Publicidade

Estado de Minas BELO E SELVAGEM

ATS e Torino Design criam superesportivo híbrido de 860 cv

Conceito híbrido Wild Twelve apresentado em salão italiano no último fim de semana tem motor biturbo e desenvolve 860cv de potência. Ele dará origem a série limitada de 30 unidades em 2016


postado em 17/06/2015 14:11 / atualizado em 17/06/2015 14:56

(foto: ATS e Torino/Divulgação)
(foto: ATS e Torino/Divulgação)

 

O maravilhoso cenário do Parque Valentino, em Turim, na Itália, foi o local escolhido para a apresentação do protótipo Wild Twelve, desenvolvido pela Torino Design em conjunto com a empresa Automobili Turismo e Sport (ATS), fabricante de veículos esportivos italiana, fundada em 1963 com o objetivo de ser uma concorrente da Ferrari. O conceito fez sua primeira aparição mundial no fim de semana passado, durante o Salão do Automóvel Parco Valentino, um salão inovador, a céu aberto, caracterizado pela presença de grandes máquinas: veículos luxuosos e superesportivos.


Nada mais apropriado para a apresentação de um conceito que reúne linhas futuristas, potência e tecnologia. O resultado harmônico é fruto do Centro de Estilo da Torino Design, liderado por Giuliano Biasio. O Wild Twelve é equipado com motor V12 3.8 biturbo a combustão, que trabalha em conjunto com dois motores elétricos, gerando potência de 860cv e torque de 93,67kgfm. Tudo isso permite, segundo o fabricante, que ele saia da inércia e vá aos 100km/h em apenas 2,6 segundos e chegue aos 200km/h em 6,2 segundos até alcançar a velocidade máxima de 390km/h. Quando o motor convencional e os elétricos estão em ação, o modelo passa a ter tração integral, pois o V12 é responsável pelo eixo traseiro, enquanto os elétricos movem o dianteiro. A bateria de ion-lítio, no entanto, permite que o Wild Twelve ande apenas com a força da eletricidade por cerca de 30 quilômetros. A transmissão é automática de nove velocidades.


De acordo com a imprensa internacional, o atual dono da ATS, Piero Jacometti, estaria pronto para iniciar a fabricação do Wild Twelve ano que vem, produzindo uma edição limitada a cerca de 30 unidades. O modelo deve ser feito na antiga fábrica da Bugatti, em Campogalliano, onde foi produzido o modelo EB 110. O objetivo é construir o superesportivo de maneira artesanal, com chassi e carroceria em fibra de carbono para reduzir ao máximo o peso.

Carroceria e chassi são em fibra de carbono para diminuir o peso(foto: ATS e Torino/Divulgação)
Carroceria e chassi são em fibra de carbono para diminuir o peso (foto: ATS e Torino/Divulgação)

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade