Publicidade

Estado de Minas

Scania lança no Brasil ônibus biarticulado com motor dianteiro


postado em 11/10/2015 20:03 / atualizado em 11/10/2015 20:42

Atenta ao mercado de transporte rápido por ônibus (BRT), a Scania lança no Brasil o chassi F 360 HA – seu primeiro ônibus biarticulado –, com uma fórmula bem ao gosto do empresariado mineiro: o motor dianteiro, que tem maior facilidade de manutenção e valor de revenda. Desenvolvido ao longo de dois anos e meio e já vendido no México e na Colômbia, o coletivo de 28 metros e capacidade para até 270 passageiros, é o maior veículo produzido pela marca sueca. As carrocerias disponíveis são Caio e Neobus. Até então somente a Volvo oferecia um biarticulado, de motor central, também no primeiro vagão, no mercado brasileiro.


(foto: Bruno Freitas/EM/D.A Press)
(foto: Bruno Freitas/EM/D.A Press)

Com preços a partir de R$ 720 mil (valor próximo aos articulados de 18,60m do BRT/Move, neste caso já com a carroceria montada), o F360 HA é empurrado por um motorzão seis cilindros de 12,7 litros, 360cv de potência e 188,7kgfm de torque, acoplado à transmissão automática Alisson B 516R de seis marchas e retarder. Ele pode utilizar cinco portas com vão-livre de 1,10m cada. Conjunto que segue o tradicional conceito dos ônibus de motor dianteiro da Scania, que deixou de priorizar as vendas dos chassis menores F 250 e F 310. O entendimento é de que a robustez mecânica da dupla atende nichos específicos de mercado.


(foto: Bruno Freitas/EM/D.A Press)
(foto: Bruno Freitas/EM/D.A Press)


Como justificativa para a adoção do motor frontal no F 360 HA, a Scania alega não haver softwares específicos para controle das duas articulações com motor traseiro. Para amenizar o forte ruído do motor, há uma parede de separação entre o motorista e o salão de passageiros. “Nesse tipo de ônibus não é possível colocar motor atrás. A opção era na dianteira ou no entre-eixos do primeiro vagão”, argumenta o gerente de desenvolvimento de negócios da Scania no Brasil, Celso Mendonça.


Apesar do custo passageiro/km de um biarticulado poder ser 40% menor que o de um articulado, não há previsão de adoção desse tipo de ônibus no Move. O BRT da capital foi construído com especificações de embarque/desembarque e manobrabilidade específicos para ônibus articulados.


*O jornalista viajou a convite da Scania

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade