Publicidade

Estado de Minas HONDA HR-V EXL 1.8 CVT

SUV compacto mais vendidos do Brasil é feito para o asfalto

Modelo da marca japonesa alcançou esse status graças ao estilo moderno, espaço e bom conjunto mecânico


postado em 19/12/2015 17:01 / atualizado em 20/12/2015 19:25

O utilitário tem bom comportamento dinâmico e conta com controles de tração e estabilidade(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
O utilitário tem bom comportamento dinâmico e conta com controles de tração e estabilidade (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Toda a polêmica que envolve a real definição dos utilitários-esportivos e crossovers parece correr à margem da história do bem-sucedido Honda HR-V. Lançado no Brasil no fim de março, o modelo chegou desbancando o “queridinho” Ford EcoSport e vem travando uma luta ferrenha com robusto Jeep Renegade. São propostas diferentes, já que o HR-V não tem a opção do 4x4 e está mais para um crossover típico do asfalto. A versão topo de linha, EXL 1.8 CVT, tem bom desempenho, mas o preço é bem salgado.

ESTILOSO Um dos pontos fortes do Honda HR-V é, sem dúvida, seu estilo moderno. Com vincos marcantes que se estendem do para-choque dianteiro à traseira, o modelo tem linhas fluidas, que reforçam o aspecto aerodinâmico e conferem uma discreta esportividade. A frente traz em destaque a imponente grade com barra cromada envolta em moldura pintada em black piano. Os faróis, mais estreitos e com máscara negra, se encaixam perfeitamente no desenho do para-choque, formando um belo conjunto. E seguindo o padrão dos crossovers, o modelo da Honda tem o para-brisa bem inclinado e o teto arqueado, ornamentado por barras longitudinais. Nas laterais, destaque para o vinco ascendente e a maçaneta das portas camuflada na quina. A traseira é robusta, com lanternas invadindo a tampa do porta-malas, e ganha um toque de esportividade com o spoiler.

ESPAÇO
Apesar de ser um SUV compacto, o Honda HR-V não deixa a desejar no quesito espaço interno. Na frente, os bancos são confortáveis e anatômicos, sendo o do motorista com regulagem de altura. O traseiro é espaçoso e se beneficia pelo fato de não ter o famigerado túnel no assoalho, que normalmente compromete a área resevada para as pernas de quem senta no meio. E conta ainda com cintos de segurança retráteis de três pontos e apoios de cabeça para os três passageiros, além de pontos de fixação de cadeirinhas infantis nos assentos das extremidades. O porta-malas tem volume menor do que o de muitos sedãs e peruas, mas, diante de seus principais concorrentes, é o maior. E ainda conta com a vantagem do rebatimento do encosto bipartido do banco traseiro, que permite diferentes configurações para o transporte de cargas.

TUDO À MÃO A posição de dirigir do SUV compacto da Honda é boa, favorecida principalmente pela boa visibilidade frontal. A traseira já não é tão boa assim, mas o sensor de estacionamento resolve o problema. Para facilitar a vida do motorista, o modelo tem volante com ajuste de altura e distância, de série nessa versão, além de comandos do som, telefonia e controlador de velocidade. Tem também aletas para trocas de marcha atrás do volante. O painel, que mescla plástico duro e material emborrachado, tem desenho moderno, com instrumentos de fundo preto e números brancos, de fácil visualização. Todos os comandos estão bem localizados e são de fácil acesso. Os bancos, volante e painéis de portas são revestidos em couro. Destaque também para a central multimídia, que agrupa sistemas de áudio, navegação, telefone e informações sobre o carro.

DIRIGINDO
O HR-V não tem a opção 4x4, mas traz de série para todas as versões os controles de tração e estabilidade. E o pacote tecnológico inclui ainda o assistente de partida em rampas e o Brake Hold, que aciona automaticamente o freio de estacionamento eletrônico toda vez que o carro para por período mais prolongado, como em um congestionamento. Depois, é só acelerar para desativá-lo. Conta ainda com o sistema adaptativo de direção, que percebe quando o carro começa a sair da trajetória em uma curva e auxilia o motorista a retomar o controle. Com tudo isso, o HR-V traz um eficiente motor 1.8, com bom torque mesmo em baixas rotações, favorecendo as arrancadas e retomadas de velocidade.

O motor é acoplado ao câmbio CVT, que trabalha de forma suave, sem trancos, favorecendo a performance e tornando o SUV da Honda um carro agradável de dirigir. O câmbio tem a opção de trocas manuais, já que simula sete marchas, e ainda conta com a posição S, que faz as mudanças em giros mais altos. Na prática, o HR-V anda bem, tem suspensões e direção bem calibradas, com um rodar confortável e seguro. E o preço da versão é bem salgado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade