Publicidade

Estado de Minas

Depois de admitir ter falsificado dados, Volkswagen anuncia que vai recolher quase 2 mil carros na China

Montadora se envolve em escândalo internacional de manipulação de motores a diesel e afirma que 11 milhões de veículos no mundo têm equipamento que permite alterar o desempenho dos motores em termos de emissões para a atmosfera


postado em 12/10/2015 08:49 / atualizado em 12/10/2015 09:26

11 milhões de carros a diesel em todo o mundo estão equipados com dispositivos incorporados ao veículo que alteram as informações de emissões de gases poluentes. Na foto, Golf é inspecionado em Frankfurt, na Alemanha(foto: PATRICK PLEUL / AFP )
11 milhões de carros a diesel em todo o mundo estão equipados com dispositivos incorporados ao veículo que alteram as informações de emissões de gases poluentes. Na foto, Golf é inspecionado em Frankfurt, na Alemanha (foto: PATRICK PLEUL / AFP )
A Volkswagen anunciou nesta segunda-feira (12/10) que vai recolher quase 2 mil veículos na China – o maior mercado de automóveis do mundo, no âmbito do escândalo da manipulação dos motores diesel.

O grupo Volkswagen entregou 3,67 milhões de veículos na China no ano passado. Serão recolhidos apenas os veículos a diesel vendidos para o país: 1.946 Tiguan compact SUV e quatro Passat B6, segundo um comunicado da empresa.

A empresa foi acusada, em meados de setembro, de falsificar dados sobre o desempenho dos motores em termos de emissões de gases poluentes por meio de um software incorporado no veículo.

A Volkswagen reconheceu ter falsificado os dados e anunciou que 11 milhões de veículos do grupo em todo o mundo têm equipamento que permite alterar o desempenho dos motores em termos de emissões para a atmosfera. O escândalo levou à demissão do presidente executivo do grupo, Martin Winterkorn, substituído por Matthias Mueller.

O fabricante alemão reiterou hoje as informações constantes de comunicados anteriores emitidos pelas suas principais joint-venture na China de que nenhum dos veículos que produziram localmente foram afetados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade