, freios ABS, rádio My Connection com Bluetooth, compartimento para celular no painel MyFord Dock e maçanetas e retrovisores na cor do veículo.

OPCIONAIS – O pacote Plus (R$ 2.500) acrescenta central multimídia SYNC 3 com tela flutuante de 6,5 polegadas, duas entradas USB iluminadas de carregamento rápido, vidros traseiros elétricos, retrovisores elétricos, rodas de aço de 15 polegadas, sensor de estacionamento traseiro, faróis de neblina e banco traseiro bipartido.


QUANTO CUSTA
O Ford Ka hatch 1.0 é vendido a partir da versão S por R$ 45.490. Já a versão SE tem preço de R$ 45.990, e a SE Plus, R$ 48.490.


Notas (0 a 10)

Desempenho 7
Espaço interno 7
Porta-malas 7
Suspensão/direção 7
Conforto/ergonomia 7
Itens de série/opcionais 7
Segurança 7
Estilo 8
Consumo 8
Tecnologia 6
Acabamento 7
Custo/benefício 7

Tags: greco se2019 1.0 ka ford vrum teste

Veículos

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
04 de agosto de 2018
30 de julho de 2018

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
Queremos sua ajuda para deixar a experiência no VRUM ainda melhor! Participe Participe