Publicidade

Estado de Minas

Acessórios - Apagar das luzes

A onda do tuning passou sem deixar saudades e a moda agora é personalizar o carro com equipamentos que proporcionem conforto e diversão no trânsito confuso das cidades


postado em 10/06/2009 15:17

A moda era modificar o visual do carro, acrescentando acessórios que enfatizavam a esportividade(foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 22/12/04)
A moda era modificar o visual do carro, acrescentando acessórios que enfatizavam a esportividade (foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 22/12/04)
Quando o filme Velozes e furiosos foi lançado em 2001, nos Estados Unidos, poucas pessoas imaginavam o efeito que a obra causaria. Em várias partes do mundo, iniciou-se a febre do tuning, que, na prática, era a personalização de carros com elementos que enfatizavam a esportividade. Automóveis ganharam visual de vagalume, com luzes coloridas no interior e sob o assoalho. Mas a moda mudou e a preocupação com o  "embelezamento" do carro parece ter ficado em segundo plano, perdendo espaço para equipamentos mais úteis, que proporcionam conforto e diversão.

As luzes do tuning foram apagadas. Essa é a constatação que se faz no mercado de acessórios em Belo Horizonte. As poucas lojas especializadas fecharam as portas e as tradicionais não investem mais na comercialização de equipamentos no estilo tuning. Para Paulo Arêdes Matos Júnior, proprietário da Askar Som e acessórios (Avenida Getúlio Vargas, 631, Bairro Funcionários), a tendência do tuning passou. "Naquela época, as pessoas queriam deixar o carro mais belo, com um visual diferenciado, mas, atualmente, a procura é pela praticidade e conforto", opina o comerciante.

Paulo argumenta que, influenciadas pelo filme Velozes e furiosos, muitas pessoas foram estimuladas a investir no visual do carro, entrando na onda da personalização do tuning. Mas ele acredita que, atualmente, poucos têm tempo para isso e, como passam períodos cada vez mais longos dentro de seus carros, preferem investir em equipamentos realmente úteis e que tornem a viagem mais agradável.
Do estilo Velozes e furiosos muita coisa não se vê mais, mas outras ganham força, como tela de DVD(foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press - 5/7/07)
Do estilo Velozes e furiosos muita coisa não se vê mais, mas outras ganham força, como tela de DVD (foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press - 5/7/07)

Equipamentos
O proprietário da Askar revela que na lista dos mais procurados estão DVD, GPS, sintonizador de TV digital, Bluetooth e sensor de estacionamento com imagem traseira reproduzida na tela do painel. Há procura também por adaptações, como entrada P2 para aparelho MP3 e USB, que custam de R$ 140 a R$ 180. Os preços de DVD variam de R$ 1 mil a R$ 3 mil; o do GPS é R$ 1 mil; o Bluetooth, R$ 500; e o sensor de estacionamento com sinal sonoro, R$ 290. Mas Paulo revela que o cliente tem a opção de levar o kit conectividade, que reúne todos os equipamentos, por R$ 5 mil.

Paulo reconhece que ainda existem os adeptos do tuning, mas afirma que são poucos. Ele lembra que a concorrência cada vez mais acirrada no mercado de automóveis fez dos acessórios um diferencial entre as montadoras. "Os carros já saem de fábrica bem equipados e, com isso, as lojas de acessórios estão mais voltadas para equipamentos mais potentes e sofisticados", diz o comerciante.

Alexandre Palhares, vendedor da Ekipar (Avenida Bias Fortes, 1.187), também afirma que não há mais procura por acessórios no estilo tuning. "A onda agora é farol de xenônio, DVD ou a central multimídia, que engloba GPS, TV digital, entrada USB e Bluetooth", revela. Ele recorda que há poucos anos os faróis de xenônio custavam em média R$ 2.500, mas atualmente podem ser encontrados por R$ 300. Já a central multimídia tem preços que variam de R$ 1.800 a R$ 5.200, na Ekipar. A câmera para ré (sem a tela), muito procurada por proprietários de monovolumes, custa cerca de R$ 290.

Desacreditado
Até mesmo quem apostou no tuning não acredita mais no estilo. É o caso de Carlos Augusto Silva Costa, administrador regional do Clube do Palio Tuning, que acha que a moda tuning tinha alguns fatores que pesavam contra, como o alto custo da transformação e a evidente descaracterização do veículo. "O cidadão pagava caro para preparar o carro e, se tivesse que voltá-lo para a condição original, gastava o dobro", afirma. De acordo com Carlos, o foco hoje é outro e os adeptos do tuning estão investindo no rebaixamento esportivo do veículo, usando suspensão de rosca ou a ar. "Até mesmo nos fóruns de discussão sobre veículos na internet nota-se que o assunto tuning é coisa do passado", conclui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade