Publicidade

Estado de Minas QUASE COMO UM FILHO

Comprou um carro zero quilômetro? Veja os gastos para manter um automóvel

Quem compra carro pela primeira vez nem sempre pensa nas despesas que vêm junto com ele e muitas vezes é obrigado a se desfazer do bem tão desejado por não conseguir mantê-lo


postado em 23/10/2015 08:00

(foto: 05/06/2014. Credito: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
(foto: 05/06/2014. Credito: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

O sonho de muitos jovens ainda é completar 18 anos para tirar a carteira de motorista e, se possível, comprar o primeiro carro. É um sonho que já não está tão distante da realidade de muitos, devido às inúmeras facilidades oferecidas para se adquirir um automóvel. Mas o que muitas pessoas não pensam é que não basta pagar o carro. É preciso mantê-lo em perfeitas condições de funcionamento e segurança. E isso não custa barato. Para alertar os marinheiros de primeira viagem, resolvemos enumerar todas as obrigações do feliz proprietário de um carro popular, para que depois o sonho não vire pesadelo.

PRIMEIRA FACADA O primeiro passo nessa história é obviamente a compra do carro. O cidadão tem várias opções, como comprar à vista, por financiamento, leasing ou consórcio. Se a decisão for pela compra parcelada em 48 vezes, o valor da prestação deve ficar em torno de R$ 500, dependendo da quantia dada na entrada. Mas é preciso ter em mente que além do valor da prestação será necessário desembolsar mais verba para outras despesas.


IDENTIDADE De cara, é preciso pagar pelo emplacamento do veículo, que no Detran/MG cobra-se uma taxa de R$ 133,42, mais o valor do par de placas, algo em torno de R$ 40. Mas ainda tem o seguro obrigatório (DPVAT) e o IPVA, que corresponde a 4% do valor do carro e pode ser parcelado em até três vezes. Mas isso é só o começo.

SEGURO Quem tem juízo não tira o carro zero da concessionária sem antes fazer o seguro contra danos, roubo e incêndio. O preço dele vai variar de acordo com o modelo e o perfil do motorista e, dependendo da combinação dos dois fatores, o valor pode ser bem alto. Mas se tomarmos por base um carro popular, com um motorista de 18 anos, o seguro fica com valor aproximado de R$ 2 mil. É possível dividi-lo em até 12 vezes, para alívio do proprietário do carro.

NO TANQUE Feito isso, você já pode rodar tranquilo com sua máquina por aí, lembrando apenas que para isso é preciso abastecê-la. Se o carro não for muito beberrão e consumir um tanque por semana, com gasolina a despesa seria em torno de R$ 160, totalizando R$ 640 no mês. Mas se o carro consegue rodar uma semana com etanol no tanque, a despesa mensal com combustível cai para cerca de R$ 400.

HORA DA MANUTENÇÃO Só que não é apenas gasolina e etanol que o carro consome. Tem o óleo do motor também, que deve ser substituído de 5 mil a 10 mil quilômetros, dependendo do caso, ou a cada seis meses. E junto com ele é bom computar o preço do filtro de óleo, que também deve ser substituído. Com a mão de obra da troca, você vai gastar em média R$ 140, usando lubrificante e filtro de boa qualidade. Essa troca de óleo normalmente é feita na primeira revisão, aos 10 mil quilômetros. Na segunda revisão, aos 20 mil quilômetros, o valor sobe para cerca de R$ 350, e nas próximas aumenta ainda mais, isso considerando que o carro não vai apresentar problema grave.

GARAGEM E SAPATO
E como não é bom deixar carro na rua, não esqueça de adicionar nas despesas mensais o preço do estacionamento, que pode variar de R$ 180 a R$ 300 para mensalistas. É uma despesa alta, mas vale a pena, pois carro deixado na rua é sinônimo de prejuízo. Os pneus duram em média 40 mil quilômetros e também representam um custo alto na hora da substituição. Se o carro tem rodas aro 14 polegadas, o conjunto de quatro pneus é vendido por cerca de R$ 850.

FAZENDO A CONTA
Somando rapidamente todas as despesas no primeiro ano, incluindo o valor das prestações, o dono do carro terá um gasto de aproximadamente R$ 10 mil, ou cerca de R$ 840 por mês. Portanto, são vários detalhes que devem ser lembrados antes de comprar um carro, pois ele é como um filho: é bonitinho, mas tem que cuidar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade